TRATAMENTO DE LOMBALGIAS NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

TRATAMENTO DE LOMBALGIAS NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
0 08/03/2017

 

TRATAMENTO DE LOMBALGIAS NA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

Autor: Wallace de Morais Araujo

 

Resumo

A lombalgia é uma disfunção que acomete a coluna lombar, com dores agudas, intensas e podendo ser prolongada, a disfunção é acometida em ambos os sexos e é umas das causas mais frequentes de incapacidade na sociedade e no trabalho. Existem diversas causas, porem, o tipo mais frequente de lombalgia é a inespecífica, coincidentemente a isso observa – se o aumento de cirurgias e tratamentos desnecessários, e ou, com tratamentos com resultados negativos devido a preocupação dos profissionais com o alivio da dor e não o que lhe causa, na sua maioria incentivado pela facilidade dos planos de saúde de  alivio rápido do paciente, podendo assim , trazer prejuízos  a longo prazo ate mesmo com o retorno da sua incapacidade . A acupuntura a cada dia se torna um método bastante eficaz para tratamentos da coluna e entre outros. De acordo com a medicina chinesa o tratamento com acupuntura tem como características a harmonização e normalização dos órgãos doentes para melhor funcionamento do corpo. Este trabalho tem como objetivo mostrar por meio de revisão bibliográfica tratamento para lombalgias através da medicina  tradicional chinesa. Parte-se da problemática de um tratamento de simples e eficaz para  tratamento de quadro álgico na região  lombar  podendo em si minimizar procedimentos cirúrgicos e tratamentos inadequados.

Palavras-chave: Lombalgia, Acupuntura, Medicina Tradicional Chinesa

 

ABSTRACT

Low back pain is a disorder that affects the lumbar spine, with sharp, intense and may be prolonged pain, dysfunction is affected in both sexes and is one of the most frequent causes of disability in society and at work. There are several reasons, however, the most common type of low back pain is nonspecific, coincidentally to that observed – the increase of unnecessary surgeries and treatments, and or with treatments with negative results due to concern of professionals with pain relief and not which causes him mostly encouraged by the ease of health plans fast relief of the patient, and may thus bring long-term damage until even with the return of their disability. Acupuncture every day becomes a very effective method for spinal treatments and others. According to Chinese medicine acupuncture treatment has the characteristics harmonization and standardization of diseased organs to better functioning of the body. This work aims to show through literature review treatment for low back pain by traditional Chinese medicine. It starts with the issue of treatment of simple and effective for the treatment of pain symptoms in the lower back may itself minimize surgical procedures and inadequate treatment.

Keywords: Low back pain, acupuncture, traditional Chinese medicine

 


  1. INTRODUÇÃO

 As lombalgias tem sido tratadas pela medicina ocidental a cada dia que passa  com maior frequência através de vários recursos como uso de : medicamentosos, de reabilitação com fisioterapia, hidroterapia, pilates e ate de formas mais invasivas como cirúrgicas. Porem nem sempre na sociedade ocidental esta tendo um resultado esperados, com retornos de seu quadro álgico.

A coluna Lombar e composta por cinco vertebras lombares L1 a L5, que em geral, aumentam de tamanho, a fim de acomodar cargas progressivamente crescentes.

Durante o século passado, a dor lombar tornou- se incrivelmente problemática e foi objeto de muita atenção e de uma enorme preocupação por causa do ônus que impõe ao sistemas médico e de assistência social. (DUTTON, Mark; 2010). A dor lombar constitui uma causa frequente de morbidade e incapacidade, sendo sobrepujada apenas pela cefaleia na escala dos distúrbios dolorosos que afetam o homem. (BRASIL, et al; 2004).

A lombalgia e um sintoma e não uma doença. A dor aguda e um sintoma, mas quando passa a ser crônica, pode ser considerada uma doença estruturada. As suas causas são múltiplas e não completamente conhecidas. (DAMASCENO, R.C; MEJIA, Dayana P.M). Dores lombares são alterações músculos- esqueléticas mais comuns nas sociedades industrializadas e acometem entre 70 a 80,5% da população em ambos os sexos. Sendo evidenciadas como sinais clínicos, a imobilidade e a deformidade antálgicas para as quais qualquer tentativa de movimento ativo ou passivo ira produzir a dor. Observou-se que em exercícios orientados (alongamento, caminhar, natação entre outros) há uma redução das dores lombares subagudas ou crônicas, além da melhora da disfunção física e psicológica e prevenção da recorrência. (PIRES, R.A.M; DUMAS, F.L.V; 2008).

De acordo com estudos, o primeiro episodio de dor lombar pode manifestar resultados distintos: 80 a 90 % serão assintomáticos em seis semanas; 98%, em 24; e 99%, em 52, o que permite pressupor que a maioria dos casos de dor lombar seja de natureza benigna. Entretanto, o pequeno montante de pessoas que se tornam incapacitadas com dor lombar crônica e responsável por 75 a 90% dos custos associados a essa condição. Esse grupo de pacientes tem sido objeto de muita pesquisa para determinar os fatores associados à cronicidade e aos processos patológicos desencadeadores. (DUTTON, Mark; 2010).

A medicina tradicional chinesa consiste na cura das doenças por meios de sua filosofia, a qual observa o homem e sua relação com a natureza, onde busca o entendimento do ser humano ao se notar a maneira de interpretar e conhecer as patologias. (DAMASCENO, R.C; MEJIA, Dayana P.M)

 

A acupuntura é uma alternativa da Medicina Tradicional Chinesa que trata varias moléstias através da implantação de agulhas de aço inoxidável ou metal nobre, em pontos específicos e pré- determinados na superfície cutânea, pode melhorar a dor e os demais sintomas quando sua aplicação respeita a localização de pontos e meridianos. (MATSUI, Liria; MEJA, Dayana.P.M).

O tratamento através da acupuntura visa à normalização dos órgãos doentes por meio de um suporte funcional que exerce, assim um efeito terapêutico por ser uma terapia milenar vem sendo utilizada para diversas finalidades incluindo a melhora da dor em diversas regiões do corpo, umas das mais frequentes tipos de dor encontrada são as lombalgias. Devido a coluna lombar ser uma articulação do corpo muito utilizada no dia-dia e com o tempo acaba apresentando algum tipo de problema levando a dor nessa região. (MELLO, Ana F. C; MEJIA, Dayana P.M).

Para fins de analise este artigo realiza uma revisão bibliográfica nos estudos sobre dor lombar conhecidas popularmente como lombalgia, com objetivo geral de analisar o tratamento da acupuntura para lombalgias. Onde será descrita de lombalgia segundo a medicina ocidental e as concepções da acupuntura a partir da patologia com diagnósticos energéticos e o tratamento.

 

Medicina Tradicional Chinesa

                        A Medicina Tradicional Chinesa concentra-se na observação dos fenômenos da natureza e nos estudos e compreensão dos princípios que regem a harmonia nela existente. Na concepção chinesa, o universo e o ser humano estão submetidos às mesmas influências, sendo partes integrantes do universo como um todo. (DAMASCENO, R.C; MEJIA, Dayana P.M).

Consequentemente ao se observar os fenômenos da natureza, pode-se por analogia, estende-los à fisiologia do corpo humano, pois há reprodução no corpo desses mesmo fenômenos. No que se refere à concepção filosófica do Universo a Medicina tradicional Chinesa esta apoiada em três pilares básicos: o Conceito de Yin e Yang, os 5 Movimentos e os Zang Fu (Órgãos e Vísceras). (WANDERLEY, et al. 2010).

 

Acupuntura

A acupuntura é um componente da MTC, que pode ser rastreada pelo menos ate 2,500 anos atrás. A teoria geral da acupuntura é baseada na premissa de que existem padrões de fluxo de energia (Qi) através do corpo que são essenciais para a saúde.  Interrupções desse fluxo acredita-se serem responsáveis pelas doenças. A acupuntura pode corrigir desequilíbrios de fluxo em pontos identificáveis. (SANTOS, et al. 2014).

Segundo (WANDERLEY, et al. 2010), a acupuntura, é o recurso terapêutico mais conhecido da Medicina Tradicional Chinesa, e baseia-se na estimulação de determinados pontos especifico do corpo, os acupontos, com agulha ou fogo. Tem o objetivo de restaurar e manter a saúde, e através da ativação dos acupontos é feita a introdução, a mobilização, a circulação e o desbloqueio da energia e também se faz a retirada de energias perversas promovendo assim a harmonização e o fortalecimento dos Zang Fu ( Orgãos e Vísceras).

A Ciência tradicional chinesa atribui a acupuntura o poder de influenciar o fluxo de Qi dentro dos meridianos e alterar o equilíbrio dos órgãos. (SILVA, Angela F. G; et al. 2005).

 

Coluna Lombar

A coluna lombar e composta por cinco vertebras lombares L1 a L5 que, em geral, aumentam de tamanho, a fim de acomodar carga progressivamente crescente. O disco intervertebral localiza-se entre cada uma das vertebras lombares. A parte anterior da cada vertebra e denominada de corpo vertebral. Os pedículos, que se projetam da região posterior deste, representam a única conexão entre as articulações posteriores do segmento e os corpos vertebrais, que distribuem forças de inclinação e tensão. É importante observar que os músculos que atuam sobre a vertebra lombar tracionam para baixo, transmitindo a ação muscular para o corpo vertebral.  Essa ação deve-se aos  pedículos, que  atuam como alavancas e, dessa forma, estão sujeitos a certa quantidade de processos articulares inferiores da vertebra apoiam-se nos processos articulares da próxima vertebra inferior e resistem ao deslizamento.

A função da lamina e absorver as varias forças que são transmitidas a partir dos processos espinhosos e articulares. A parte interarticular conecta a lamina, orientada na direção vertical, e o pedículo, que se estende horizontalmente; isso o expõe a forças de inclinação mensuráveis. As duas laminas encontram-se e fundem-se formando um arco ósseos conhecido por arco vertebral ou neural, que serve como túnel ósseo para a medula espinal. Os processos transversos e espinhosos do corpo vertebral fornecem áreas para inserções musculares. (DUTTON, Mark; 2010).

 

Dor Lombar ou Lombalgia visão Ocidental

 Dor na coluna lombar é o conceito do termo lombalgia. Essa é uma disfunção que acomete ambos os sexos, podendo variar de uma dor súbita à dor intensa e prolongada, geralmente de curta duração. As combinações baseadas nas sintomatologias do paciente e nos exames complementares são os critérios utilizados para classificar as lombalgias. Dessa Forma, podem ser categorizadas com certo grau de especificidade no prognostico.

Há dois tipos de lombalgias, as especificas e as inespecíficas.

Quando existe uma causa, são denominadas especificas. Para essas podemos citar as causas intrínsecas, como condições congênitas, degenerativas, inflamatórias, infecciosas, tumorais e mecânicos-posturais e, como causas extrínsecas, o desequilíbrio entre a carga funcional, o esforço requerido para atividade do trabalho e da vida diária. Além desses, há o estresse postural e lesões agudas que causam deterioração de estruturas.

Quando não encontrada uma justificativa para a causa, denomina-se lombalgia idiopática ou inespecífica. (RACHED, RADV; et al. 2012).

Os Aspectos das dores lombares podem ocorrer de varias formas sendo ela genética, onde a dor lombar no período do crescimento já é uma previsão dessa algia quando adulto, esforço repetitivo e seus derivados, trabalho físico pesado, posturas de trabalho estáticas, inclinar-se e girar o tronco com frequência e vibrações, todos eles tem a idade como uma importância certa dos riscos potencias, além disso existe o aspecto da gravidez, o fumo, voo espaciais e outros. (DAMASCENO, Rocilda C; MEJIA, Dayana P.M).

 

Segundo (DUTTON, Mark; 2010), vários fatores ocupacionais, psicossociais e ambientais podem ajudar a prever o desenvolvimento de cursos complicados de dor lombar como:

  • Idade acima de 40 ou 50 anos. A explicação é a presença de um processo degenerativo e o acumulo de danos na coluna associados à idade avançada.

 

  • Nível baixo de educação formal e de classe social: Especificamente no caso da dor lombar, alguns estudos descobriram uma relação inversa de educação formal, classe social ou ambas para a prevalência de sintomas dessa condição. Uma conclusão experimental, embora sem qualquer base em revisões extensivas da literatura, mostra que níveis mais baixos de educação e de condição socioeconômica são melhores indicadores de prognósticos adversos de incapacidade ocupacional, a partir da dor lombar, do que os próprios fatores de risco.

 

  • Carga de trabalho física e psicossocial: Com base em vários estudos que analisaram a relação entre a carga física e psicossocial no trabalho e a ocorrência de dor lombar, foi estabelecidos que os aspectos físicos de flexão, rotação e elevação do tronco no trabalho, aliado ao baixo nível de satisfação profissional, são fatores de risco para a ausência ao trabalho por motivo de doença como resultado da dor lombar.

 

  • Dor isquiática: A dor lombar irradia para uma perna aparenta ser um tipo de dor mais persistente e grave do que a dor lombar inespecífica. A dor isquiática também aumenta a incidência de incapacidade e ausências mais longas no trabalho.

 

  • Tabagismo: Em alguns estudos epidemiológicos, o tabagismo tem sido associado à dor lombar. Vários mecanismos fisiopatológicos possíveis foram propostos para explicar tal associação, por exemplo, o tabagismo acelera a degeneração, pelo comprometimento do suprimento sanguíneo para o corpo vertebral e da nutrição do disco intervertebral. Ademais, ele aumenta a tosse, com a consequente elevação da pressão intradiscal. Estudos concluíram também que a alta atividade proteolítica sérica no sangue de fumantes atinge um disco neovascularizado previamente degenerado e acelera o processo degenerativo. O aumento na atividade proteolítica enfraquece os ligamentos, resultando em instabilidade espinal.

 

  • Obesidade: Existem varias hipóteses que relacionam obesidade e dor lombar. Há suspeitas de que o aumento nas demandas mecânicas resultante da obesidade causa dor lombar por causa do “desgaste por uso excessivo”. Além disso, presume-se que os fatores metabólicos associados ao excesso de peso possam ser prejudiciais.

 

  • Osteoartrite: É possível haver uma relação entre degeneração espinal e dor lombar, porque a gravidade das anormalidades radiográficas permite deduzir a existência de uma correlação de causa e efeito. Geralmente, admite-se que condições como osteoartrose, anomalias congênitas e desalinhamentos posturais estejam relacionadas à dor lombar, embora as evidencias que poderiam dar suporte a essas suposições não sejam conclusivas.

 

  • Cormobidade: A comorbidade interfere na recuperação normal da dor lombar ou torna-a mais lenta e também afeta o senso geral de saúde dos indivíduos, reduzindo a autopercepção da capacidade.

 

Dor Lombar ou Lombalgia visão da Medicina Tradicional Chinesa (MTC)

           

            A lombalgia é definida por uma dor unilateral ou bilateral na região lombar, devida a uma alteração energética ao nível desta região, classificada como “ O palácio dos Rins”. Esta região fornece ao ser humano a força necessária para que possa suportar o peso do corpo e dos objetos. (DUARTE, Alcino; 2012).

Segundo (MACIOCIA, Giovanni; 2015), se a Essência do Rim estiver forte, os ossos também serão fortes e os dentes ficarão firmes. Se a Essência do Rim estiver debilitada, os ossos serão quebradiços e os dentes poderão cair. Uma Essência do Rim debilitada nas crianças causará desenvolvimento ósseo debilitado. O declínio de Essência do Rim, que acontece com a menopausa nas mulheres, significa que a Essência não nutre a Medula e os ossos, de forma que eles ficam frágeis, conduzindo à osteoporose.

Segundo (DAMASCENO, Rocilda.C; MEJIA, Dayana P.M), a Medicina Tradicional Chinesa fala que a região lombar assim como toda a coluna vertebral, tem relação com o Shen Qi (Rim) a pessoa pode apresentar um quadro de deficiência de Qi levando a alterações energéticas, funcionais e orgânicas na região.

Os estímulos nocivos das mais variadas origens (internos, externos ou mistos), ao agredirem uma parte do organismo, determinam o processo de estagnação da energia levando a formação de desarmonia entre Yin e Yang.

MACIOCIA, Giovanni (2015), diz que como todo órgão Yin, o Rim apresenta um aspecto Yin e outro Yang. Todavia, esses dois aspectos adquirem um significado diferente para o Rim, pois isso é o alicerce do Yin e do Yang para todos os outros órgãos. Por tal razão, o Yin e o Yang do Rim também são chamados, respectivamente, de “Yin Primário” e “Yang Primário”. Poderíamos considerar o Yin do Rim como um alicerce para todas as energias Yin contidas no organismo, especialmente aquelas pertencentes ao Fígado, Coração e Pulmão; sendo o Yang do Rim o alicerce para todas as energias Yang no organismo, em particular aquelas do Baço, Pulmão e Coração. O Yin e o Yang do Rim apresentam a mesma raiz, dependendo um do outro para existirem. O Yin do Rim proporciona o substrato material para o Yang do Rim, e o Yang do Rim fornece o calor necessário para todas as funções do Rim. Pelo fato de serem um todo interdependente, a deficiência de um necessariamente implica na deficiência do outro, embora sempre em proporções diferentes.

“AUTEROCHE, (1992), O Yin dos Rins ou “Yin primordial” ou ‘Yin verdadeiro” é a base dos líquidos do corpo e tem a função de alimentar e umedecer os órgãos e os tecidos.

O Yang dos Rins ou “Yang primordial” ou “verdadeiro Yang” é a base do Qi do corpo. Sua função é de aquecer e permitir o metabolismo dos órgãos e dos tecidos.

O Yin e o Yang ocupam o Rim assim como a água e o Fogo. Devem eles estar em equilíbrio para assumir plenamente sua ação no organismo. Se, por exemplo, o Yin dos Rins for fraco, não pode controlar o Yang, observar-se-á: calor na palma da mão, na sola dos pés e na região cardíaca, febre vespertina, transpiração noturna, polução noturna.

Em compensação, se o Yang dos Rins estiver em declínio, observa-se- á: astenia mental, lombos e joelhos frios e doloridos, corpo e membro frios, esterilidade nas mulheres, impotência e ejaculação precoce nos homens.

A região lombar, em virtude da conexão energética entre os diversos canais de Energia e das Inter-relações do Shen (Rim) com os demais Zang-Fu (órgãos/vísceras), torna-se local frequente de manifestações dolorosas. E frequente o aparecimento de dores na região lombosacra não relacionadas a traumatismos, que pioram aos movimentos ( exercícios), à postura sentada ou em pé, geralmente sem irradiação. A dor localiza-se nos músculos paravertebrais da região e não na parte óssea. (DAMASCENO, Rocilda.C; MEJIA, Dayana P.M).

 

Segundo Burigo, Frederico .L (2010), para a Medicina Tradicional Chinesa, a lombalgia é uma manifestação sindrômica relacionada à deficiência energética dos Rins (Shen). São catalogadas inúmeras variações de possibilidades de etiopatogenias associadas as dores lombares. Invasão de vento – frio ou quando se está em contato prolongado com a umidade, mudanças bruscas de clima e/ou a permanência prolongada do individuo em climas adversos, favorecem as invasões do que a Medicina Tradicional Chinesa chama de agente patogênico perverso que penetram nos canais de energia (meridianos) causando a obstrução da circulação de energia vital (Qi), gerando o processo álgico.

A dor pode ser causada pelas condições de Excesso ou de Deficiência. O caráter de Excesso ou de Deficiência da dor sempre deveria ser averiguado, especialmente em relação à dor experimentada na cabeça, no tórax ou no abdome, como regra geral e segura, a dor de uma condição de Excesso e mais intensa e mais aguda que a de uma condição de Deficiência, a qual tende a ser surda e muito menos intensa. A dor pode ser decorrente das seguintes condições de Excesso: Invasão de fatores patogênicos exteriores, Frio ou Calor interior, Estagnação de Qi ou Sangue, Retenção de Alimento, Obstrução pela Fleuma.

Em todas essas condições, a patologia da dor é a mesma; quer dizer, as condições anteriores causam uma obstrução para a circulação do Qi nos canais e, consequentemente, dor. A dor também pode ser decorrente das seguintes condições de Deficiências: Deficiência de Qi e Sangue, Consumo dos Fluidos Corpóreos decorrente de Deficiência de Yin. Tais condições causam subnutrição dos canais e consequentemente, dor. As causas mais comuns de dor crônica em condições internas são estagnação de Qi estase de Sangue, Subida do Yang do Fígado e Frio. (MACIOCIA, Giovanni; 2015).

 

Tratamento com acupuntura

                        A lombalgia, na ciência oriental, é atribuída ao clima frio e úmido. O inicio dos sintomas pode ser insidiosos, indicando que o frio é de dentro. Na lombalgia, sendo de caráter a síndrome de frio conta-se na avaliação oriental a presença de alguns sintomas, como o paciente não apresenta sede, nem vontade de ingerir líquidos, palidez facial, camada superficial da língua lisa e esbranquiçada e pulso mais lento. Em relação ao diagnostico para detectar o excesso ou deficiência dos elementos, são encontradas as características de deficiência: indica fraqueza do organismo e de seu sistema de defesa ou desgaste, decorrente de alguma doença prolongada, e o excesso, por sua vez, indica que há reação vigorosa do organismo no decorrer da doença. As síndromes de deficiência e excesso também indicam o tempo da doença, longa e curta respectivamente. Um episódio de dor lombar aguda pode depois se tornar crônica, resultando em rigidez além da dor.  Uma debilidade crônica da energia do rim tende a produzir dor crônica, especialmente na velhice. No tratamento por acupuntura, são usados alguns pontos sensíveis locais no meridiano da bexiga com o objetivo de fortalecer o Xu do Rim Yin. A dor também pode ser decorrente da estagnação do Qi e sangue. A ciência oriental tem o objetivo de restabelecer a circulação de Qi e sangue, regulando o yin e o yang, eliminando a dor, removendo a estase e relaxando o espasmo muscular.

A dor lombar apresenta-se como uma síndrome de deficiência de Yin e então há excesso de Yang. Seus sinais e sintomas são: calor, rubor facial, boca seca, palmas e plantas dos pés quentes ansiedade, sudorese, obstipação, língua avermelhada. (SILVA, Angela F. G; et al; 2005).

O yin dos Rins é a base dos líquidos do corpo. Sua atuação é dupla; de um lado, deve firmar a contribuição fisiológica das substancias nutritivas necessárias às necessidades do organismo, e de outro lado deve conter e equilibrar o Yang dos Rins. (AUTEROCHE, B; NAVAILH, P. O; 1992).

A síndrome de Yin – Yang e a que incorpora em si todas as outras classificações, isso porque a síndrome Yin corresponde as síndromes profundas de deficiência e frio, enquanto que a síndrome de Yang compreende as síndromes superficiais de excesso e calor. (SILVA, Angela F. G; et al. 2005).

A deficiência ou a diminuição do Yin ou do Yang dos Rins são a origem das doenças do órgão Rim, pois “os Rins não tem a síndrome Plenitude”. (AUTEROCHE, B; NAVAILH, P. O; 1992).

 

Com isso, os pontos proposto para o tratamento são: B23 / B60  / R3 / R4 / E36/ IG4 / F3

 

Bexiga:

B23: Shen shu. Ponto Shu do Rim:

 

  • Tonifica o Rim (Qi, Yang, Yin e Jing)
  • Beneficia os Ossos e Medula
  • Nutre o Xue
  • Drena a Umidade (+ Calor)
  • Beneficia a Lombar

 

B60: Kun Lun:

  • Desobstrui o Canal
  • Elimina o Vento Interno e Externo
  • Drena a Umidade- Calor
  • Tonifica o Rim
  • Move o Sangue
  • Facilita o Parto

 

Rim:

R3: Tai Xi:

  • Beneficia o R (Qi, Yin, Yang e Jing)
  • Estabiliza a Recepção do Qi do P
  • Tranquiliza o Shen
  • Fortalece a Lombar e os Joelhos

 

R4: Dazhong Daisho:

  • Harmoniza o Shen
  • Tonifica o Qi do Rim
  • Fortalece a Lombar

 

Estomago:

E36: Zusanli Ashi no Sanri:

  • Tonifica: Qi, Xue, Yin, Yang, Yuan Qi
  • Harmoniza Wei Qi e Ying Qi
  • Ergue o Qi e Yang afundados
  • Fortalece a Terra
  • Regula os Intestinos
  • Circula e Direciona o Qi do E
  • Expele a Umidade, Frio e vento
  • Clareia a Visão
  • Tranquiliza o Shen
  • Promove a Ressuscitação

 

Intestino Grosso:

IG4: Hegu Gokoku:

  • Expele o Vento Externo (+ Calor)
  • Tranquiliza o Shen
  • Alivia a Dor
  • Move o Qi e o Xue
  • Pacifica o Yang do Figado
  • Extigue o Vento Interno
  • Tonifica o Qi (Wei Qi)
  • Facilita o Parto
  • Regula o IG
  • Ponto de Comando da Face

 

Fígado:

F3: Taichong Taisho:

  • Circula o Qi e Xue de todo o Corpo
  • Pacifica o Yang do Figado
  • Extigue o Vento Interno
  • Elimina a Umidade- Calor
  • Tranquiliza o Shen
  • Nutre o Xue do Figado ( RENATO,Paulo;2015)

 

Conclusão

            Diante de todo conteúdo da revisão bibliográfica, podemos constatar que a lombalgia é um dos principais problemas de saúde global, gerando problemas físicos e sociais, atingindo seu desenvolvimento pessoal. Contudo podemos perceber a carência e a necessidade de novos estudos e soluções para o tratamento e prevenção de lombalgias. O trabalho evidencia benefícios da acupuntura como método alternativo para o tratamento de cada individua em especifico como qualquer outro método sendo satisfatórios em seus programas de cuidados. A acupuntura vai obter melhores resultados para lombalgias com outros tratamentos associados tais como: fisioterapia, alimentação saudável e atividades físicas. Favorecendo assim uma boa qualidade de vida, bem estar e equilíbrio energético.

 

Bibliografia

AUTEROCHE, B; NAVAILH, P. O Diagnóstico na Medicina Chinesa. Andrei, 2ª edição. São Paulo, p. 13-19; 76-81; 336-340.

 

BRASIL AV; et al. Diagnóstico e Tratamento das Lombalgias e Lombociatalgias. Rev Bras Reumatol. v. 44. n. 6. p. 41 9-2 5. Nov/dez . 2004.

 

Burigo, Frederico L; LOPES, Sandra S. Lombalgia Crônica Mecânica: Estudo Comparativo entre Acupuntura Sistêmica e Pastilhas de Oxido de Silício. Rev. Bras. Terap. e Saúde, Curitiba, v. 1, n. 1, p. 27‐36, jul./dez. 2010.

 

DUTTON, Mark. Fisioterapia Ortopédica. Artmed, 2° edição. Porto Alegre, 2010, p. 1415-1417.

 

DAMASCENO, Rocilda. C; MEJIA, Dayana P.M. Tratamento da acupuntura aplicada em pacientes com sequelas de lombalgia: revisão bibliográfica. Pós-graduação em Acupuntura – Faculdade Ávila.

 

DUARTE, Alcino. Efeitos agudos da Acupuntura na dor lombar crônica estudo prospectivo, randomizado, controlado e Duplo-Cego. Instituto de ciências biomédicas Abel Salazar. 2012

 

MACIOCIA, Giovanni. Fundamentos da Medicina Chinesa. Roca, 1ª edição. São Paulo, 2015, p. 126-134.

 

MATSUI, Liria; MEJA, Dayana.P.M. A aplicabilidade da acupuntura na diminuição das lombalgias. Pós-graduação em Acupuntura – Faculdade Sul-Americana/FASAM.

 

 

MELLO, Ana F. C; MEJIA, Dayana P.M. Acupuntura no tratamento de Lombalgias. Pós-graduação em Acupuntura – Faculdade Ávila.

 

PIRES, R.A.M; DUMAS, F.L.V. Lombalgia: revisão de conceitos e métodos de tratamentos. Universitas: Ciências da Saúde, Brasília, v. 6, n. 2, p. 159-168, jul./dez. 2008.

 

RACHED, RADV; et al. Lombalgia Inespecífica Crônica: Reabilitação. Autoria: Associação Brasileira de Medicina Física e Reabilitação, novembro, 2012.

 

RENATO, Paulo. Manual de Acupuntura Direto ao Ponto. Porto Alegre: Nova Letra , 2015 , p.43, 75, 151, 169, 183, 271.

 

SANTOS, et al. Tratamento da dor lombar no idoso por meio da acupuntura: Uma revisão Bibliográfica. São José dos Campos, 2014.

 

SILVA, Angela F. G; et al. Tratamento Fisioterapêutico por meio da acupuntura nas lombalgias. Rubs, Curitiba, v.1, n.2, p.1-50, abril/jun. 2005.

 

WANDERLEY, et al. Acupuntura no tratamento da Lombalgia, São José dos Campos – SP, 2010.