AVC E SUAS SEQUELAS: VISÃO DA MEDICINA CHINESA

AVC E SUAS SEQUELAS: VISÃO DA MEDICINA CHINESA
0 17/08/2017

AVC E SUAS SEQUELAS: VISÃO DA MEDICINA CHINESA

Autor: Mauricio Homem de Gouveia Junior

 

Resumo

O Acidente Vascular Encefálico (AVE) é a segunda maior causa de mortes no mundo e no Brasil e 40% das doenças cardiovasculares possuem predomínio do AVE, no qual cerca da metade dos sobreviventes apresentam sequelas como a hemiplegia. Como parte do fenômeno da globalização, ocorre a aproximação dos conhecimentos milenares da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) com os da Medicina Ocidental (MO) e, em 2003, a Organização Mundial da Saúde (OMS) publica um relatório validando o uso da acupuntura para a reabilitação do paciente acometido pelo AVE.

Apesar de essa aproximação proporcionar uma complementação mútua no tratamento de diversas patologias, a utilização da acupuntura na prática clínica de reabilitação continua inexpressiva.

O objetivo deste trabalho é realizar uma revisão das publicações que abordam a análise da reabilitação do paciente hemiplégico pós-AVE utilizando a acupuntura, a fim de ratificar a eficácia desse tipo de tratamento.

 

Palavras-chave: Acupuntura, MTC, AVC, Hemiplegia

 

 

Abstract

The Cerebrovascular accident (CVA) is the second leading cause of death in the world and in Brazil and 40% of cardiovascular diseases are predominantly strokes, in which about half of the survivors have sequelae such as hemiplegia. As part of the phenomenon of globalization, the ancient knowledge of Traditional Chinese Medicine (TCM) comes closer to Western medicine (OM) and in 2003 the World Health Organization (WHO) publishes a report validating the use of acupuncture for the rehabilitation of patients affected by stroke.

In spite of the mutual complementation in the treatment of various diseases this proximity provides, the use of acupuncture in clinical practice of rehabilitation remains expressionless.

The aim of this paper is to review the publications that address the analysis of rehabilitation of post-stroke hemiplegic patients using acupuncture in order to confirm the effectiveness of such treatment.

 

Keywords: Acupucture, CTM, Stroke, Hemiplegia

 

 

 

Introdução

 

O acidente vascular encefálico é uma das maiores causas de morte no Brasil e no mundo e os sobreviventes em sua maioria apresentam sequelas como hemiplegia. No adulto, as doenças cérebros-vasculares causam muito mais incapacidade física do que qualquer outra patologia e boa parcela das pessoas após 6 meses, permanecem com sequelas que trarão prejuízos diretos e indiretos para toda a sociedade.

LI SHIH MIN, 2009, descreve que na medicina tradicional chinesa (MTC), o AVC é conhecido como Zhong Feng (Lesão pelo Vento). Historicamente, a primeira descrição foi feita no tratado de medicina interna do Imperador Amarelo (HUONG DI NEI JING in: WANG, 2001) há 2.200 anos, mostrando assim que esse mal persegue a humanidade desde os tempos mais remotos e a sua incidência nos dias de hoje aumentou significativamente, principalmente por mudanças de hábito e estilo de vida de uma população agora culturalmente globalizada.

A etiopatogenia do AVC na visão oriental e ocidental tem descrições semelhantes em relação a sua localização e ao quadro clínico resultante. Os tratados de medicina interna ocidental descrevem o AVC como início abrupto de um déficit neurológico focal causado pela interrupção do suprimento sanguíneo de uma região do cérebro. Já para a Medicina Tradicional Chinesa o AVC pode ser definido como um”golpe de vento”, cujas manifestações clínicas aparecem rápido e se modificam de repente, em uma analogia ao próprio fenômeno natural vento. Ainda, segundo SU WEN (in: AUTEROCHE, 1992), “Quando se é ferido pelo Vento, o alto é afetado primeiro”, o que mostra que também para a MTC esta é uma condição que afeta a porção superior do corpo.

Em relação à sintomatologia, a medicina ocidental relaciona o AVC a déficits neurológicos focais, assim como o golpe de vento, que resulta em tremores e convulsões ou no oposto, ou seja, paralisia e flacidez. (HARRISON, 2002)

A medicina chinesa (MC) é conhecida como pioneira na valorização da prevenção de doenças e nas intervenções terapêuticas baseadas em dietas, exercícios, uso medicinal de plantas e o conhecimento da influência dos fatores ambientais sobre a saúde. Sua visão holística vem se tornando mais relevante a cada dia, quando se considera os três principais males da vida moderna: a globalização de estilos e hábitos de vida pouco saudáveis; a urbanização não planejada e crescente, com a saída do homem do campo para a cidade; e o aumento da expectativa de vida, com conseqüente envelhecimento da população e por isso maior suscetibilidade a doenças com sequelas debilitantes. Tais tendências apresentam conseqüências para a saúde, principalmente no que se refere ao aumento da incidência e prevalência das doenças crônicas não transmissíveis, como as disfunções e incapacidades decorrentes do acidente vascular cerebral (AVC) (CHAN, 2008).

A acupuntura aplicada a reabilitação é uma abordagem de baixo custo e resultados expressivos, que proporciona melhor qualidade de vida aos pacientes com sequelas de AVC e de outras doenças crônicas de incidência atualmente crescente.

 

 

Medicina Chinesa: Padrões

 

A essência do diagnóstico na Medicina Tradicional Chinesa é a identificação de padrões e estes representam a desarmonia básica que está por trás de todas as manifestações clínicas. Assim, a MTC não procura exatamente causas para os agravos e sim o modo como a condição se apresenta.

Os padrões são o conjunto de manifestações clínicas que determinam o caráter, o local e a patologia da condição.

No que diz respeito ao AVC, quatro padrões principais estão ligados a sua ocorrência:

1- Retenção de Fleuma: a fleuma é o resultado do acúmulo de líquidos corpóreos, o que na Medicina Ocidental pode ser denominado “edema”. A produção excessiva de fleuma não substancial, ou “sem forma”, causa retenção da mesma abaixo da pele ou nos canais. Como conseqüência, pode haver obstrução dos orifícios do coração, gerando fogo que, associado ao Vento, causa Golpe de Vento. A fleuma nos canais não é visível como um inchaço, mas provoca entorpecimento e é mais comum em pessoas idosas, sendo observado no Acidente Vascular Cerebral.

2- Retenção de calor: “Calor” é um termo geral que inclui qualquer manifestação caracterizada pelo Calor, e que engloba o “Fogo”. Enquanto o termo Calor é sempre associado a algo patológico, o “Fogo” pode ser fisiológico (o Fogo Ministro ou o Fogo da Porta da
Vida) ou patológico (como no “Fogo do Fígado”). O Calor denota um estado de Yang em excesso, pode afetar praticamente todos os órgãos e é gerado tanto no interior quanto na transformação do Calor exterior. As principais causas interiores do Calor são a dieta e a tensão emocional. Como todas as emoções podem causas estagnação do Qi, e o Qi estagnado “implode”, gerando Calor. O padrão de Calor por excesso pode ser observado no Fogo do Fígado, que gera Vento quando persiste por alguns anos. Isso é mais comum em idosos. (MACIOCIA, 2014)

3- Deficiência de Qi e Sangue: o Qi é a energia, matéria fundamental que constitui o universo. “O Qi é a raiz do homem” (NAN JING in: AUTEROCHE, 1992). Ele participa dos elementos que constitui o corpo e permite a manifestação da vida. É representado tanto pela “Essência”, por exemplo, o Qi da respiração, de natureza Yang, quanto pela “Substância”, por exemplo, o Qi da alimentação, de natureza Yin (AUTEROCHE, 1992). Já o sangue é o resultado da transformação da essência dos alimentos pelo Baço e o Estômago, é governado pelo Coração, armazenado no Fígado, controlado pelo Baço e circula nos vasos. Sua função é nutrir o organismo. A deficiência tanto de Qi quanto de sangue permite a manifestação do vento interno e resulta em maior susceptibilidade aos ataques de vento exterior. (FRAGOSO, 2012)

4- Deficiência de Yin: Yin e Yang representam qualidades opostas, mas complementares, sendo o Yin a parte sombria e o Yang a ensolarada. O Yin representa o material e o Yang a energia. A deficiência de Yin envolve ao consumo excessivo dos fluidos corpóreos, as substâncias Yin de cada órgão, a Essência e o Sangue. Esta condição se desenvolve gradual e lentamente e por isso pode levar ao desenvolvimento de Calor por Deficiência, ou seja, de excesso de Yang. Como já visto anteriormente, o padrão de Yang em excesso causa Fogo do Fígado, que por sua vez gera vento quando persiste por alguns anos. (MACIOCIA, 1996)

 

 

Etiogenia – Fisiologia Energética

 

O AVC é considerado uma patologia interior, sendo caracterizado pela presença de um fator patogênico no interior do corpo. Este pode ser Vento, Umidade, Fogo ou, ainda, um desequilíbrio entre Yin e Yang. O órgão implicado é essencialmente o Fígado, podendo haver Fogo no Fígado, ou seja, um fator patogênico real, ou simplesmente um desequilíbrio entre o Yin do Rim e o Yang do Fígado. (SELBACH, 2003)

Segundo MACIOCIA, 1996a, as causas do AVC no entendimento da MTC, ou melhor dizendo, a etiologia do golpe de vento está ligada a quatro fatores etiológicos principais:

1- Sobrecarga de trabalho, tensão emocional e atividade sexual excessiva: gera deficiência de Yin do Rim, e esta com freqüência gera deficiência do Yin do fígado que leva a quadro de subida de Yang do fígado. Isso acontece especialmente em idosos e pode gerar Vento no Fígado. Além disso, se houver um padrão de hiperexcitabilidade prolongada e hiperestimulação estressante do Shen, ou Mente, do Coração ou se houver uma estagnação crônica do Qi do Coração, pode haver desenvolvimento de Fogo no Coração, aumento do Calor interno que pode agitar o Fígado e fazer surgir o Vento. (SELBACH, 2003)

2- Dieta irregular e exercício físico excessivo: alimentos gordurosos, laticínios e outros enfraquecem o Baço e geram fleuma, predispondo a obesidade. “A fleuma causa formigamento dos membros, obscurecimentos mental, fala inarticulada ou afasia e língua inchada com revestimento pegajoso”. A ingestão de alimentos gordurosos também causa estagnação de Qi no Estômago, que invade o Baço/Pâncreas, aumentando a deficiência e podendo gerar Fleuma, que obstrui os orifícios do Coração, gerando Fogo que, associado ao Vento, causa Golpe de Vento. A Fleuma nos Meridianos pode causar paresias. O mesmo ocorre quando a prática de exercícios é excessiva.

3- Atividade sexual excessiva e repouso inadequado no homem: ambos enfraquecem a essência do Rim levando a deficiência da medula. A medula fica fraca e não é capaz de nutrir o sangue, gerando estase e causando rigidez e dor nos membros. Uma das características deste quadro é a língua púrpura.

4- Esforço físico excessivo e repouso inadequado: o excesso de esforço físico enfraquece o Baço/Pâncreas, os músculos e os Meridianos. O vento interno pré-existente penetra nos Meridianos, aproveitando-se da deficiência de Qi e Sangue nos mesmos. Por outro lado, a exposição ao Vento externo interage com o Vento interno dos Meridianos, gerando paralisia dos membros.

5- Fatores psicológicos: estresses que surgem dos sistemas do Fígado, Coração e Rim. A raiva, a ansiedade e o medo são responsáveis pelo desequilíbrio de Yin/Yang, estagnação e/ou deficiência de Qi e Xue, fatores responsáveis pelo Golpe de Vento.

São quatro os fatores envolvidos na patologia do Golpe de Vento: vento, mucosidade, fogo e estase. Nem sempre todos estão presentes, mas normalmente há no mínimo três causando a doença. Esses fatores também podem aparecer combinados e em diferentes graus de intensidade, originando diferentes tipos de Golpe de Vento. A hemiplegia é conseqüência da obstrução dos canais por ação do Vento e da Mucosidade, a rigidez das articulações e a contração dos músculos indicam estase de Sangue, sobre um fundo de deficiência de Qi, Sangue ou Yin, especialmente Yin do Rim e/ou Fígado. Após um Golpe de Vento é importante observar os desequilíbrios que causaram o primeiro episódio, pois eles podem ainda estar latentes, predispondo o paciente a futuras crises.

 

 

Sinais e Sintomas

 

Na MTC as manifestações clínicas possíveis de serem encontradas em um indivíduo acometido por determinada condição são agrupadas nos chamados Padrões de disfunção anatomofuncional. Os padrões associados ao AVC e suas sequelas determinam os seguintes quadros clínicos:

1- Mucosidade-Vento: contração dos membros, rigidez, tontura severa, vertigem, língua rígida, língua desviada, pulso em corda.

2- Umidade-Mucosidade: sensação de peso no corpo, sensação de opressão no tórax, expectoração profusa, ruído na garganta, visão borrada, tontura, língua inchada, língua com revestimento pegajoso, pulso escorregadio.

3- Estagnação de Qi e Sangue: hemiplegia, dores no ombro, dores no quadril, língua púrpura, pulso firme.

4- Deficiência de Yin com Calor Vazio: sensação de calor à tarde e no início da noite, tontura, zumbido, calor na palma das mãos, sensação de peso na parte superior do corpo, fraqueza na parte inferior ao andar, língua vermelha, língua sem revestimento, pulso flutuante, pulso vazio, pulso rápido.

Mais especificamente, podemos citar padrões em que o achado principal é a hemiplegia:

1- Vento nos canais: hemiplegia, desvio do olho, desvio da boca, afasia.

2- Vento do Fígado: hemiplegia, tremores, entorpecimento dos membros, tontura intensa, tinidos, dor de cabeça, língua rígida, língua desviada, língua móvel, pulso em corda.

3- Vento-Fleuma: hemiplegia, entorpecimento dos membros, formigamento dos membros, tontura intensa, visão turva, tinidos, náusea, muco na garganta, sensação de opressão no tórax, língua rígida, língua desviada, língua aumentada, pulso em corda, pulso deslizante.

4- Fleuma-Fogo: hemiplegia, entorpecimento dos membros, inconsciência súbita, confusão mental, desvio do olho, desvio da boca, contração das mãos, dentes cerrados, face vermelha, olhos vermelhos, som crepitante na garganta, sensação de opressão no tórax, expectoração de muco amarelo, expectoração de muco pegajoso, língua vermelha, língua aumentada, língua com saburra amarela, língua com saburra pegajosa, pulso deslizante, pulso rápido.

5- Umidade-Fleuma: hemiplegia, entorpecimento dos membros, inconsciência súbita, confusão mental, dentes cerrados, muco na garganta, sensação de opressão no tórax, expectoração profusa de muco pegajoso, cútis branca, cútis pastosa, membros frios,
língua aumentada, língua com saburra branca, língua com saburra pegajosa, pulso deslizante.

6- Deficiência de Qi e estase de sangue: hemiplegia, cor da pele embotada, edema, rigidez dos tendões, contrações dos membros superiores, membros inferiores relaxados e estirados, cansaço, falta de apetite, fezes amolecidas, voz fraca, respiração ligeiramente curta, cútis pálida, língua azul-arroxeada, pulso fraco, pulso áspero.

7- Deficiência do fígado e do rim: hemiplegia, dor lombar, membros moles, tontura, tinidos, memória fraca, visão turva, confusão mental, língua pálida, língua vermelha.

 

 

Princípios Terapêuticos

 

A acupuntura é uma das principais modalidades de tratamento na Medicina Tradicional Chinesa e muito antes da Dinastia Tang já era utilizada nos casos de hemiplegia.

Estudos feitos desde a década de 70 viram que a acupuntura estimula a liberação de endorfinas, substâncias neuro-humorais com efeito analgésico. Já há comprovação da sua eficiência no tratamento de inúmeras dores, regeneração nervosa, seqüelas de acometimento do sistema nervoso entre outros.

Os métodos de tratamento do AVC pela acupuntura podem ser classificados quanto à teoria aplicada.

1- Cinco Elementos:

Na seqüência de gerações, temos a Madeira, que é mãe do Fogo e é filha da Água, ou seja, o Fígado é mãe do Coração e filho do Rim.

Na seqüência de controle, o Fígado controla o Baço/Pâncreas; o Coração controla o Pulmão; o Baço/Pâncreas controla o Rim; o Pulmão controla o fígado e o Rim controla o Coração.

No AVC todo o sistema está alterado, como se vê no seguinte trecho do livro “Acupuntura Clássica Chinesa” (WEN, 1985):

 

“Se o coração está em excesso ele inibe o pulmão que, por sua vez, inibe o fígado. O Fígado, fornecendo glicose, fornece também energia vital ao trabalho do miocárdio. As suprarrenais transformam o glicogênio em glicose.

            O Fígado em excesso faz ascender a Energia, com isso, invade Baço/Pâncreas, inibindo-o. Deste modo, o desequilíbrio que atinge um determinado órgão e, da mesma forma, uma doença pode propagar-se ou mesmo transformar-se em outro tipo de doença.”

 

Assim, no AVC, quanto a seqüência de gerações, temos que o Fígado é a mãe do Coração e por isso se o Fígado está em excesso o Fogo do Gan (Fígado) consome o Yin do Coração (Xin), gerando mais Fogo. O Coração é a mãe do Baço/Pâncreas e se está em excesso causa deficiência do Pi (Baço), gerando Mucosidade ou Fleuma. O Baço/Pâncreas é a mãe do Pulmão e se está deficiente não fornece Qi dos alimentos para o Fei (Pulmão) que, por sua vez, não descende seu Qi para encontrar o Qi do Rim. O Pulmão é a mãe do Rim e se o Fei está deficiente, há uma deficiência do Yin do Shen (Rim) por um excesso de Yang (caminho das águas). O Rim é a mãe do Fígado e o Shen em excesso, e sendo responsável pela nutrição do Xue do Gan, causa estase do mesmo.

Já na seqüência do controle, temos que o Fígado controla o Estômago (Wei) e o Baço (Pi) e se o Gan está em excesso ele invade o Wei e o Pi, o que obstrui suas funções e causa deficiência. O Pi controla o Rim (Shen) e se há deficiência do Pi suas funções de transporte e transformação do Rim e excreção dos fluidos também está deficiente, e com isso o Yang do Rim ascende e o Baço retém a Umidade, que pode se transformar em Fleuma. O Rim controla o Coração e eles estão relacionados ao longo do eixo vertical. Este relacionamento é fundamental entre a Água e o Fogo e é o equilíbrio mais importante e básico do organismo, pois reflete o equilíbrio entre Yin e Yang. Se o Yin do Shen estiver deficiente, o Yin Qi não será suficiente para atravessar o Coração e, com isto, o Yin do Xin ficará deficiente, aumentando o Calor Vazio do Coração.

O Coração controla o Pulmão, e o Xin governa os vasos e o Sangue e o Fei governa o Qi. Se houver excesso do Fogo do Xin, ocorre obstrução da função do Fei e este não consegue enviar o Qi em descendência. Já se o Qi do Pulmão estiver deficiente, poderá causar estagnação do Sangue do Coração, aumentando o Fogo do Coração.

O Pulmão controla o Fígado enviando o Qi em descendência para que o Gan dissemine o Qi em ascendência. Se houver deficiência do Qi do Fei e este não puder descender, o Qi do Gan tende a ascender muito e há uma ascendência exagerada do Yang do Fígado ou uma estagnação de Qi do Fígado.

No tratamento deve-se tonificar a Mãe em caso de deficiência e sedar o Filho em caso de excesso. No excesso do Meridiano do Fígado escolhe-se o ponto sobre este meridiano relacionado ao seu Elemento-Filho, ou seja, o Fogo (ponto Xingjian F2). Na contra dominância usa-se o ponto do elemento que controla o elemento em excesso.

No caso de estarem afetadas a Madeira (Gan) e a Vesícula Biliar, aplica-se Metal R10 e E36 (a Terra sendo dominada pela Madeira). Se o Coração for afetado, Fogo, estimula-se Filho (Terra – ponto Bp3). Com o Rim deficiente, utiliza-se F8 (ponto Água em Madeira).

Ainda quanto ao tratamento usando os cinco elementos, procura-se expelir os fatores patogênicos. No AVC temos a Madeira que corresponde ao Vento, o Fogo ao Calor e a Terra à Umidade. Assim, o ponto Madeira seria usado para expelir o fator patogênico Vento, o ponto Fogo o Calor e o ponto Terra expeliria a Umidade.

2- Oito Princípios:

  • Interno/Externo: no Golpe de Vento (AVC), a doença é interna, pois há alterações dos órgãos internos e mudanças nas suas funções fisiológicas. Além disso, o estado geral do paciente é mais grave do que nas síndromes superficiais.
  • Yin/Yang: o Golpe de Vento é um quadro Yang decorrente de uma deficiência de Yin – deficiência Yin do Rim com ascendência do Yang do Fígado; deficiência do Rim com combustão do Calor – Vazio do Coração; deficiência do Qi do Baço/Pâncreas com retenção da Umidade ou Fleuma; deficiência do Sangue com estase deste e deficiência do Qi com estase do Sangue.
  • Deficiência/Excesso: é uma mistura desses dois padrões, pois a ascendência do Yang do Gan deriva-se da deficiência do Yin do Gan e/ou do Yin do Shen, causando o aumento do Yang do Gan. Então, juntamente com os sintomas de um aumento de Yang do Fígado estariam presentes também sinais de deficiência Yin do Rim e/ou Fígado.
  • Calor/Frio: o AVC representa um quadro de Calor, que pode ser secundário a aumento do Yang do Gan por si mesmo ou relacionado a deficiência de Yin do Gan. No caso de deficiência do Yin do Rim, que afeta o Yin do Fígado, temos o Calor Vazio e o aumento do Gan por si só gera Calor Cheio. No primeiro caso deve-se nutrir o Yin e no segundo eliminar o Calor.

O princípio do tratamento é dominar o Yang do Gan e tonificar o Yin do Gan e do Shen. Os pontos a serem usados seriam:

  • F3: subjuga o Yang do Fígado e é o principal ponto distal a ser utilizado.
  • TA5: subjuga o Yang do Fígado, sendo indicado para dores de cabeça ao longo do canal da vesícula biliar.
  • Bp6: encontro dos 3 meridianos. Tonifica o Yin do Rim.
  • R3: tonifica o Rim.
  • R6: tonifica o Yin do Rim.
  • F8: tonifica o Yin do Fígado
  • VB20 e VG20: expele o Vento (formado pelo Yang do Fígado).

3- Zang Fu:

Consiste na aplicação dos Oito Princípios em um Sistema Interno (Zang Fu) específico. No caso do AVC (Golpe de Vento) podemos ter excesso de Fogo ou Vento no Gan ou um quadro de deficiência de Yin do Pi. Os principais órgãos envolvidos no Golpe de Vento são o Fígado, o Coração, o Rim e o Baço/Pâncreas, e entre esses o principal é o Fígado.

  • Fogo do Gan em ascendência:

– Etiologia: estado emocional prolongado de fúria, ressentimento ou frustração, fazendo o Qi estagnar e implodir, resultando em Calor. O tratamento consiste em sedar o Fígado e eliminar o Fogo.

– Manifestações clínicas: irritabilidade, rubor facial, hiperemia da conjuntiva, língua vermelha com saburra amarela.

– Pontos: Xingjian F2 (elimina o Fogo do Gan); Taichong F3 (seda o Gan); Fengchi VB20 (elimina o Fogo do Fígado e domina ascendência do Qi); Taiyang ponto extra (elimina o Fogo do Gan); Benshen VB13 (domina a ascendência do Yang do Fígado e acalma a mente).

–  Método: sedação sem Moxa.

  • Vento do Gan agitando no Fígado: no AVC esta condição tem duas causas:

1) Deficiência do Yin do Fígado, que causa o aumento ascendente do Yang do Fígado e gera Vento Interior, decorrente da combinação Excesso/Deficiência.

* Etiologia: a deficiência do Yin do Gan pode originar-se da atividade sexual excessiva ou excesso de atividades esportivas por um longo período. Na mulher pode surgir a partir de uma deficiência de Xue em consequência de metrorragias ou menorragias crônicas por período prolongado. Já a ascendência do Yang do Gan é normalmente causada por fatores emocionais (fúria, ressentimentos e frustrações).

* Manifestações clínicas: inconsciência repentina, desvio dos olhos e boca, hemiplegia, afasia ou dislalia e tontura. Língua vermelho-escura e desviada; pulso vazio e flutuante ou em Corda – fino e rápido. O princípio do tratamento é nutrir o Yin do Gan e dominar o Yang do Fígado e o Vento.

* Pontos: Ququan F8 (tonifica o Yin do Fígado); Taichong F3 (domina o Yang do Fígado e o Vento); Ganshu B18 (pode tonificar o Yin do Fígado e também dominar o Yang do Fígado); Sanyinjiao Bp6 (tonifica o Yin do Gan); Taixi R3 (tonifica o Yin do Gan); Fengfu VG16 (domina o Vento); Fengchi VB20 (domina o Vento).

* Método: tonificação no F8, Bp6 e R3; Sedação no F3, VG16 e VB20; Estimulação moderada no B18.

2) Deficiência do Sangue do Fígado causando Vento: a deficiência do Xue do Gan cria um vazio nos vasos sanguíneos, que são preenchidos pelo Vento Interior.

* Etiologia: no AVC, uma deficiência do Rim (de Qi ou Jing) pode levar a deficiência do Sangue do Fígado. Uma dieta pobre em nutrientes ou proteínas pode debilitar o Baço que não poderá produzir Sangue suficiente. Isso causa também uma deficiência de Sangue do Fígado, pois é ele que estoca o Sangue produzido pelo Baço.

* Manifestações clínicas: parestesias dos membros, tique, tremor na cabeça e nos membros; língua pálida e desviada; pulso agitado.

* Princípio do tratamento: tonificar o Xue do Gan e dominar o Vento.

* Pontos: Ququan F8 (tonifica o Sangue do Fígado); Taichong F3 (domina o Vento do Fígado); Sanyinjiao Bp6, Taixi R3, Pishu B20 e Shenshu B13 (tonificam o sangue); Ganshu B18 (tonifica o Xue e domina o Vento do Fígado); Geshu B17 (com Moxa direta, tonifica o sangue); Hegu IG4 (junto com F3, elimina o Vento da face – recomendado para o tique facial); Fengshi VB20, Fengfu VC16 e Baihui VG20 (dominam o Vento do Fígado).

* Método: Sedação no F3, IG4, VG20, VG16 e VB20. Tonificação dos demais.

 

 

AVC,  Cuidados e prevenções, uma visão da MTC

Nos dias de hoje é quase impossível ter um estilo de vida totalmente saudável, pois a falta de tempo e as múltiplas tarefas que o trabalho exige, nos causam muitos danos. Como conseqüência não usufruímos do lazer e nem da prática de exercícios físicos que são tão importantes na redução do stress e nem tão pouco nos alimentamos de maneira correta.

Com a saída do homem do campo para as grandes cidades, nos distanciamos do contato tão importante com a natureza, ou seja, da alimentação saudável, do ar puro e fresco e da vida menos corrida. Isso trouxe inúmeros prejuízos, como doenças que antes não eram tão freqüentes, como o AVC.

A MTC prega uma filosofia de estilo de vida saudável, levando ao homem a resgatar novamente o contato com a natureza. A observação das mudanças climáticas é muito importante, assim como as  formas de extração de alimentos e modo de preparo dentro da estação correta. Há orientações também quanto ao horário de dormir e de acordar, a hora de se alimentar e de estimular  o hábito de atividades como o taiji Quan ou outras ginásticas como Lian Gong ou  Xiang Gong. Assim, a energia do corpo e as emoções fluem de maneira harmônica e é atingido o equilíbrio necessário para a prevenção de doenças e bem estar.

 

 

Referências

AUTEROCHE, B. & NAVAILH, P. O diagnóstico na medicina chinesa. São Paulo: Andrei, 1992. p. 33; 113-115.

BRAUNWALD, E., FAUCI, A.S., KASPER, D.L., HAUSER, S.L., LANGE, D.L. & JAMESON, J.L. (orgs.). Harrison Manual de Medicina. 15ª Ed. Rio de Janeiro: McGraw-Hill, 2002.

CHAN, M. Address at the WHO Congress on Traditional Medicine. Beijing: World Health Organization, 2008. Speech on the WHO Congress on Traditional Medicine. Disponível em: <http://www.who.int/dg/speeches/2008/20081107/en/index.html> .

FRAGOSO, A.P.S. & FERREIRA, A.S.’A fisiopatologia do Acidente Vascular Cerebral e suas sequelas segundo a Medicina Tradicional Chinesa’ In: Corpus et Scientia, vol. 8, n.3. Rio de Janeiro, 2012. p. 167-175.

LEME, C.M.G.M. Tratamento de Acupuntura em portadores de Hemiplegia com Dor no Ombro. Mogi das Cruzes: Monografia do Curso de Pós-Graduação em Acupuntura, Universidade de Mogi das Cruzes, 2011.

MACIOCIA, G. Os fundamentos da Medicina Chinesa. 1ª Ed. São Paulo: Roca, 1996. p. 26-38; 135-140; 253-346.

MACIOCIA, G. Os Fundamentos da Medicina Chinesa: Um Texto Abrangente para Acupunturistas e Fisioterapeutas. 2ª Ed. São Paulo: Roca, 2014. p. 424-428; 550-554; 572-574; 581; 584; 589-590.

MIN, L.S. ‘Medicina Tradicional Chinesa e Acupuntura’ In: ComCiência, n. 109. Campinas, 2009.

NAKATA,C.H. et al. ‘Acupuntura e Hemiplegia: Revisão Sistemática’ In: Revista de medicina e saúde de Brasília,vol. 3, n. 2. Brasília, 2014. p. 162-172.

SELBACH, I. Acupuntura aplicada no AVC (Acidente Vascular Cerebral) e uma breve visão da MTC (Medicina Tradicional Chinesa). Botucatu: Monografia do Curso de Especialização em Acupuntura Veterinária, Universidade Estadual Paulista Júlio Mesquita Filho, 2003.

WANG, B. Princípios de Medicina Interna do Imperador Amarelo. São Paulo: Ícone, 2001. p. 59-60.

WEN, T.S. Acupuntura Clássica Chinesa. São Paulo: Cultrix, 1985.