A ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA DOR DE CABEÇA

A ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA DOR DE CABEÇA
0 08/03/2017

A ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA DOR DE CABEÇA

Autora: Viviane dos Reis Lodi

 

Resumo

A acupuntura é um método terapêutico utilizado na medicina tradicional chinesa há mais de 3000 anos, que consiste na inserção de agulhas e vem sendo utilizada com bastante freqüência para tratamento de várias patologias visando manter e promover o equilíbrio vital e vêm sendo de grande importância nas cefaléias. A cefaléia desencadeia uma série de conseqüências físicas, sociais e psicológicas nos indivíduos afetados. Além, do consumo indiscriminado de analgésicos sem prescrição medica. O tratamento com acupuntura promove o alívio, permitindo o retorno ao trabalho e melhor desempenho nas atividades diárias, proporcionando uma melhora na qualidade de vida. O objetivo da presente pesquisa é verificar a eficácia dos tratamentos envolvidos para a dor de cabeça primária, por meio da pesquisa bibliográfica. Foram utilizadas as seguintes bases de dados eletrônicas: Google, Scientific Eletronic Library on Line (Scielo), Bireme. Livros, periódicos e monografias também foram consultados para realização dessa pesquisa. Através desse estudo foi possível observar que a acupuntura pode ser utilizada como método único de tratamento da cefaléia, uma vez que controla os sintomas e não possui efeitos colaterais. Além de auxiliar na diminuição severa do consumo de medicamentos.

Palavras-chave: Acupuntura, enxaqueca, cefaléia, dor de cabeça.

 

Abstract

Acupuncture is a therapeutic method used in tradicional chinese medicine for over 3000 years, wich is the insertion of needles and has been used quite often for treatment of various pathologies in order to maintain and promote the vital balance and have been of great importance in headache. Headache triggers a series of physical, social and phychological consequences for affected individuals. In addiction, the indiscriminate use of painkillers without a prescription. Acupuncture treatment promotes relief, allowing the return to work and better performance in daily activities, providing a better quality of life. The objective of this research is to verify the effectiveness of the treatments envolved for primary headache, through literature. The following electronic library databases were used: Google, Scientific Eletronic Library on Line (Scielo), Bireme, books, periodicals and monographs were also consulted for this survey. By this study it was observed that acupuncture may be used as the sole method of treatment of headache, as symptoms control and has no side effects. Besides helping to severe decrease in consumption of drugs.

Keywords: Acupuncture, migraine, headache.

 

Introdução

A acupuntura é uma técnica oriental que faz parte da Medicina Tradicional Chinesa, que consiste na inserção de agulhas, que vem sendo utilizada com bastante freqüência para uma série de patologias.

Kurebayashi, Freitas & Oguisso (2009) pontua que efetivamente a acupuntura é uma técnica antiga que objetiva diagnosticar doenças e promover a cura pela estimulação da força da autocura do corpo. Esse processo se promove pelo realinhamento e redirecionamento da energia, por meio da estimulação de pontos de acupuntura por agulhas finas metálicas ou outras formas de abordagens como laser, pressão entre outros.

É utilizado em doenças dolorosas e não dolorosas, sendo que no primeiro caso, pode ser realizado o tratamento em pontos- gatilhos, ou ainda estimulação segmentar, onde a agulha é inserida em uma área inervada pelo mesmo segmento espinhal da estrutura abalada; já no segundo caso, a opção de tratamento mais comumente usado pode ser o método local segmentar. Além disso, para doenças generalizadas aplica-se pontos tradicionais já bem conhecidos. (EDZARD, WHITE apud BRANDRÃO et al, 2013)

De acordo com Vercelino & Carvalho (2010) devido à grande efetividade no tratamento de condições dolorosas crônicas, iniciou-se, então em 1949, pesquisas nas principais universidades chinesas, com o objetivo de elucidar seus mecanismos. Após intensas investigações clínicas e experimentais, a acupuntura mostrou muitas evidências, saindo do campo empírico, para o ambiente científico.

As cefaléias têm sido um dos temas de condições dolorosas mais comumente abordadas. A acupuntura tem sido usada tanto para prevenção, quanto para tratamento de doenças, incluindo as dores crônicas, como migrâneas e cefaléias crônicas. (VERCELINO & CARVALHO, 2010)

Segundo dados da Organização Mundial da Saúde (OMS), noventa e nove por cento da população mundial já teve dor de cabeça e 90% ao menos uma crise no último ano. O motivo da alta prevalência é anatomicamente compreensível: a cabeça é uma região ricamente e extremamente sensível. (ALVES apud AGUIAR & COSTA, 2009, p.19)

A alta incidência de indivíduos portadores de cefaléia primária leva a se pensar em uma maneira alternativa ao tratamento para minimização do problema. Nesse aspecto, a acupuntura se apresenta como indicação terapêutica, podendo se firmar como tratamento eficaz e seguro da patologia.

Kreling (apud Oliveira & Oliveira, 2011), afirma que a dor é marcada como uma experiência sensorial e emocional desagradável e exposta em termos de lesões teciduais reais ou potenciais. A dor é sempre subjetiva. A dor aguda ou crônica de um modo geral leva o indivíduo a manifestar sintomas como alterações nos padrões de sono, apetite e libido, distúrbios de humor, alterações de energia, diminuição da capacidade de concentração, restrições na capacidade para atividades familiares, profissionais e sociais.

Zukerman et al. (apud Aguiar & Costa, 2009), relatam, que a cefaléia prejudica na qualidade de vida (QV) além de ocasionar o impacto sócio-econômico importante devido a custos dos serviços de saúde, absenteísmo no trabalho e redução da eficiência do mesmo.

Dessa forma, o presente estudo tem como objetivo verificar a eficácia dos tratamentos envolvidos para a dor de cabeça primária, por meio da pesquisa bibliográfica.

Para esta revisão foram consultadas as seguintes bases de dados eletrônicas: Google, Scientific Eletronic Library on Line (Scielo), Bireme. Como estratégia de busca, utilizou-se os termos: acupuntura, enxaqueca, cefaléia, dor de cabeça, eficácia da acupuntura na cefaléia. Livros, periódicos e monografias também foram consultados para realização dessa pesquisa.

 

A Cefaléia na medicina ocidental

De acordo com Santos (apud Oliveira & Oliveira, 2011) na Sociedade Internacional de cefaléia, há mais de cento e cinqüenta tipos diferentes de dores de cabeça. Em 2004, a Sociedade Internacional de Cefaléias publicou a 2ª edição da classificação internacional da cefaléia, que de acordo com ela é classificada em primária e secundária.

Segundo o mesmo autor, de acordo com essa classificação, as cefaléias primárias têm origem ligada a alterações intrínsecas da bioquímica cerebral. Esse tem como principais representantes, a cefaléia migrânea ou enxaqueca, a do tipo tensional e a em salvas.

São consideradas cefaléias dores relatadas na superfície da cabeça do tipo latejante e/ou em pressão, em facada e/ou pulsátil, em aperto e /ou pontada de intensidade leve a moderada, geradas a partir das estruturas profundas, resultantes de estímulos dolorosos intracranianos, mas que resultam de dores originadas de fora dele, ocasionadas por uma excitação direta ou reflexa de algum nervo sensitivo da cabeça, associados à fotofobia, fonofobia, náuseas e vômito. (WANNMACHER e FERREIRA; ARAÚJO e ALMEIDA apud OLIVEIRA e OLIVEIRA, 2011).

Falavigna (2010) afirma que alguns fatores  podem ser considerados de risco para cefaléia como a pré-disposição familiar, estresse, ingestão de álcool, falta de alimentação, sono, mudança climática, odores e perfumes, e menstruação.

De acordo com Palmeira (1990), a prevalência de enxaqueca é mais acentuada em mulheres do que em homens, havendo uma tendência de diminuição da dor enxaquecosa em indivíduos do sexo feminino a partir dos 40 anos, sendo essa redução ainda mais significativa após os 50 anos de idade. Quanto aos fatores associados à enxaqueca e as dores de cabeça descritos na literatura, há consenso de que as mulheres são as mais afetadas, isso se deve as variações hormonais sofridas pelas mulheres durante o ciclo sexual.

Vercelino e Carvalho (2010), apontam que a cefaléia é uma situação comum nas clínicas de dor e acomete mais de 10% dos pacientes que padecem de dores crônicas. Dentre os tipos de cefaléia, a tensional é mais prevalente, seguida da enxaqueca. Esta por sua vez, tem prevalência de 10 a 20% na população, sendo que nas mulheres é quatro vezes maior que nos homens, ocupando a 19ª posição mundial entre todas as doenças incapacitantes.

Atualmente, a dor de cabeça na prática médica diária vem sendo uma das queixas mais rotineiras que constitui importante problema de saúde pública. Estima-se que 90% da população pode referir algum tipo de cefaléia em algum período da vida. Uma parte relevante irá procurar um atendimento num serviço de emergência em pelo menos um destes episódios de dor de cabeça como aponta Monzillo (apud Junior, 2010).

Matta & Moreira (2006) mostram que a cefaléia é a causa mais comum de absenteísmo e incapacidade laborativa no ambiente de trabalho, esse tipo de distúrbio repercute economicamente tanto para o indivíduo quanto p a sociedade, além de aumentar a procura por serviços médicos e setores de emergências.

Segundo a Sociedade Brasileira de Cefaléias (2002), um aspecto a ser observado  é que devido a alta prevalência das cefaléias contribuiu para que se criasse na população o costume de consumir indiscriminadamente analgésicos sem prescrição ou acompanhamento médico. Usam doses progressivamente mais altas desses medicamentos e, desse modo, ao invés de eliminar a dor, contribuem para o agravamento da doença.  Se utilizados freqüentemente em quantidades excessivas, separadamente ou em combinação, esses analgésicos e outras medicações para dor podem perpetuar a cefaléia, tornando-se um problema crônico diário.

Os tratamentos propostos são variados. No entanto, pouco deles demonstram real eficiência no controle da dor com uma boa qualidade de vida para o paciente. A maioria dos pacientes fazem uso da automedicação, não procurando ajuda médica. (RODRIGUES; apud, AGUIAR e COSTA, 2009).

 

A Cefaléia na Medicina Tradicional Chinesa

Os mecanismos envolvidos no desenvolvimento da cefaléia na MTC têm dois quadros diagnósticos: por meridiano, com base na localização e trajeto da dor; ou por síndrome, a qual depende de fatores externos ou internos e características da dor. As síndromes podem ser devido ao excesso ou déficit em geral, as síndromes por excesso correspondem, na maioria dos casos à enxaqueca e as síndromes por déficit à cefaléia do tipo tensional. (SCHIAPPARELLI; apud, CASTRO; HAGASHIAMA e KIKKO, 2012)

Cada parte do organismo está relacionada com as vísceras (Zang Fu) e seus meridianos e colaterais. A localização da dor tem então valor para diagnosticar o órgão ou o meridiano doente. (AUTEROCHE e NAVAILH, 1992, p. 38)

Zhang, et al. (apud Vercelino & Carvalho, 2010) conforme a MTC, a classificação das cefaléias é realizado por diferenciação de síndromes, no que lhe diz respeito, é estabelecido de acordo com o meridiano acometido, o que é avaliado tendo em vista a região da cabeça em que as dores são mais comuns:

  • Região temporal (Shao Yang): quando a dor ocorre na região temporal. Esta área corresponde ao Meridiano da Vesícula Biliar (VB). Esta dor normalmente é aguda e do tipo latejante (Figura 1).
  • Região Occipital (Tai Yang): Quando a dor ocorre na região occipital. Corresponde à área do Meridiano da Bexiga (B). Dor geralmente acompanhada de rigidez nas costas e pescoço (Figura 2).
  • Região Frontal (Yang Ming): Quando a dor ocorre na região frontal. Corresponde à área do Meridiano do Estômago (E). Normalmente associada com uma sensação de peso na cabeça, atordoamento e falta de concentração (Figura 3).

 

  • Região de Topo da Cabeça (Jue Ying): quando a dor atinge o topo da cabeça. O Meridiano responsável é o Fígado (F). A dor é do tipo surda e melhora quando o indivíduo se deita (Figura 4).

 

De acordo com Ross (1994, p. 10), os Zang Fu são considerados como sendo os sistemas de órgãos da Medicina Tradicional Chinesa, com a diferença de se referirem às considerações de sistemas de órgãos em termos das inter-relações funcionais, e não necessariamente de uma correspondência íntima entre os sistemas dos órgãos como na concepção dos sistemas de órgãos da Medicina Ocidental. Segundo o mesmo autor, os Zang apresentam características YIN, já os Fu apresentam características YANG.

Segundo a visão oriental, as dores de cabeça, em geral, são causadas por fatores YANG, que acometem o alto do corpo. Estes fatores provocam excesso de energia nos meridianos que passam pela cabeça, ocasionando dor.  Os fatores YANG podem ser resultado de “Fatores patogênicos” de origem externa quanto do desequilíbrio de órgãos internos.  Em contrapartida, se o YANG está fraco, ele não ascende para a cabeça, causando deficiência da nutrição energética. Neste caso também haverá dor de cabeça.  (BOTSARIS, 2006)

O conceito de Yin/Yang é provavelmente o mais importante e distinto da Teoria da Medicina Chinesa. Pode-se dizer que toda fisiologia médica chinesa, patologia e tratamento podem, eventualmente, ser reduzidos ao Yin/Yang. O conceito de Yin/Yang é extremamente simples, ainda que profundo. (MACIOCIA, 1996).

A Medicina Chinesa baseia-se no equilíbrio destas duas forcas no corpo humano, a doença é vista como um rompimento desse equilíbrio. As duas partes Yin/Yang do corpo devem estar em equilíbrio relativo para que se mantenham normais as suas atividades fisiológicas, o equilíbrio é destruído por fatores de adoecimento, podendo ocorrer o predomínio ou a falta de uma das duas partes, se transformando em processos patológicos (ONETTA, 2005).

O estado de saúde é caracterizado pelo equilíbrio do Yin e do Yang. De acordo com AUTEROCHE & NAVAILH (1992), o aparecimento da doença está ligado ao desequilíbrio destas energias e também a perda da resistência corporal por diminuição da energia vital e pela influência de um agente patogênico sobre o organismo.

O grau de harmonia existente entre o indivíduo e o meio ambiente pode estar refletido no comportamento, para ser harmonioso depende de três fatores intimamente entrelaçados: a saúde física, o fluxo equilibrado das emoções descrito com o movimento suave de sentimentos e o desenvolvimento adequado das faculdades intelectuais. (ROSS, 1994)

Diagnóstico por localização

Com base na localização e trajeto da dor o posicionamento na nuca indica invasão exterior de vento-frio ou deficiência do rim com sensação de vazio, a cefaléia crônica na área occipital ocorre geralmente por deficiência do rim manifestando no meridiano da bexiga. Dores agudas ocorrem devido à invasão de vento-frio com rigidez nas costas e pescoço. Dor crônica com rigidez em ombro e pescoço indica ascensão do Yang do fígado. Na região temporal pode ser decorrente de vento frio ou calor ou aumento de fogo na vesícula biliar ou no fígado; a dor é aguda e latejante. Quando a dor é unilateral corresponde na MTC que o lado esquerdo é por deficiência e o direito por excesso. Na região frontal indica calor no estômago se a dor for aguda, no caso de dor contínua pode indicar deficiência de estômago ou de sangue. A dor atrás dos olhos ocorre devido à deficiência de sangue do fígado com dor do tipo surda, ou à ascensão de yang do fígado se for aguda e severa. Dor no vértice indica deficiência de sangue ou fígado, melhora quando o paciente deitar. Quando afeta a cabeça inteira indica invasão exterior do vento-frio. Se houver mais de um padrão a dor pode ocorrer em várias partes da cabeça. Se ficar mudando o tempo todo indica vento no fígado. Presença de dor no meridiano da vesícula biliar o padrão é de ascensão do yang do fígado. Presença de dor no meridiano da bexiga o padrão é de deficiência do rim. (MACIOCIA, 1996; YAMAMURA, 2004)

 

Diagnóstico por padrão

Diagnóstico de acordo com o padrão: Vento-frio afeta a região occipital, severa com rigidez pronunciada; Vento-calor afeta a cabeça toda, severa com distensão; Vento-umidade com sensação de peso como se a cabeça estive coberta; Yang ou fogo no fígado manifesta distensão; Vento no fígado manifesta puxão, aperto, tensão; Estase de sangue assemelha à facada, alucinante perfurante; Mucosidade tem sensação de peso, tontura. Deficiência de Qi e sangue dor surda; na deficiência de rim apresenta sensação de vazio. O início recente indica ataque exterior de vento-frio, o início gradual indica ataque interior. (MACIOCIA, 1996; YAMAMURA, 2004)

 

Fatores desencadeantes

Há alguns fatores desencadeantes da cefaléia, como a condição climática. Quando piora com o calor e melhora com o frio indica ascensão do Yang ou fogo do fígado, quando piora com o frio indica deficiência de Yang, quando piora com o tempo úmido indica a presença da umidade ou mucosidade. Quando piora com a atividade e melhora com repouso indica deficiência de Qi ou sangue, se melhora com a atividade leve indica ascensão de Yang do fígado, quando piora em repouso indica umidade ou mucosidade. Em relação à atividade sexual pode piorar com a ejaculação ou orgasmo indicando deficiência do rim, quando melhora indica fogo do fígado. Na alimentação em casos de intolerância alimentar, pode piorar com a retenção de alimento por calor no estômago, umidade ou mucosidade. Quando melhora com a alimentação indica deficiência de Qi ou sangue. Quando piora com alimentos ácidos indica ascensão do Yang do fígado. A postura ao deitar diminuir a dor indica deficiência, se piorar ao deitar e melhorar ao sentar indica excesso, nessa situação quando a dor é severa indica ascensão do Yang do fígado. Menstruação: dor no início do ciclo indica ascensão do Yang do fígado, no meio do ciclo indica ascensão do fogo do fígado ou estase de sangue, no final do ciclo indica deficiência de sangue. Quando melhora com a compressão indica deficiência, se piora indica excesso. O horário durante o dia indica deficiência de Qi ou Yang, durante a noite indica deficiência de sangue ou Yin. (MACIOCIA, 1996; YAMAMURA, 2004)

Tratamento

De acordo com a MTC, a acupuntura proporciona o equilíbrio harmônico de energia e sangue entre os meridianos e órgãos correspondentes. O estímulo feito pelas agulhas nos locais em que existam terminais nervosos geram impulsos elétricos que ativam a liberação de substâncias neurotransmissoras do Sistema Nervoso Central (SNC), modulando as funções físicas e psíquicas. (PAI, 2004).

De acordo com os princípios da Medicina Chinesa, restaura o equilíbrio Yin-Yang e desbloqueia os meridianos permitindo ao Qi fluir.

Segundo Maciocia (1996), na maioria dos casos é possível e necessário lidar com a origem e manifestação concomitantemente. Iniciar analisando as prioridades, se o sintoma for severo, começar pela manifestação, caso contrário concentrar-se na origem. O tratamento pode seguir com a origem a e manifestação ou primeiro a manifestação e depois a origem ou tratar apenas a origem. Na seleção dos pontos é essencial combinar pontos locais e distais. Dor crônica e intensa utilizar pontos locais, também nos casos de estase sanguínea. Os pontos distais são escolhidos de acordo com o meridiano envolvido.

Com base nas definições e recomendações de Maciocia (1996) e Yamamura (2004), apresento a seguir estudos sobre indicações e pontos de aplicação de acupuntura utilizados nos tipos de cefaléias a seguir:

Cefaléia Shao Yang

Conhecida como enxaqueca, é provocada pela estagnação de Qi e sangue no canal de energia principal da vesícula biliar ao nível das têmporas, é uma síndrome de plenitude de fígado ocasionando o aparecimento de vento interno, podendo nas fortes crises agudas, apresentar enjôo, vômitos, gastrite; alteração do estado emocional, raiva, insônia, fotofobia, incômodo com o barulho.

Fortalecer o fígado e dissipar o vento.

Pontos indicados: Taiyang, VB20, TA17, VG20;

Pontos distantes F3, IG4, TA5, VG16, B10, VB34 e P7;

Se a dor for severa unir o Taiyang ao VB8;

Se houver sintomas Yang no fígado utilizar o B18 e VB40;

Para manifestações gástricas E43, E8;

Ao referir cansaço R3 e B23. (MACIOCIA, 1996; YAMAMURA, 2004)

Cefaléia Tai Yang

Manifestada no topo da cabeça e irradiando para nuca, tendo como causa o acometimento do meridiano da bexiga pelo vazio de Qi dos rins.

Pontos Indicados: VG19, VG20, VG21, B2, B7, B10, VB20.

B60 , F3, TA3.

Circular o Qi no canal Tai Yang ID2, ID3, B65, B66;

Fortalecer o rim R7, VC4.  (MACIOCIA, 1996; YAMAMURA, 2004)

Cefaléia Jue Yin

Caracterizada por instalação lenta, profunda e contínua, dando aspecto de dor em capacete, inicia ao acordar e no decorrer do dia desaparece ou atenua. Ocorrem alterações de Qi no fígado por deficiência de Yin e falso calor, pode ser acometido por frio e umidade, no qual são observadas reações emocionais como temperamento nervoso, personalidade histérica com choro e gemidos, náuseas, vômitos, insônia. Essas alterações energéticas podem com o decorrer afetar a vesícula biliar associando assim as manifestações de cefaléia Shao Yang.

Pontos Indicados: VG23, VB20, Taiyang, VB14;

Nas dores persistentes associar com B2, IG4, E36, B10, VG16, P7, TA5, B60;

Associada a náuseas e vômitos E25, E36;

Para dissipar a umidade e mucosidade VC12, E40;

Associada a dismenorréia VG 26, VB27, VB28, VC3, B32 e BP6;

Para fortalecer Qi do fígado F3, B18. (YAMAMURA, 2004)

Cefaléia Yang Ming

Acomete o canal do estômago (Wei), pode haver dor à palpação no ponto de reunião nos canais de energia Yang do pé, ID18, o E8, e pontos Ashi.

Estes são indicação de pontos para acupuntura e tonificar E41. (MACIOCIA, 1996; YAMAMURA, 2004)

 

Considerações finais

Através desse estudo é possível observar que diferentes pesquisadores, concluíram que a acupuntura pode ser utilizada como método único de tratamento da cefaléia, uma vez que controla os sintomas e não possui efeitos colaterais. Além de auxiliar na diminuição severa do consumo de medicamentos.

Além, de se revelar uma medida não farmacológica eficaz para o tratamento da dor, demonstra ser um método seguro, custo-efetivo e com baixos índices de efeitos colaterais.

Face ao insucesso muitas vezes dos tratamentos medicamentosos para doenças como a cefaléia, é de grande valia a utilização de outras técnicas como a acupuntura para promover melhor qualidade de vida ao paciente.

Portanto, acredita-se que o presente estudo deva ser utilizado como base para novos conhecimentos sugerindo, então, a continuação de pesquisas sobre o assunto, objetivando qualificar o atendimento e melhorar a qualidade de vida dos pacientes portadores de cefaléia.

 

 

Referências

AGUIAR, DF; Costa, MVC. Abordagem terapêutica da acupuntura em portadoras de cefaléia do tipo tensional crônica. Belém: 2009. 108 f.

AUTEROCHE, B., & NAVAILH, P. O diagnóstico na medicina chinesa. São Paulo: Andrei, 1992.

BOTSARIS, A.S.. Fórmulas mágicas: como utilizar e combinar plantas para o tratamento de doenças simples. 4ª ed. Rio de Janeiro: Nova Era, 2006.

BRANDÃO, M., OBA, M., KINOUCHI, F., SCANDIUZZI, R., SOARES, D., GOMES, D., TELES, N.. “Acupuntura no Tratamento de Portadores de Cefaléia”. Cadernos ESP, Local de publicação, 7, nov. 2014. Disponível em: <http://www.esp.ce.gov.br/cadernosesp/index.php/cadernosesp/article/view/108>. Acesso em: maio de 2016.

COMITÊ DE CLASSIFICAÇÃO DAS CEFALÉIAS DA SOCIEDADE INTERNACIONAL DE CEFALÉIA. Classificação e critérios diagnósticos das cefaléias, nevralgias cranianas e dor facial. São Paulo: Lemmos Editorial, 1997.

FALAVIGNA A, et al. Prevalência e impacto da cefaléia em estudantes universitários no Sul do Brasil. Arq. Neuro Psiquiatria . São Paulo, v. 68, n. 6, p. 873-877, dezembro de 2010.  Disponível em: http://www.scielo.br/scielo.php?scriptarttext&pid=S000282X2010000600008&1ng=en&nrm=iso>. Acesso em: Maio de 2016.

INTERNATIONAL HEADACHE SOCIETY (IHS). The International Classification Of Headache Disorders 2nd Edition. Disponível em:<http://216.25.100.131/ihscommon/guidelines/pdfs/ihc_II_main_ no_print.pdf> Acesso em: Maio de 2016.

KUREBAYASHI, Leonice Fumiko Sato; FREITAS, Genival Fernandes de; OGUISSO, Taka. “Enfermidades tratadas e tratáveis pela acupuntura segundo percepção de enfermeiras”. Rev. esc. enferm. USP,  São Paulo,  v. 43, n. 4, p. 930-936,  Dec.  2009 . Disponivel em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0080-62342009000400027&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: Abril de 2016.

MACIOCIA, G. Os Fundamentos da Medicina Chinesa Um Texto Abrangente para Acupunturistas e Fitoterapeutas. São Paulo: Editora Roca, 1996.

MATTA, APC; MOREIRA, FPF. “Cefaléia do tipo tensional episódica: avaliação clínica de 50 pacientes. Arq. Neuro- psiquiatr. Periódico na internet. Disponívelem: <http://www.scielo.be/scielo.php?pid=S0004282x2006000100019&scrpt=sci_arttext. >        Acesso em: Marco de 2006.

OLIVEIRA, AAC; OLIVEIRA, LC. “A efetividade da acupuntura no tratamento dos portadores de cefaléia.”  Rev Hórus, volume 5, número 1 – Jan-Mar, 2011. Disponível em:< http://www.faeso.edu.br/horus/artigos%20anteriores/2011/A%20EFETIVIDADE%20DA%20ACUPUNTURA%20NO%20TRATAMENTO%20DOS%20PORTADORES%20DE%20CEFALEIA.pdf>. Acesso em: Maio de 2016.

ONETTA, R. C. Bases neurofisiológicas da acupuntura no tratamento da dor. Trabalho de conclusão de curso (graduação em Fisioterapia) – Universidade Estadual do Oeste do Paraná, Cascavel, 2005.

PAI, H.J. “Clínica Hong.” São Paulo, 2004. Disponível em: <http://www.clinicahong.com.br.> Acesso em: Maio de 2016.

PALMEIRA, G. “Acupuntura no ocidente.” Cad. Saúde Pública, Rio de Janeiro, 1990.6(2). Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311×199 000020000&script=sci_arttext.>. Acesso em: Junho de 2016.

ROSS, J. Sistemas de Órgãos e Vísceras da medicina Tradicional Chinesa. São Paulo: Editora Roca, 1994. 15: 183-194.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CEFALÉIA. “Recomendações para o tratamento profilático da migrânea.” Consenso da sociedade brasileira de cefaléia. Arquivos de neuropsiquiatria, São Paulo, v. 60, n. 1, p. 159-169, 2002.

VERCELINO, R e CARVALHO, F. “Evidências da acupuntura no tratamento da cefaleia”. Revista Dor, 11(4):323–328 out-dez. São Paulo, 2010 Disponível em: <http//WWW.dor.org.br/revistador/dor/2010/volume_11/n%c3%BAmero_4/pdf/volumr_11_n_4_pags_323_a_328.pdf>. Acesso em: Junho de 2016.

YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional: a arte de inserir. 2a reimpressão atualizada da 2a ed. São Paulo: Editora Roca, 2004.

 

 

 

 

 

 

 

Posted in Artigos Científicos by admin