A REDUÇÃO DA DOR EM PACIENTES COM ARTRITE REUMATOIDE TRATADOS COM ACUPUNTURA

A REDUÇÃO DA DOR EM PACIENTES COM ARTRITE REUMATOIDE TRATADOS COM ACUPUNTURA
0 08/03/2017

A REDUÇÃO DA DOR EM PACIENTES COM ARTRITE REUMATOIDE TRATADOS COM ACUPUNTURA

Autor: Vanessa dos Santos Lima

 

Resumo

A artrite reumatoide (AR) é uma doença autoimune inflamatória sistêmica caracterizada pelo comprometimento da membrana sinovial das articulações periféricas. De caráter crônico e destrutivo a doença pode levar a importante limitação funcional, com perda de capacidade laboral e de qualidade de vida, a menos que o diagnóstico seja feito em fase inicial da doença e o tratamento determine melhora clínica. A prevalência de AR é estimada entre 0,5 a 1% da população, sendo que a doença afeta três vezes mais mulheres do que homens e com maior incidência entre os 30 e 50 anos de idade. O tratamento de AR deve ser iniciado o mais breve possível, uma vez que a terapia medicamentosa intensiva instituída precocemente previne danos estruturais (erosões), melhorando a capacidade funcional. Atualmente, a acupuntura vem se destacando como terapêutica alternativa em melhoria da dor e qualidade de vida desses pacientes. A Artrite Reumatoide sob o ponto de vista da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) enquadra-se em padrão misto de Síndrome de Obstrução Dolorosa do Tipo Vento ou Móvel, Tipo Úmido, Tipo Frio, Tipo Calor, ou do Tipo Óssea. É causada pela invasão do vento, caracterizando-se por sensibilidade e dor muscular, articular, com limitação de movimento e dor que migra de uma articulação para outra. Nos casos agudos encontramos pulso flutuante e ligeiramente rápido. O objetivo da pesquisa foi de revisar na literatura informes que comprovem a redução da dor nos pacientes com artrite reumatoide quando tratadas com acupuntura.

Palavras-chave: artrite reumatoide, acupuntura, medicina chinesa

 

Abstract

Rheumatoid arthritis (RA) is a systemic inflammatory autoimmune disease characterized by the involvement of the synovial membrane of peripheral joints. Chronic and destructive character the disease can lead to significant functional limitation, loss of work capacity and quality of life, unless the diagnosis is made at an early stage of the disease and treatment determine clinical improvement. The prevalence of RA is estimated between 0.5 to 1% of the population, and the disease affects three times more women than men with higher incidence between 30 and 50 years of age. The treatment of RA should be started as soon as possible, since the intensive drug therapy instituted early prevents structural damage (erosions), improving functional capacity. Currently, acupuncture has been highlighted as an alternative therapy in improving pain and quality of life of these patients. The Rheumatoid Arthritis from the point of view of Traditional Chinese Medicine (TCM) fits in mixed pattern Dolorosa Obstruction Syndrome type or Wind Mobile, Wet Type, Type Cold Heat Type, or bone type. It is caused by wind invasion, characterized by sensitivity and muscle pain, joint, with limitation of motion and pain that migrates from one joint to another. In acute cases we found floating wrist and slightly faster. The objective was to review the literature reports that prove the reductionf pain in patients with rheumatoid arthritis when treated with acupuncture.

Keywords: rheumatoid arthritis, acupuncture, Chinese medicine.

  

Introdução

Pode-se definir a artrite reumatoide (AR) como uma doença autoimune inflamatória sistêmica caracterizada pelo comprometimento da membrana sinovial das articulações periféricas. De caráter crônico e destrutivo a doença pode levar a importante limitação funcional, com perda de capacidade laboral e de qualidade de vida, a menos que o diagnóstico seja feito em fase inicial da doença e o tratamento determine melhora clínica. Além de deformidade irreversível e de limitação funcional, pacientes com AR e doença avançada podem apresentar menor sobrevida, o que confirma a gravidade dessa doença (MOTA et al, 2012; CONCEIÇÃO et al, 2015).

Outro fator que pode influenciar a capacidade funcional é a caquexia reumatoide, que ocorre em aproximadamente 66% dos pacientes com AR, e é caracterizada por perda de massa celular, predominantemente, de musculoesquelético (sarcopenia), sendo sua etiologia multifatorial, incluindo o aumento da produção de citocinas pró-inflamatórias, alterações hormonais e a própria inatividade física (TEIXEIRA, FILIPPIN e XAVIER, 2012).

A prevalência de AR é estimada entre 0,5 a 1% da população, sendo que a doença afeta três vezes mais mulheres do que homens e com maior incidência entre os 30 e 50 anos de idade (MOTA et al, 2012; BRASIL, 2013; COSTA, 2014; CONCEIÇÃO et al, 2015).

O desenvolvimento da AR decorre de uma sequência de eventos patológicos que evoluem a partir da perda da tolerância imunológica de células T e B contra autoantígenos, a partir da influência de fatores genéticos e ambientais. A cartilagem sinovial e tecidos ósseos sofrem um processo de degradação que pode levar à completa destruição da cartilagem e posterior erosão óssea (SILVA et al, 2013; MORAIS et al, 2014).

Oliveira (2015) fez uma pesquisa para analisar os gastos que o Ministério da Saúde (MS) pagou pelos medicamentos para artrite reumatoide no período de 2010-2014, foram dispensados 3,74 milhões de unidades farmacêuticas para o tratamento da artrite reumatoide e gerou um custo de 1,03 bilhões de reais no orçamento, provocando um impacto médio de 5,76% nos recursos do Componente Especializado da Assistência Farmacêutica. As novas incorporações não impactaram de forma substancial os gastos com a artrite reumatoide no Brasil e o período entre a incorporação das novas tecnologias e a dispensação no SUS foi superior ao estabelecido em norma, variando entre sete e doze meses.

O tratamento de AR deve ser iniciado o mais breve possível, uma vez que a terapia medicamentosa intensiva instituída precocemente previne danos estruturais (erosões), melhorando a capacidade funcional. O período inicial da doença, principalmente os doze primeiros meses (AR inicial), configura uma janela de oportunidade terapêutica, isto é, um momento em que a intervenção farmacológica efetiva pode mudar o curso da doença (MS, 2014).

O tratamento não medicamentoso de AR inclui educação do paciente e de sua família, terapia ocupacional, exercícios, fisioterapia, acupuntura, apoio psicossocial e cirurgia (MS, 2014).

Dentre as estratégias de tratamento não farmacológicas da AR, destaca‐se a prática de exercícios físicos que aborda o desenvolvimento da amplitude do movimento, da funcionalidade, da capacidade cardiovascular e da força muscular. Atualmente, a acupuntura vem se destacando como terapêutica alternativa em melhoria da dor e qualidade de vida desses pacientes (SILVA et al, 2013; SANTANA et al, 2014).

A Artrite Reumatoide sob o ponto de vista da Medicina Tradicional Chinesa (MTC) enquadra-se em padrão misto de Síndrome de Obstrução Dolorosa do Tipo Vento ou Móvel, Tipo Úmido, Tipo Frio, Tipo Calor, ou do Tipo Óssea. É causada pela invasão do vento, caracterizando-se por sensibilidade e dor muscular, articular, com limitação de movimento e dor que migra de uma articulação para outra. Nos casos agudos encontramos pulso flutuante e ligeiramente rápido (MACIOCIA, 2007; SANTOS, 2011; BASTOS, 2015).

Quando causada por Vento e Umidade apresenta dor e edema acometendo a articulação, pode apresentar peso e parestesia, dor fixa que é agravada por clima úmido ou exposição à umidade. Na fase aguda o pulso é levemente escorregadio.

No tratamento das Síndromes BI o principal objetivo é expelir os fatores patogênicos que invadiram os Meridianos e a estagnação de QI e Xue, no caso da Síndrome BI Óssea necessita ser tratada internamente devido a sua interiorização, nutrindo também o Sangue, o Fígado e os Rins e eliminando o fator patogênico predominante (NACHILUK, 2015).

Foi realizada uma revisão de literatura no banco de dados Scielo e Google acadêmico, livros, teses, monografias, jornais e revistas científicas nas bibliografias disponíveis e atualizadas nacionais e internacionais para material de pesquisa. Foram utilizados artigos relacionados à artrite reumatoide dos anos 2011 a 2016.

 

 

Artrite Reumatoide na MTC

A Artrite Reumatoide (AR) é uma doença autoimune de etiologia desconhecida, caracterizada por poliartrite periférica e simétrica, que leva à deformidade e à destruição das articulações por erosão do osso e cartilagem. Afeta mulheres duas vezes mais do que os homens e sua incidência aumenta com a idade.

A AR sob o ponto de vista da medicina chinesa enquadra-se em padrão misto de Síndrome de Obstrução Dolorosa do Tipo Vento ou Móvel, Tipo Úmido, Tipo Frio, Tipo Calor, ou do Tipo Óssea. É causada pela invasão do vento, caracterizando-se por sensibilidade e dor muscular, articular, com limitação de movimento e dor que migra de uma articulação para outra. Nos casos agudos encontramos pulso flutuante e ligeiramente rápido (BASTOS, 2015).

Causada por invasão de fatores patogênicos externos, ou seja, por invasão de frio, umidade, calor ou vento. Estes fatores, quando dentro do corpo, impedem a energia e o sangue de circular, assim, os músculos ficam mal nutridos e ficam impossibilitados de se contrair e mover os ossos, o que gera dor. Quando os fatores patogênicos não são expulsos do corpo, eles podem agravar a doença, gerando a Síndrome BI do tipo óssea, onde as consequências vão além do sistema músculo esquelético, afetando também os órgãos internos (SANTOS, 2011).

Síndrome BI Óssea. Essa síndrome é descrita por Maciocia como caso crônico de qualquer outra das síndromes BI, nesse caso, as juntas e meridianos são obstruídos por mucosidade, gerando atrofia muscular, inchaço e deformidade dos ossos das juntas. Há estase de sangue causada pela obstrução da circulação de QI, Sangue, Jin Ye e Mucosidade, proporcionando a dor; pela estagnação o mesmo não nutre e umedece os tendões, levando à rigidez. A deficiência de Fígado e Rim tem grande importância nessa síndrome, pois devido à vulnerabilidade causada pela mesma ocorre o acumulo da mucosidade. Além disso, por se tornar de interior essa síndrome afeta também os órgãos internos (MACIOCIA, 2007).

Para Ross (2003), a AR pode ter início de uma herança fisiológica e psicológica de reação ao estresse, podendo piorar com a invasão de fatores patogênicos externos, emocionais e de estilo de vida. Esse paciente caracteriza-se por uma personalidade onde a raiva e mágoa são suprimidas, imobilizando o indivíduo com a doença física e incapacidade de se expressar. O autor associa essa personalidade ao equilíbrio do Baço e Fígado: enquanto há desequilíbrio, há produção de Calor e Umidade, gerando a inflamação. Na interpretação de Ross a deficiência de QI e Xue também é citada, assim como a deficiência de Yin e Yang e a presença de Umidade.

Canova, Ribeiro e Pavani (2014), em sua revisão de estudo afirmaram que a eficácia da acupuntura na artrite reumatoide é sugerida por alguns autores no tratamento de sua sintomatologia, assim como terapia coadjuvante no tratamento desta doença autoimune. Torna-se importante ressaltar que os pontos de acupuntura diversificaram de estudo para estudo, assim como as técnicas de acupuntura utilizadas.

Barros (2015) fez um estudo de caso de uma paciente de 52 anos com AR há 4 anos, onde foi aplicado 38 sessões de acupuntura. Foram utilizados pontos de auriculoterapia, pontos fonte e extras, utilizando agulhas Dong Bang 0,25mm x 30mm. Na última sessão, a paciente relatou que antes de fazer acupuntura não conseguia cortar cebolas, colocar calças, abotoar sutiãs e nem descascar laranjas. Depois que começou o tratamento já realizava todos esses movimentos além da melhora significativa do intestino, das dores e da insônia. Além disso, houve diminuição dos medicamentos, logo o estudo mostrou-se eficaz no combate às dores articulares e demais sintomas desta doença tão significativa nos dias atuais.

Tam et al (2015) fizeram estudo de caso randomizado, prospectivo, duplo-cego, controlado por placebo, para avaliar o efeito da Eletroacupuntura (EA), a Acupuntura Tradicional Chinesa (TCA) e Acupuntura sham (Sham) em pacientes com artrite reumatoide. Todos os pacientes receberam 20 sessões ao longo de um período de 10 semanas. Seis pontos de acupuntura foram escolhidos. O resultado primário foi a mudança na pontuação da dor. Os desfechos secundários incluíram as mudanças no núcleo da doença medidas ACR, DAS 28 pontos e do número de pacientes que atingiram ACR 20 na semana 10. Este estudo piloto permitiu uma série de recomendações a serem feitas para facilitar o desenho de uma escala grande de experimentação, que por sua vez, ajudará a esclarecer a base de dados existentes sobre a acupuntura para a artrite reumatoide.

Junying, Wenquan e Yongping, mencionam alguns pontos principais para tratamento de síndrome Bi (juntas doloridas):

  • dor na articulação do ombro: ponto Ashi, IG15, ID10, IG11, VB34, no lado afetado;
  • dor no cotovelo: ponto Ashi, IG11, IG4, TA5, VB34, no lado afetado;
  • dor no punho: ponto Ashi, TA4, TA5, IG5, ID4, VB40, no lado afetado;
  • dor na junta metacárpica: ponto Ashi, IG4, ID3, no lado afetado;
  • dor nas juntas dos dedos: ponto Ashi, IG4, no lado afetado;
  • dor na articulação do quadril: ponto Ashi, VB30, VB29, VB39, no lado afetado;
  • dor na articulação do joelho: ponto Ashi, E34, VB34, VB33, B40, IG11, no lado afetado;
  • dor na junta do tornozelo: ponto Ashi, B62, R6, E41, B60, VB40, TA4, no lado afetado;
  • dor nas juntas dos dedos do pé: ponto Ashi, E44, F3, no lado afetado;
  • dor na espinha: VG14, VG12, VG3, ponto Ashi, Jiaji (extra).
  • síndrome Bi calor: VG14, IG11
  • síndrome Bi vento: B12, B17, BP10
  • síndrome Bi frio: B23, VC4
  • síndrome Bi umidade: BP9, B20, E36 (JUNYING; WENQUAN; YONGPING, 1996).

Auteroche e Navailh descrevem a dor como um sintoma subjetivo muito frequente que pode manifestar-se em qualquer parte do corpo e pode ser causada por plenitude, onde a invasão de Energia Perversa de origem externa, obstrui os meridianos e os colaterais impedindo a circulação do QI e Xue  ou vazio de Energia, causado por insuficiência do QI e Xue ou a diminuição de Yin Jing que fazem com que os Zang Fu, os meridianos e os colaterais não sejam alimentados (AUTEROCHE; NAVAILH, 1992).

O objetivo da pesquisa foi de revisar na literatura informes que comprovem a redução da dor nos pacientes com artrite reumatoide quando tratadas com acupuntura.

 

 

Considerações finais

 

Para a Medicina Chinesa a artrite reumatoide pode não possuir cura, mas sem dúvida é possível manter um paciente sem os sintomas da doença por longos e longos meses.

A MTC encara a dor como uma ocorrência da estagnação de QI e Xue nos canais e colaterais energéticos e, não constitui um simples sintoma, mas sim uma entidade clínica com características que se apresentam como parte essencial para o correto diagnóstico das possíveis síndromes energéticas similares.

A acupuntura contribui para a redução das doses medicamentosas, controle da dor, estabilização emocional e consequente melhora da qualidade de vida da pessoa.

A aplicação da acupuntura em portadores de artrite reumatoide foi bem aceita, com resultados positivos, possibilitando a redução do quadro álgico.

Conclui-se que a presença dos fatores patogênicos externos é imprescindível para a existência da síndrome de obstrução, onde é claramente definida como dor, rigidez e sensibilidade nos músculos, tendões e articulações.

Faz-se necessário ainda, a realização de estudos adicionais para avaliar com maior precisão a eficácia da acupuntura como tratamento complementar em pacientes portadores de AR.

 

Referências Bibliográficas

 

AUTEROCHE, B, NAVAILH, P. O Diagnóstico na Medicina Chinesa, ed. Andrei, São Paulo, 1992

BARROS, J.F. Tratamento da artrite reumatoide e melhora na qualidade de vida com o uso da acupuntura. TCC apresentado a Libertas – Faculdades Integrada / CETN, Bauru, 2015.

BASTOS, A. Artrite Reumatoide segundo a Medicina Chinesa e a Terapêutica Natural. Disponível: www. webnode.com.br/…/artritereumatoide. Acesso em: 15/05/2016.

BRASIL. Secretária de Atenção à saúde. Ministério da Saúde. Portaria nº 710, de 27 de junho de 2013. Aprova o Protocolo Clínicas e Diretrizes Terapêuticas da Artrite Reumatoide. Jun, 2013.

CANOVA, V.P; RIBEIRO, J; PAVANI, R.M. Acupuntura na artrite reumatoide. Rev Bras Ativ Fis e Saúde, Pelotas/RS, 19 (Suplemento 1)  Dez/2014

CONCEIÇÃO, J.S; SINHORIM, L.M.B; MARTINS, T.B; ARAÚJO, F.G.S. Abordagem fisioterapêutica de pacientes com artrite reumatoide: revisão de literatura. Arq. Ciênc. Saúde. 2015 jan-mar; 22(1) 14-20

COSTA, J.O; ALMEIDA, A.M; JUNIOR, A.A.G; CHERCHIGLIA, M.L; ANDRADE, E.L.G; ACURCIO, F.A. Tratamento da artrite reumatoide no Sistema Único de Saúde, Brasil: gastos com infliximabe em comparação com medicamentos modificadores do curso da doença sintéticos, 2003 a 2006. Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, vol. 30, n.2, p.283-295, fev, 2014.

JUNYING, G; WENQUAN, H; YONGPING, S. Selecionando os Pontos Certos de Acupuntura – Um Manual de Acupuntura. Roca, SP, 1996.

MACIOCIA, G. Os fundamentos da medicina tradicional chinesa: um texto abrangente para acupuntura e fitoterapeutas. 2 ed. São Paulo: Roca, 2007.

MORAIS, R. S; SOBRINHO, H.M.R;  GOMES, C.M; QUIXABEIRA, V.B.L; CRUVINEL, W.M. Artrite Reumatoide: Revisão dos aspectos imunológicos. Estudos, Goiânia, v. 41, n. 3, p. 591-601, jul./set. 2014

MOTA, L.M.H; CRUZ, B.A; BRENOL, C.V; PEREIRA, I.A; FRONZA, L.S.R; BERTOLO, M.B; FREITAS, M.V.C; SILVA, N.A; JUNIOR, P.L; GIORGI, R.D.N; LIMA, R.A.C; PINHEIRO, G.R.C. Consenso 2012 da Sociedade Brasileira de Reumatologia para o tratamento da artrite reumatoide. Rev Bras Reumatol 2012;52(2):131-134.

NACHILUK, K.T. Acupuntura na Artrite Reumatoide. [monografia] Especialização em Acupuntura para o CETN, ago, 2015.

OLIVEIRA, A.V. Análise dos gastos do Ministério da Saúde com medicamentos para tratamento da artrite reumatoide no Brasil no período 2010 a 2014, [monografia] Saúde Coletiva da Faculdade de Ceilândia da Universidade de Brasília, 2015.

ROSS, J. Combinações dos Pontos de Acupuntura – A Chave para o Êxito Clínico – São Paulo: Roca, p. 353-354, 2003.

SANTANA, F.S; NASCIMENTO, D.C; FREITAS, J.P.M; MIRANDA, R.F; MUNIZ, L.F; NETO, L.S; MOTA, L.M.H; BALSAMO, S. Avaliação da capacidade funcional em pacientes com artrite reumatoide: implicações para a recomendação de exercícios físicos. Rev Bras de Reumatologia v 54, Issue 5, September–October 2014, Pages 378–385.

SANTOS, F.M. A Artrite Segundo a Medicina Tradicional Chinesa. Disponível: www.facilitandoacupuntura.com.br/author/femara/artrite. Acesso: 14/05/2016.

SILVA, A.S; ROSA, B; SOARES, J; SEPODES, B. Desafios e Oportunidades na Abordagem Terapêutica da Artrite Reumatoide. Rev Port Farmacoter | 2013; 5:118-127

TAM, L.S; LEUNG, P.C; LI, T.K; ZHANG, L; LI, E.K. Acupuntura no tratamento da artrite reumatoide: um estudo piloto duplo-cego e controlado. Salud, 2015. Disponível em: http://pesquisa.bvsalud.org/regional/resources/mdl-17980044. Acesso em: 10/05/2016.

TEIXEIRA, V.O.N; FILIPPIN, L.I; XAVIER, R.M. Mecanismos de perda muscular da sarcopenia. Rev. Bras. Reumatol. vol.52 n.2 São Paulo Mar./Apr. 2012.