TRATAMENTO DAS ENXAQUECAS PELA ACUPUNTURA

TRATAMENTO DAS ENXAQUECAS PELA ACUPUNTURA
0 28/06/2016

 

TRATAMENTO DAS ENXAQUECAS PELA ACUPUNTURA

Autor: Maria Rosário de Fátima Almeida Pedroso

 

 

RESUMO

A enxaqueca constitui um dos tipos mais frequentes de dor de cabeça, embora, etiologicamente, ainda seja mal compreendida. Ocasiona uma série de comportamentos evidentes que desencadeiam consequências físicas, sociais e psicológicas nos indivíduos afetados. Pode-se dizer que as maiores causas da enxaqueca que acomete indivíduos hoje com maior frequência se deve ao estresse, vida agitada, etc.

A Acupuntura é uma técnica milenar e faz parte da Medicina Tradicional Chinesa (MTC), baseada em um antigo pensamento filosófico chinês e na observação dos fenômenos naturais, e vem sendo amplamente utilizada, com relativa frequência nos últimos anos e está cada vez mais em evidência.

O tratamento com acupuntura promove o alívio da dor, permitindo o retorno ao trabalho e melhor desempenho nas atividades diárias, proporcionando uma melhora da qualidade de vida.

Os resultados terapêuticos e preventivos da acupuntura são obtidos através da promoção da circulação livre do Qi (energia). Conclui-se que há um consenso entre os autores citados neste trabalho os quais relatam que a acupuntura está cada vez mais respaldada em evidências científicas e que a acupuntura pode ser usada associada a outros tratamentos ou de forma única e exclusiva no controle e tratamento da cefaleia.

Palavras Chave: Cefaléia, Enxaqueca, acupuntura.

 ABSTRACT

Migraine is one of the most common types of headache , although etiologically is still poorly understood . Causes a series of avoidance behaviors that trigger physical social and psychological consequences for affected individuals ; can be said that the major causes of migraine that affects people today more often is due to stress, hectic lifestyle, etc. .

Acupuncture is an ancient technique which is part of Traditional Chinese Medicine (TCM). It is based on an ancient Chinese philosophical thought and in the observation of natural phenomena. It has been widely used with relative frequency in recent years and is growing.

The acupuncture treatment promotes pain relief , allowing the return to work and better performance in daily activities , providing an improved quality of life. The aim of this research is to collect scientific evidence for the efficacy of acupuncture in the treatment of headache sufferers , by raising the national and international scientific literature through trusted sites such Bireme , SCIELO Portal. periodicos. Capes and others.

The therapeutic and preventive acupuncture results are obtained by promoting free movement of Qi (energy ) . We conclude that there is consensus among the authors cited in this study which reported that acupuncture is increasingly supported by scientific evidence and that acupuncture can be used in combination with other treatments or sole and exclusive control and treatment of headache .

Key words : Headache , Migraine , acupuncture.

INTRODUÇÃO   

A acupuntura é uma das ciências mais antigas e mais respeitadas do mundo, principalmente pelos orientais, em especial na China, onde esta técnica milenar começou a se difundir como segredo de família. São mais de cinco mil anos de uso da acupuntura pelos chineses como meio para a prevenção e tratamento de diversos males, sendo 3.000 anos de registros escritos e mais de 2.000 com achados arqueológicos (BOLETA-CERANTO, ALVES e ALENDE, 2008).

A palavra “acupuntura” origina-se do latim, a partir de acus (agulha) e punctura (puncionar). A Acupuntura refere-se, portanto, à inserção de agulhas através da pele, nos tecidos subjacentes, em diferentes profundidades e em pontos estratégicos do corpo, para produzir o efeito terapêutico desejado (KIDSON, 2006)

A acupuntura é uma técnica de tratamento que consiste no estímulo de pontos na superfície da pele, utilizados neste processo: agulhas, ventosas, massagens e até calor proveniente da queima da moxa (moxabustão).

A Medicina Tradicional Chinesa (MTC) está na observação dos fenômenos da natureza e no estudo e compreensão dos princípios que regem a harmonia nela existente, nessa visão global de integração natureza e Ser humano, todas as ciências são coerentes e concordantes entre si. Na concepção filosófica a respeito do universo estão apoiados em três teorias básicas que são: Teoria do Yin e Yang que é uma condição primordial e essencial para a origem de todos os fenômenos naturais, como o princípio das energias e matéria.  Teoria dos cinco movimentos processo evolutivo da Natureza, Universo, Saúde, Doença e Zang Fu no qual aborda a fisiologia energética dos Órgãos e Vísceras, e das Vísceras Curiosas do ser humano, que constituem o alicerce para a compreensão da fisiologia, propedêutica energética e fisiopatologia das doenças e seu tratamento. (Yamamura, 2009)

Segundo Ezzo apud Christ & Hsing (2005), a dor é a principal queixa dos pacientes e estima-se que nos Estados Unidos são gastos anualmente cerca de um milhão de dólares somente com a acupuntura. A dor é parte integrante da vida, presente ao longo de todo o ciclo desenvolvimental desde o nascimento até a morte. Aparece associada a doenças, processos inflamatórios, acidentes e procedimentos médicos ou cirúrgicos e, embora tão desagradável e estressante, é essencial para a sobrevivência porque exerce uma função protetora para o organismo. Pai (2004), afirma que a dor é um mecanismo de defesa importante porque alerta o indivíduo de que alguma lesão está ocorrendo. Portanto, a intensidade e a frequência da dor podem exceder suas funções indicadoras e comprometer seriamente a qualidade de vida da pessoa em sofrimento ou inabilitá-lo para diferentes atividades da vida diária. (CARVALHO, 1999).

Sendo relatada por vários pesquisadores a dor é como um alerta. Vários estudos nos mostram que nos tempos de hoje as pessoas estão fugindo mais de remédios alopáticos e buscando mais tratamento alternativo para o alivio da dor e mantendo um melhor padrão de vida, sendo assim estão sendo mais utilizadas as técnicas de acupuntura que proporcionam resultados maravilhosos nos problemas funcionais e no alivio da dor (NOGIER; BOUCINHAS, 2006).

Segundo Wen (2008) a técnica de acupuntura tem se tornado um método importante no tratamento de cefaléia primária, ou seja, sem causa conhecida, podendo ser aplicada com possibilidades de êxito em dor de cabeça vasomotora, em dor de cabeça de tensão, em dor de cabeça pós traumática crônica, como na cervical, decorrentes de tumores cerebrais, meningite, hematomas epidurais e artrite temporal.

A acupuntura pode ser uma ferramenta valiosa não farmacológica em pacientes com frequente, episódica ou crônica, dor de cabeça tensional, deve ser considerada uma opção para os pacientes dispostos a esse tratamento. (LINDE et al, 2009)

Araújo e Almeida (2009) demonstram que o uso da acupuntura obtém menos crises que o uso de analgésicos e a técnica de terapia manual com a acupuntura foram observados que ambos poderiam ser usadas como tratamento único para crises de cefaléia e ter uma boa eficiência.

O objetivo do presente artigo é coletar evidências científicas da eficácia da acupuntura no tratamento dos portadores de cefaléia/enxaqueca, por meio da Pesquisa Bibliográfica.

O interesse e a integração da medicina alternativa na prática médica convencional são as duas tendências de crescimento mais rápido na medicina atual. O apelo para os pacientes às terapias alternativas é evidenciado pelas estatísticas rotineiramente registradas nos principais jornais médicos.

Na acepção da acupuntura, as doenças se originam de formas diferenciadas, mas o desequilíbrio energético é o fundamento de todas elas. Para que qualquer função seja realizada (aqui no sentido de trabalho) é preciso que haja uma harmonia entre o individuo e a natureza e entre o individuo e a sociedade (BOEING, 2004).

A Medicina Tradicional Chinesa pressupõe que deva haver um objetivo de percepção dos padrões de desarmonia, assim como, a classificação e o tratamento.

Segundo a Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Beijing et Al.., 1995, todos os meridianos yang das mãos e dos pés se encontram na cabeça. E fatores exógenos ou endógenos podem provocar dores de cabeça, devido ao desarranjo de Qi e do sangue, que retardam a circulação do Qi nos meridianos que atravessam a cabeça.

A acupuntura já tem sua efetividade comprovada por sua ação analgésica local e central; ação anti-inflamatória; ação ansiolítica; e melhora da defesa imunológica. A acupuntura de acordo com OMS – Organização Mundial de Saúde atualmente é vista como um tratamento complementar (YAMAMURA, 2009).

Vickers et al. (2004) usando escala de escore para cefaleia e questionário de qualidade de vida (SF 36), realizaram um estudo prospectivo, randomizado e controlado com 401 pacientes com queixa de cefaleia crônica, testou a acupuntura, 12 sessões em três meses, além da medicação contra os cuidados rotineiros, incluindo a medicação consagrada para cefaleia, o grupo de acupuntura teve melhora acentuada na escala de sintomas sendo a acupuntura 34% de redução de sintomas e grupo controle 16% de redução em sintomas.

O estudo de Lin et al. (2008) sobre a acupuntura na prática baseada em evidência mostra novas pesquisas mais variadas aumentando a esfera de tratamento em algias, sejam crônicas ou agudas,

Araújo e Almeida (2009) demonstram que o uso da acupuntura obtém menos crises que o uso de analgésicos e a técnica de terapia manual com a acupuntura foram observados que ambas poderiam ser usadas como tratamento único para crises de cefaleia e ter uma boa eficiência.

Para Vercelino e Carvalho (2010) a acupuntura é uma das mais promissoras linhas de pesquisa no âmbito da dor aguda e crônica, sendo desvendados seus mecanismos neurofisiológicos através de pesquisas de ótimo nível em diversos centros do mundo. Os autores realizaram um estudo com o objetivo de revisar as substâncias neuroquímicas liberadas que favorecem a analgesia durante a acupuntura e mostrar as evidências dessa terapia no tratamento da cefaleia. Eles concluíram que a acupuntura favorece a liberação de diversos mediadores que promovem a modulação da dor e esse mecanismo pode justificar a sua eficácia no tratamento da cefaleia.

Hsieh et al. (2010) sugere que um mês de tratamento de acupuntura é mais eficaz na redução da cefaleia crônica do que um mês de tratamento relaxante muscular, e que o efeito permanece seis meses após o tratamento.

A cada semana, 10% dos médicos clínico-gerais da Inglaterra encaminham seus pacientes para a prática da acupuntura ou eles mesmos a praticam, sendo a cefaleia uma das condições mais tratadas.

MEDICINA TRADICIONAL CHINESA E ACUPUNTURA.

Medan (apud LIN, HSING e PAI, 2006), relata que os primeiros indicativos da tradição oral a respeito da Medicina Tradicional Chinesa remontam a século VI A.C., na figura de um médico de nome Yi He, que atribuía a doença como resultado de interações entre os fatores climáticos (frio, calor, chuva, sol, umidade, secura) yin e yang, considerados como duas forças que compunham o Universo: uma representando a luz e outra representando a escuridão, ou masculino e feminino. Ao longo dos séculos, novas teorias foram sendo acrescentadas, mas, basicamente, a interação do ser humano com a natureza e o eventual desequilíbrio dessa interação seria a causa de todas as doenças e se manifestariam nos meridianos, por onde trafegaria o Que (uma espécie de “energia” vital), e apresentariam os efeitos desses desequilíbrios através dos sintomas. A acupuntura seria um procedimento manual que, através da inserção de agulhas nos pontos ao longo dos meridianos, corrigiria os desequilíbrios, permitindo um fluxo livre do Que.

Benefícios da Acupuntura

 Para Ross (1994, p. 10), a acupuntura baseia-se no uso de pontos que se situam sobre os canais localizados em lugares anatômicos específicos e representam os pontos nos quais os fluxos de substâncias dentro dos canais podem ser ajustados, a fim de promover a harmonia corpórea.

Dessa forma, o fluxo energético dos canais de energia refletem e demonstram o estado dos Zanga Fu. Quando fatores alteram a qualidade e quantidade do fluxo de Qi nos canais, podem ocasionar o surgimento de manifestações clínicas. Portanto, por meio dos pontos de acupuntura dos canais, que são a expressão dos Zang Fu, ao nível mais externo, é possível atuar no exterior (parte somática) para tratar e fortalecer os Zang Fu, situados no interior.

A acupuntura atua aumentando a ação do Sistema Supressor de Dor. No encéfalo e no hipotálamo, existem complexos nervosos reguladores das sensações de dor os quais uma vez estimulados por agulhas nos terminais nervosos (pontos), geram um impulso que aumenta a liberação de neurotransmissores no complexo supressor de dor, ou seja, é produzido o efeito analgésico em nível cerebral. Além disso, atua na liberação do espinhal para o cérebro e nas células brancas do local inflamado, a acupuntura provoca maior concentração de endorfina, e esta atua como analgésico local. (PAI,2004).

Antigos estudos sobre a acupuntura no ocidente mostram que os médicos não usavam as agulhas em pontos de acupuntura tradicional da medicina chinesa e sim pontos Ashi para tratamentos das dores musculoesqueléticos. Esta prática apresentava certos resultados positivos, entretanto hoje já sabemos que a dor não é necessariamente sentida no local de sua origem. Mas que é referida para aquele local através do sistema nervoso central. Entretanto essa é a gênese fundamental da prática da medicina tradicional chinesa (BALDRY, 2007).

Ao inserir agulhas nos pontos Ashi (Acupuntos sintomáticos) promovemos um efeito não especifico da terapia de acupuntura, pois não gera a restauração da homeostase, ou seja, do equilíbrio orgânico. A utilização de pontos sintomáticos gera efeito específico, pois promove lesões nos tecidos moles já sensibilizados acelerando diretamente a recuperação local (YUN-TA et al, 2006).

A Cefaléia Ocidental e Oriental

Os mecanismos envolvidos na produção de Cefaléia Ocidental são basicamente, deslocamento, tração, distensão, irritação ou inflamação das estruturas sensíveis a dor e vasodilatação, no qual são utilizados como tratamento analgésico, vasoconstritores, drogas anti-inflamatórias não hormonais, antieméticos usados quando ocorrer vômitos, ansiolíticos e tranquilizante (NITRINI; BASCHESCHI, 2006). Podem também estar associados com cafeína e paracetamol que aumentaria a eficácia desse analgésico de ação central com absorção do paracetamol e outras substâncias no aparelho gastrintestinal. (RODRIGUES, 2001)

A medicina ocidental descreve a dor das enxaquecas e dos surtos de cefaleias como devida à pressão causada dentro da cabeça, que por sua vez é devida à vasodilatação da vasculatura cerebral. Isto é, as artérias e veias dentro do crânio, cheios de sangue exercem pressão em todos os tecidos circundantes, envolvendo eventos neuroquímicos de serotonina e adrenalina. Correta esta descrição, mas não informa porque esta vasodilatação ocorre principalmente o porquê de uma pessoa sofrer de enxaqueca em termos da experiência humana diária. A medicina ocidental tenta analisar os fenômenos que podem ser isolados e apenas trata como reais, as coisas que podem ser pesadas ou medidas física ou “objetivamente”. A importância dessas medidas objetivas é baseada no dualismo filosófico, segundo o qual o mundo e a mente que o percebe são duas entidades distintas.

A medicina chinesa, segundo Bob Flaws, baseia-se no holismo geral e no não dualismo. Isto significa que não há dualidade entre a mente e os fenômenos que ela percebe, sendo ambos codependentes em seu surgimento. A medicina chinesa pode explicar precisa e adequadamente todos os sinais, sintomas e idiossincrasias das cefaleias neurovasculares, baseados nas em suas causas e diagnósticos.

 A cefaleia é tão frequente, poderíamos dizer inerente ao homem, que em tempos pré-históricos os seres humanos de verdade a padeciam. Os primeiros relatos sobre medicina provem dos povos da Mesopotânea e Egito que nos permitem conhecer como pensavam e como procediam com as diferentes enfermidades. Há relatos em poemas babilônicos, que datam de três mil anos a.C, que relatam situações que poderiam corresponder a enxaqueca com aura. Também se conservam documentos escritos por sumérios, da mesma enfermidade.

A medicina egípcia tem importantes testemunhos sobre isto, em papiros de Ebers 1.200 a.C, menciona quadros de dor de cabeça, neuralgias e enxaqueca que se baseiam em documentos médicos de aproximadamente 1.550 a.C. Neste relatam , como maioria das civilizações antigas, a crença onde pensavam que os deuses podiam cura-los e seguiam as instruções dos papiros. Na Grécia há relatos mitológicos relacionados com esta enfermidade.

Platão em seu dialogo sobre sua temperança, fala sobre a dor de cabeça. Sua protagonista, Carmides, deve primeiro tratar sua alma, e neste momento, não antes, tomar a droga para aliviar sua dor de cabeça, isto e, restabelecer sua harmonia entre a alma e o corpo, antes de medicar-se. E assim há vários relatos da antiguidade que se referem a enxaqueca.

Em, 1937, John Gram, e Harold G. Wolff demonstraram o efeito vasoconstritor das ergotaminas em artérias temporais dilatadas durante uma crise de enxaqueca. Isto iniciou a era de uma serie de ensaios farmacológicos controlados. O livro de cefaleias e outras formas de dor de cabeça, publicado em 1949, por Wolff, se tornou um clássico da literatura medica do século XX.

A Sociedade Internacional de Cefaleias (International Headache Society) foi criada em 1983, e em 1983 foi modificada, por uma Comissão de Classificação formada por mais cem especialistas de diferentes nacionalidades que posteriormente em 1988 publicaram o documento “Classificação das Cefaleias, neuralgias cranianas e do facial, que é utilizada na Classificação Internacional das Enfermidades” (CIE-10) e da Organização Mundial de Saúde (OMS).

 

 Epidemiologia

 A prevalência da enxaqueca na população geral varia de 15% E 17% em mulheres e entre 3 e 7% em homens. A enxaqueca é encontrada em todas as culturas do mundo. As enxaquecas geralmente ocorrem dentro dos grupos familiares. Em geral 60% das pessoas que tem enxaqueca possuem um membro próximo da família que também têm. Contudo, não quer dizer com isto que é um distúrbio genético ou hereditário, e sim uma predisposição genética ou padrão aprendido de comportamento.

O fato das mulheres apresentarem duas vezes mais enxaqueca que os homens, explica-se por elas serem forte associadas com a disfunção do Fígado chinês e a menstruação. E também, porque as mulheres são mais afetadas pelo estresse e frustação que os homens, sem as mesmas vias de libração e descarga desse estresse. Portanto, a maior incidência na de enxaqueca em mulheres é tanto fisiológico quanto sociológico (Flaws).

Nos Estados Unidos há um estudo mostrando que o impacto da dor de cabeça na saúde publica encontrou que 1% dos adultos com enxaqueca perde dois dias de trabalho na semana e 10% se ausentam um dia da escola cada dois semanas, o que significa uma perda na eficiência do trabalhador ou do estudante. Em 48% das pessoas com enxaqueca, experimentam severas dores de cabeça por períodos de 1 a 4 dias e 10% têm ataques por mais de 20 dias. Comum ocorrência na infância e adolescência, mas a prevalência maior e entre 25 e 55 anos, e depois declina.  53% dos pacientes reportam a dor acompanhada com aura e 91% reportam que durante a dor sentiam incapazes de trabalhar. A OMS coloca a enxaqueca como uma das 20 enfermidades que provoca ausências laborais e que pessoas que sentem enxaqueca perdem ao ano 30 dias de trabalho para as que sofrem três crises por mês que pode durar, cada uma, de 4 a 72 horas. Isto representa perdas milionárias para as empresas.

Vickers et. al (2004), diz que a enxaqueca e a cefaleia do tipo tensão dão origem a custos notáveis de saúde, econômicos e sociais. Apesar dos benefícios da medicação, muitos pacientes continuam experimentando a angústia e o rompimento social. Isto leva os pacientes a tentar e aos profissionais de saúde a recomendarem enfoques não farmacológicos para os cuidados para com a cefaleia.

Raffaelli Jr. (2000) afirma que o uso indiscriminado de analgésicos leva a cefaleia do tipo tensional crônica diária. Os analgésicos anunciados na mídia indiscriminadamente estimulam a automedicação e dão a ideia de que a cefaleia é uma única patologia geralmente chamada de “enxaqueca”, não ajudando os indivíduos perceberem que há mais de 150 tipos de cefaléias diferentes descritas.

 

Enxaqueca

Há vários tipos de enxaquecas. A medicina ocidental divide-as em três grupos distintos. As enxaquecas clássicas; as comuns; as de harris ou cefalalgias. Há também subgrupos como as cefaleias por tensão, cefaleias sinusiais e  cefaleias por tumores cerebrais. E ainda as enxaquecas menstrual, hemiplégica, oftalmoplégica, facial, basilar.

De acordo com Dr. James W. Lance, MD, referência (Bob Flaws p. 13).

A enxaqueca clássica é facilmente reconhecida porque é precedida por perturbação visual que compreende pequenas manchas ou brilhos de luz que aparecem na frente dos olhos, visão borrada ou um padrão mais complicado de ziguezague que se movem lentamente pelo campo visual por vinte a trinta segundos. Quando isto termina, a dor começa na parte da frente ou de trás da cabeça, em geral de um lado e progressivamente torna-se mais forte, As pessoas sentem enjoo e podem vomitar. A luz fere os olhos, o som alto ressoa na cabeça, precisando recolher-se a um quarto escuro e tentar dormir até que ela passe.

A enxaqueca comum não é precedida por distúrbios visuais, não há sinais prodrômicos de alerta em particular como na clássica. Pode ocorrer ao despertar ou no decorrer do dia. Em geral (mas não sempre) é acompanhada por náuseas e aversão à luz. E muitas vezes acompanhadas por problemas digestivos.

A Cefalalgia ou enxaqueca de Harris é uma espécie de enxaqueca que apresenta característica mecânica devido a maior pressão nas veias e artérias da cabeça. Apresentam-se em forma de agrupamento, isto é, pode ocorrer de uma a três vezes ao dia, durante períodos de seis a doze semanas por vez. Em geral são unilateral e centrada nos olhos ou ao redor deles. Este olho afetado do lado da dor pode ficar injetado de sangue ou lacrimejar. Em geral a pupila fica dilatada e a pálpebra cai. Tipicamente a narina fica obstruída ou tem corrimento. O couro cabeludo na parte afetada fica dolorido e pode sentir pequena protuberância na boca como uma colmeia.  Geralmente os pacientes com cefalalgia são homens, cerca de 80%.

Teoria da Medicina Tradicional Chinesa relacionadas a enxaqueca

De acordo com  (Flaws )Há na Medicina Chinesa o axioma básico: Tong Ze Bu Tong: Bu Tong Ze Tong – Se houver fluxo livre, não há dor, se houver dor, não há fluxo livre. Esta afirmação abrange todas as dores em qualquer parte do corpo e por qualquer causa. Se o Qi (energia) e o fluxo do Sangue fluírem pelo corpo facilmente e sem obstrução não há dor.  Assim, mesmo havendo várias meios para obstruir ou não permear o fluxo do Sangue e do Qi, não há outra causa para a dor além da não permeabilidade do Qi e do Sangue.

O Qi e o Sangue circulam por discretos canais e vasos distintos. Existem doze canais principais que atravessam o corpo e distribuem Qi e Sangue para os Órgãos e Vísceras e a partir deles, no Interior, e nas extremidades, no Exterior. Cada um destes canais liga-se a um dos doze órgãos básicos, por isto estes canais são chamados pelo nome do Órgão ou da Víscera com o qual se conectam. Por exemplo, podemos falar do Canal do Meridiano do Fígado, Canal do Meridiano do Intestino Grosso, do Estomago, da Vesícula Biliar, do Coração, etc. Como estes Canais se comunicam e entrelaçam entre si nas mãos ou nos pés e sendo contíguo um canal da mão com um canal do pé, dizemos frequentemente Seis Canais (Liu Jing).

Quadro 1- Os Doze Canais Regulares divididos em seis pares:

Tai Yang    (Yang Máximo) Intestino Delgado e Bexiga

 

Shao Yang  (Yang Menor) Vesícula Biliar e Triplo Aquecedor

 

Yang Ming Yang Brilhante) Estomago e Intestino Grosso

 

Tai Yin          (Yin Máximo) Pulmão e Baço

 

Shao YIN      (Yin Menor) Coração e Rim
Jue Yin         (Yin Exaurido) Fígado e Pericárdio

 

(Flaws) Explica que quatro destes pares são usados para classificar a dor nas principais regiões da cabeça:

  • A dor da base do crânio, nas costas ou região occipital é devida a obstrução ou não permeabilidade do fluxo de Qi e do Sangue no Tai Yang;
  • A dor nos lados da cabeça ou na região temporal e devida a problemas da circulação de Shao yang;
  • A dor da testa ou região frontal e relacionada ao Yang Ming;
  • A dor na coroa ou vértice da cabeça  esta ligada ao Jue Yin
  • A dor como faixa ao redor da cabeça pertence ao Tai Yin
  • A dor nas bochechas e dentes pertence ao Shao Yin

 

Razões para a impermeabilidade do Qi e do Sangue:

Bloqueio

Excesso

Deficiência

 

 

Bloqueio

O Bloqueio pode-se dar pela invasão de patógenos externos, como o Vento frio, Vento com Calor ou Umidade do Vento. Estes fatores ao invadirem os canais e os colaterais da cabeça, ocupam o espaço dentro dos quais deveriam fluir o Qi e o Sangue  agora não podem.

O Bloqueio ainda pode se dar por substancias patológicas internas como: Unidade, Fleuma e Sangue estagnado. Estas substancias são produzidas no interior da pessoa quando um ou o conjunto de Pulmão, Baco e Rim não transforma, não transporta os líquidos adequadamente. Neste caso um acúmulo de líquidos torna-se umidade, e se esta umidade for detida ou perturbada pelo calor interno no corpo pode se condensar tornando-se Fleuma.

Bloqueio por estagnação ‘e o sangue que estacionado por um período prolongado e não circula devidamente torna-se Sangue estagnado, Todos estes fatores atuam bloqueando o fluxo livre do Qi e do Sangue na região da cabeça causando as dores,

Excesso

É quando metabolismo corporal produz muito de alguma substancia e estas por estarem em excesso movimentam-se sem pressão dentro dos Canais obstruindo o livre fluir destas substâncias, São eles: Qi congestionado, Calor, Yang ascendente, ou Vento Interno.

O Qi congestionado é em sua mais comum situação, provocado pelo estresse e o bloqueio emocional. Neste caso ficamos tensos e isto contrai o fluxo livre do Qi que se acumula no Fígado, Do canal do Fígado passa para o seu colateral Vesícula Biliar, então esse Qi flui para cima, em direção a cabeça causando a dor de cabeça  do Shao Yang.  Pode ainda haver Estagnação do Qi pelo que se chama as cinco estações, Qi, Sangue, Alimentos, Umidade, Fleuma e Calor.

Calor– O Qi tem cinco funções no corpo, ele transporta ou propulsiona, transforma, aquece, defende e mantem ou restringe. Quando há acumulo de Qi ele se transforma em Calor (calor= muito Qi) e  este se move para a cabeça. Porque movendo-se desordenado o muito Qi como calor, tenta passar em local com muito pouco espaço,

Yang Ascendente – A origem de todo Calor no corpo é o Ming  Men  Zhi  Huo, o Fogo do Portão da Vida, que é o Yang Qi dos Rins, órgãos raiz de todo o corpo. Se a água do Rim que é Yin, ficar fraca e exaurida o Yang do Rim tende a flutuar para cima e agrava a tendência do Yang do Fígado, Vesícula Biliar, Estômago, Coração/Pericárdio e Pulmões em ascender e se acumular na cabeça causando dor. Este Calor é pela deficiência de Yin do Rim. Se Yin e o Yang ficarem deficientes, o outro tende a ficar em excesso.

Vento Interno – Se o Qi ficar preso no Fígado e fluir muito rápido ou fortemente para cima, isto e chamado de Estimulante Interno de Vento do Fígado. O Qi corre como um vento forte em direção a cabeça causando dor.

 

Deficiência

A deficiência é um pouco mais difícil de compreensão que o bloqueio e o excesso. Resumindo; o Qi e o sangue não só viajam através do Jim Mai, como também mantêm os mesmos inflados e abertos. Se o Qi ou o Sangue ficarem insuficientes para manter as aberturas dos canais e Vasos, eles ocluem, bloqueando o fluxo do Qi e do sangue que por ali tentam passar. Que por sua vez, causam dor leve, mas contínua e insidiosa, que piora especialmente quando o Qi e o sangue ficam com maior depleção, sendo menos a capacidade de manter os vias abertas. Esta dor é típica de acontecer ao anoitecer, quando as atividades diárias consumiram o Qi e Sangue, quando há fadiga ou fome. Nas mulheres tendem a ter mais Deficiência de Qi e Sangue e sentem um agravamento após a menstruação, que é uma descarga de sangue.

Há também a deficiência de Essência ou Jing, que significa deficiência do Yin do Rim, que também provoca a dor que é pior à noite, quando há fadiga, após menstruação, depois do ato sexual (especialmente nos homens) ou depois de qualquer alimento ou atividade que podem enfraquecer os Rins e o Jing  em particular.

DIAGNÓSTICOS:

Quadro 2- Diagnóstico da dor de acordo com os meridianos

 

 

Topo da cabeça

O Meridiano do Fígado atinge internamente o topo da cabeça, sendo a causa mais frequente deste tipo de dor

É mais frequente causada pela deficiência de sangue do Fígado.

Dor aguda que melhora quando se deita.

Se for aguda está relacionada ao fogo do Yang do Gan

 

Lateral da cabeça, ambos os lados, unilateral, ou nas têmporas

 

Corresponde ao Meridiano da Vesícula Biliar.

Mais frequente atribuído a ascensão do Yang, do Fogo ou do Vento do Fígado. Dor aguda e/ou latejante.

 

 

 

Atrás dos olhos

Frequente em enxaquecas

Se a dor for surda é atribuída a deficiência de Sangue do Fígado

Se a dor for aguda e severa é atribuída a ascensão do Yang do Fígado

 

 

 

Região Frontal

Se a dor for aguda indica deficiência do Estômago

Se a dor for aguda indica Calor no Estômago

Sensação de peso na cabeça, atordoamento, desconcentração, indicam Umidade ou Mucosidade. Ainda tontura e visão borrada.

Pode ainda ser Vento externo não expelido, como Vento-Frio, ou Vento- calor

 

 

Atrás da Cabeça (occipital)

Dores crônicas são geralmente atribuídas a Deficiência de Rim, manifestando-se no Meridiano da Bexiga.

Dores agudas são geralmente invasão de Vento- Frio externo (acompanhada de grande rigidez no pescoço e nas costas).

Umidade-Calor também na Bexiga pode provocar dor occipital aguda.

 

 

 

Cabeça Inteira

Em geral devido a Deficiência de Essência do Rim, provocando dor surda e sensação de vazio.

Com invasão e vento externo (calor ou frio) a sensação será de puxão com dor severa e aguda.

Se a área da dor mudar todo o tempo, indica presença de Vento do Fígado. Com sensação de peso indicará Mucosidade.

Fonte Maciocia 2006

Quadro 3 – Diagnóstico da enxaqueca de acordo com o tipo de dor:

 

 

Sensação de peso

Característica de Umidade ou Mucosidade. Sente a cabeça pesada, atordoada, como se envolvida por uma faixa. Poderá haver dificuldade de pensar, principalmente pela manhã.

A Mucosidade provoca obstrução dos orifícios e dos órgãos do sentido. Gerando tontura e visão borrada.

Distensão, (latejante, explosiva, pulsátil) Dor relacionada ao Fígado, proveniente do Yang ou do fogo do Fígado, afetando provavelmente um dos lados.

Afetando toda a cabeça, pode ser Vento-Calor exterior

Dor acompanhada de rigidez, e  contratura muscular Geralmente indica invasão  Vento-Frio externo.

Dor crônica com rigidez nas áreas dos ombros e Fígado indica ascensão e Yang do Fígado.

Puxão (aperto tensão) Essa dor indica Vento do Fígado interno
Facada perfurante Uma sensação de dor muito intensa e fixa em um lugar, indica estase de Sangue
Sensação de vazio Deficiência de Rim (Yang ou Yin)

Fonte Maciocia (2006) (adaptado)

Quadro 4 – Diagnóstico da enxaqueca de acordo com a melhora e a piora

 

Hora do dia

Pioram durante o dia: Deficiência de Qi/Yang ou Umidade

Pioram no final da tarde ou da noite: Deficiência de Sangue ou Yin, que por sua vez pode gerar ascensão do Yang

 

 

Atividade/Descanso

Pioram com atividade: deficiência de Qi ou Sangue

Melhoram com exercícios leves: ascensão do Yang do Fígado e Mucosidade

Melhoram com descanso e ao deitar: deficiência de Qi ou Sangue; Pioram quando se deita: Umidade ou Mucosidade;

 

 

Clima

Pioram com o calor: ascensão do Yang ou Fogo do Fígado;

Pioram como Frio: deficiência de Yang;

.Pioram com tempo úmido: Umidade ou Mucosidade;

Melhora temporariamente com aplicação de frio: Yang ou fogo do Fígado;

 

Emoções

Pioram com a Raiva: Yang ou Fogo do Fígado;

Pioram quando há relaxamento: ascensão do Yang do Fígado; Pioram com repentina excitação: ascensão do Yang do Fígado;

 

Atividade sexual

Após atividade sexual, culminando com orgasmo: deficiência dos Rins;

Melhoram com atividade sexual: Fogo do Fígado;

 

 

Alimentação

Pioram após a refeição: Umidade, Mucosidade, retenção de alimento ou calor no estômago;

Melhoram com a alimentação: deficiência de Qi ou Sangue;

Consumo de alimentos ácidos: atribuídas à ascensão do Yang do Fígado;

Postura Se a dor melhora quando se deita: deficiência;

Se a dor piora quando se deita: excesso;

 

 

Menstruação

Precedendo o período menstrual: ascensão do Yang do Fígado;

Piorando durante o período: Fogo do Fígado ou Estase do Sangue;

Após o período menstrual: deficiência de sangue;

 

Compressão

 

 

Aversão à compressão no local da dor: condição de excesso;

Melhora com a compressão no local: condição de deficiência;

Fonte Maciocia 2006

Quadro 5 – Diagnóstico da enxaqueca de acordo com padrões

Fator Padrão
Vento-Frio Região occipital, severa e com rigidez pronunciada
Vento-Calor Severa, distensão em toda a cabeça
Vento-Umidade Sensação de peso como se a cabeça estivesse coberta
Yang ou Fogo do Fígado Distensão
Vento do Fígado Puxão, aperto, tensão
Mucosidade Sensação de peso como se a cabeça estivesse coberta, tontura
Umidade Sensação de peso como se a cabeça estivesse coberta
Deficiência de Qi e de Sangue surda
Deficiência de Rim Sensação de vazio

Fonte Maciocia 2006

Princípios e Estratégias de Tratamento

Segundo MACIOCIA (2006), após a elaboração de um diagnóstico e a identificação do padrão, o próximo passo consiste em determinar o princípio de tratamento a ser adotado. Segundo este autor, a maioria das condições práticas é caracterizada por múltiplos padrões e uma coexistência de deficiência e excesso. Assim, embora o diagnóstico seja correto, o sucesso do tratamento depende muito da adoção da estratégia e método de tratamento adequado. Ainda segundo MACIOCIA (2007) a adoção do princípio de tratamento correto, decidindo se tonificar o Qi do corpo ou eliminar os fatores patogênicos é absolutamente crucial ao sucesso do tratamento.

Eficácia da acupuntura no tratamento da enxaqueca

Um estudo da WHO-OMS (2002) apontou que o uso da acupuntura no tratamento da dor crônica da cabeça e da face tem sido estudado extensivamente. Para cefaleia tensional, enxaqueca e outros tipos de dor de cabeça devido a uma variedade de causas, a acupuntura apresentou resultados positivos em testes, comparando-o com a terapia padrão, a “sham accupuncture” (inserção de agulhas em pontos não específicos) ou falsa estimulação elétrica por TENS (transcutaneous electrical nerve stimulation ou neuroestimulação elétrica transcutânea).

Também a dor facial crônica, incluindo desordens craniomandibulares de origem muscular, também respondem, segundo o estudo, positivamente a tratamentos com acupuntura. O efeito da acupuntura também foi comparável aos tratamentos convencionais para a dor e disfunção da articulação temporomandibular. Ainda segundo o estudo, a eficácia da analgesia por acupuntura já foi estabelecida em estudos clínicos controlados. a por acupuntura funciona melhor do que um placebo para a maioria A analgesia dos tipos de dor, e sua taxa de eficácia no tratamento da dor crônica é comparável com a da morfina.

Acrescenta-se também que o estudo da OMS apontou numerosos estudos laboratoriais que provam a eficácia da ação analgésica da acupuntura. Além disso, os efeitos colaterais da terapia de longo prazo convencional com drogas ocasionam riscos de dependência e, dessa forma, a analgesia por acupuntura pode ser considerada como o método de escolha para o tratamento de muitas condições dolorosas crônicas.

Uma revisão sistemática conduzida por SUN e GAN (2008) apontou que a Acupuntura é um tratamento efetivo para a dor de cabeça crônica com resultados significativos na redução da intensidade da dor e na frequência dos ataques mesmo comparada a tratamentos farmacológicos.

DIRETRIZES DE TRATAMENTO DA ENXAQUECA PELA ACUPUNTURA

Para o presente trabalho, foram selecionados cinco diretrizes de tratamento da enxaqueca, adotadas em trabalhos científicos que obtiveram resultados positivos e duas diretrizes baseadas em indicações tradicionais de renomados autores de livros de acupuntura, todos eles publicados ou revisados após o estudo da WHO-MS (2002).

Diretriz de Tratamento segundo LINDE et al (2005)

O tratamento foi semi-padronizado e todos os pacientes foram tratados com os pontos VB20 e VB40, 41 ou 42; VG20, F3, TA3 ou 5 e Taiyang, bilateralmente com inserção de agulhas até a obtenção do Te-Qi com 2 sessões nas primeiras 4 semanas e 1 sessão nas 4 semanas seguintes.

Quadro 6 – Tratamento por acupuntura

 

VB20

Dispersa vento e libera calor na superfície, alivia a dor, acalma o Fígado
VB40 Libera calor e melhora acuidade visual, estimula vesícula biliar
VB41 Libera calor e dispersa vento, ativa meridiano e  alivia a dor.
VB42 Libera calor e dispersa vento, melhora acuidade visual e auditiva
 

VG20

Acalma o Fígado e dispersa o vento, pacifica o espírito e elimina os espasmos
 

F3

Acalma e descongestiona o Fígado e dispersa o vento, regula o Qi, fortalece o Baço e transforma a umidade
 

TA5

Liberta o calor e a superfície, melhora acuidade visual e auditiva, descongestiona e libera o meridiano
Taiyang É específico para conter o Yang do Fígado e nas cefaléias temporais.

 

Diretriz de Tratamento segundo ALECRIM-ANDRADE et al (2006)

 

O tratamento foi semi padronizado em 28 pacientes, cada um recebendo 16 sessões de acupuntura em 12 semanas. Nos pacientes que receberam a “acupuntura verdadeira” houve a inserção de 12 a 20 agulhas (6 a 10 pontos) com obtenção do Te-Qi. Os pontos utilizados estão elencados no Quadro 8:

Quadro 7- Tratamento pela Acupuntura

         Situação  Pontos utilizados
 

Pontos locais (todos os pacientes)

• VB12- dispersa vento, alivia dor, ativa vasos e fortalece o cérebro

• VB20- dispersa vento, acalma Fígado, alivia dor

• VB21-dispersa vento, libera calor, alivia dor

• B1- libera calor, melhora acuidade visual

Cefaléia na região occipital

 

•ID3-liberta Coração, promove a calma geral, elimina inflamação, melhor acuidade  visual

• B60- dispersa vento, libera calor, alivia dor

 

 

Cefaléia frontal

 

 

• E36- fortalece o Baço, harmoniza estômago, restaura equilíbrio do Qi, descongestiona  e ativa o meridiano e seus vasos.

. B12- dispersa o vento e limpa superfície, limpa os Pulmões.

• VG23- alivia a dor e ativa os orifícios da face

• F4- descongestiona o Fígado e regula o Qi, ativa o meridiano e alivia a dor

 

 

Cefaléia têmporo-parietal

Cefaléia na região dos olhos

Hemicrania

•TA5- Liberta o calor e a superfície, melhora acuidade visual e auditiva, descongestiona e libera o meridiano

•VB34- descongestiona o Fígado e estimula a Vesícula Biliar, torna os tendões flexíveis e alivia a dor

• VB8 – Acalma o Fígado e dispersa o vento, diminui o Qi invertido.

 

Cefaléia no topo da cabeça

• ID3 idem acima

• VG20- idem acima

•F3- Acalma, descongestiona o Fígado e dispersa o vento, regula o Qi, fortalece o Baço e transforma a umidade

 

Pacientes ansiosos

•PC6- restaura clareza cerebral e suprime a dor, fortalece o Baço, harmoniza o centro, descongestiona e harmoniza o meridiano e seus vasos
Pacientes com sintomas de Fígado • F3 – idem

 

Fonte ALECRIM-ANDRADE et al (2006)

Diretriz de Tratamento segundo ZHANG et al (2009)

Os pacientes do estudo receberam 12 sessões de acupuntura em 4 semanas. Os pontos usados obrigatoriamente foram VG 20, VG 24, VB 13, VB 8, TA 20 e VB 20.

Os autores englobaram e utilizaram também pontos adicionais que foram escolhidos segundo a diferenciação adotada por eles no estudo, abarcando outros canais unitários como:

  • Para a cefaleia Shaoyang: TA 5 e VB 34
  • Para a cefaleia Yangming: F 4 e E 44
  • Cefaleia Taiyang: B 60 e ID 3
  • Cefaleia Jueyin: F 3 e VB40
  • Náuseas e vômitos: PC 6
  • Disforia e suscetibilidade à raiva: F3

Diretriz de Tratamento segundo YAMAMURA (2009)

Segundo YAMAMURA (2009), no tratamento deve-se circular o Qi do Shao Yang, fortalecer o Gan e dissipar o vento interno segundo as seguintes diretrizes:

  • Taiyang, VB20, TA17, VG20. Se a dor for muito intensa, unir o Taiyang ao VB8;
  • Pontos distais: F3, IG4, TA5, VG16, B10, VB34,P7;
  • Circulação do Qi do Shao Yang: TA2, TA3, VB41, VB43;
  • Para cefaleias Shao Yang com sintomas de Yang do Gan: B18, VB40;
  • Para cefaleias Shao Yang com manifestações gástricas: E43, E8;
  • Para cefaleias Shao Yang com cansaço: R3 e B23.

Yamamura também recomenda que, para cada situação etiopatogênica detectada, deve ser realizado, também, tratamento específico das alterações etiopatogênicas inerentes.

Diretriz de Tratamento segundo MACIOCIA (2006)

 

Quadro 8- MACIOCIA (2006) aborda tratamento de acordo com padrões identificados no diagnóstico, indicando os pontos principais e pontos adicionais que complementarão o tratamento:

Padrões Prescrições gerais Pontos adicionais
 

 

 

Vento-Frio

 

 

• P7

• VB20

• VG16

• B10

 

• VG20 (se afetar a cabeça inteira)

• ID3 (elimina o vento)

• ID3 e B62 (em combinação abrem o Vaso Governador e eliminam o vento)

.B67 e B66 (para padrões de plenitude para eliminar fatores patogênicos)

• B60 (se afetar a parte inferior do pescoço e a parte superior dos ombros)

 

Vento-Calor

• IG4

• VB20

• VG16

• VG14

• TA5

• VG20 (se a dor afetar a cabeça toda; expele o vento e alivia a dor)

• IG11(sintomas pronunciados de calor)

• TA16 (expele vento-calor e alivia a dor)

 

 

Vento-Umidade

• P7

• IG6

• BP6

• E-8

• VG23

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Ascensão do Yang do Fígado

 

 

 

 

 

 

•F3 (sedação)

•F8 (tonificação)

•BP6 (tonificação)

• TA5 (sedação)

•VB20 (sedação)

• TAIYANG

• R3 (se houver deficiência de Yin do Gan)

• PC6 (contém o Yang do Gan, acalma a mente e a alma etérea)

• P7 (ponto especial para cefaléias)

• VB43 (elimina fatores patogênicos em estados de plenitude)

• VB4/VB5/VB6 (resolve a ascensão do Yang do Gan; usar em ângulo de 15 graus apontadas para trás)

• VB8 (ponto efetivo local; agulha aplicada horizontalmente para trás)

• VB9 (ponto local com efeito calmante geral, quando houver tensão e problemas emocionais)

• VB13 (quando a cefaléia atingir uma parte da frente da cabeça, ajuda a dormir e resolve tensões emocionais)

• VB14 (quando a dor se situar ao redor desse ponto)

• VB21 (para relaxar a parte superior dos ombros)

• B2 (dor ao redor dos olhos e no globo ocular)

• Yuyao (quando a ascensão do Yang do Gan for proveniente da deficiência do sangue do Fígado)

• VB1 (dor temporal e ao redor dos olhos)

 

 

 

Fogo do Fígado

 

• F2

• BP6

• TA5

• VB38

• VB20

• TAIYANG

 

•VB43(clareia o calor do Dan, dor ao redor dos olhos)

• VB44 (se a dor se localizar em um lado da cabeça)

•IG11(quando houver sinais pronunciados de calor-sede, amargor, língua vermelha, etc.)

 

 

 

Vento do Fígado

 

• F3

• BP6

• VB20

• VG16

• VG20

Obs. tonificar BP6 e sedar os demais

 

 

• ID3 e B62 (abrem o Vaso Governador e contém a agitação do Vento Interno)

 

 

 

Estagnação do Qi do Fígado

 

• F3

• VB 34

• IG4

• E36

• VG24

• TAIYANG

 

 

• F14 (elimina a estagnação)

• Yintang (dor frontal, acalma a mente e produz sono)

 

Estagnação do frio no Meridiano do Fígado

 

 

• F3 (sedação seguida de moxa)

• VG20

 

 

 

 

UMIDADE

 

 

 

• BP3 (sedação)

• IG4 (sedação)

• E8

•P7 (tonificação)

•B20 (tonificação)

•VC12 (tonificação)

 

 

 

•VG20 (estimula a ascensão do Yang puro)

•VG24 (ponto local para remoção da Umidade)

• VG23 (dor ao redor dos olhos)

• Yintang (dor frontal)

• BP6/BP9 (pontos distais para eliminar Umidade)

• B21 (fortalece Wei e Pi e em casos de cansaço crônico)

 

 

MUCOSIDADE TURVA

 

 

 

• E40 (sedação)

• IG4 (sedação)

•P7 (tonificação)

• E8

• VG20

 

 

• E36 (tonifica o Pi e elimina Umidade)

• BP6 (elimina Umidade e Mucosidade)

• BP3 (elimina Umidade e Mucosidade)

• IG11(se houver Mucosidade associada a Calor)

• VG23 (ponto local para os olhos)

• Yintang (dor frontal)

 

 

 

VENTO-MUCOSIDADE

TURVA

 

 

 

• E40 (sedação)

• IG4 (sedação)

• F3 (sedação)

• ID3

• B62

• E8

• VG20

•VB20 sedação)

 

 

 

 

 

• VB39 (contém o vento interno)

• VG16 (contém o vento interno e remove

obstruções do Vaso Governador)

 

 

 

 

RETENÇÃO DE ALIMENTO

 

 

• VC10

• E21

• PC6(sedação)

• E34 (sedação)

• E45 (sedação)

• IG4 (sedação)

 

 

•E44 (se a retenção for associada ao calor)

• BP4 (alivia a retenção)

•VC13 (sintomas acentuados de ascensão de Qi do Wei)

• E36 (se houver deficiência do Wei)

• E40 (quadros severos de retenção)

 

 

 

ESTASE DE

SANGUE

 

 

 

 

 

 

• IG11

• IG4

• BP6

• F3

 

 

• TA5 (movimenta o Qi)

• BP10 (estase geral de sangue)

• B18 (sintomas acentuados de estase do Gan)

• B2 (estase de sangue no olho)

• Taiyang (estase nas têmporas)

• TA18 (estase na região occipital)

• Sishencong (estase no vértice)

 

CALOR NO

ESTÔMAGO

 

 

 

• E44 (sedação)

• IG4 (sedação)

• YINTANG

 

 

• E34 (cessa a dor)

• VG23 (dor frontal e ocular)

• E8 (dor frontal)

 

 

 

 

DEFICIÊNCIA

DE QI

 

 

 

 

• E36

• BP6

• VC6

• VG20

Obs.:todos os pontos em tonificação e VG 20 com moxa direta

 

 

 

• IG4 (em combinação com E36 eleva o Qi)

• B7 (ponto local para elevar o Qi)

• B20 (tonifica e eleva o Qi)

 

 

 

DEFICIÊNCIA DE

SANGUE

 

 

 

 

• E36

• BP6

• B20

• F8

• VC4

• VG20

• B15

 

 

 

• B20 e B18 (combinados nutrem o sangue do Gan)

 

• Yuyao (ponto local para dor nos olhos)

 

 

 

 

DEFICIÊNCIA  DE

RIM

 

 

 

 

• R3

• E36

• BP6

• VG20

• VB19

 

 

• VC4 (para deficiência de Yin do Rim)

• B23 (para deficiência de Yang do Rim)

• B60(dor no meridiano da Bexiga)

• B10 (dor no meridiano da Bexiga)

• B7 (ponto local)

• VG17 (nutre a medula)

Fonte: MACIOCIA (2006)

Quadro 9- Ação/Função dos pontos usados para os pontos principais dos padrões mencionados

Ponto

 

Acão ou Função do ponto

 

Yintang Acalma a mente e produz sono.
TaiYang Conter o Yang do Fígado. Para cefaléias nas têmporas
P7 Dissemina o Qi do pulmão e facilita o fluxo do Qi puro para a cabeça
ID3 Pomove a calma geral, melhor acuidade  visual
IG4 Em conjunto com o F3 elimina estagnação do Qi do Fígado
F2 Clareia o fogo do Fígado
F3 Pacifica e contem o Yang do Fígado. Movimenta o Qi do Fígado
F8 Nutre o sangue do Fígado e/ou o Yin do Fígado
TA5 Para conter o Yang do Fígado nas dores temporais
PC6 Ajuda harmonizar o Fígado e aclamar a Mente e Alma Etérea
BP3 Tonificar o Baço
BP6 Nutre o sangue do Fígado e ajuda a pacificar o Fígado. Ponto de F, BP e R
BP10 Para estase geral de sangue
E8 Eliminar a Umidade da cabeça
E21 Elimina excesso de alimentos e cessa dor epigástrica.
E36 Tonifica o Yin do Estômago em estagnação no Qi do Fígado na cabeça
E40 Eliminar a mucosidade ou umidade.
E44 Eliminar obstruções do Estômago na retenção de alimentos associado a calor
VB19 Atrai essência do Rim para cérebro, preenche a medula
VB20 Eleva o Qi e atrai essência do Rim na direção da cabeça. Contem vento interno
VB34 Movimentar o Qi do Fígado e eliminar estagnação
VB43 Clarear o meridiano da Vesícula Biliar
VG14 Expele o vento, clareia o Calor e alivia a dor.
VG16 Contém Vento interno e aliviam a dor de cabeça
VG20 Estimula ascensão do Yang puro para a cabeça
VG24 Elimina umidade de frente da cabeça
VC4 Nutre sangue do Fígado e o Yin do Rim
VC6 Aumenta, tonifica e regula o Qi
VC12 Nutrir o Yin do Estômago
R3 Nutre o Yin do Rim, que irá ajudar  regular o Fígado
R9 Nutre os Rins e acalma a Mente
B10 Liberta o calor e dispersa o vento
B20 Fortalece o Baço
B62 Dispersa o vento e alivia a dor

METODOLOGIA

 

O propósito deste artigo científico de revisão foi esclarecer e discutir a eficácia da acupuntura no tratamento da cefaléia, enxaqueca e verificar a existência de estudos relacionados sobre a correlação da qualidade de vida de pacientes com enxaqueca, tratados com acupuntura. Inicialmente mostrar a relevância do tema, fazendo uma breve incursão pelos aspectos históricos das cefaleias na população, dados epidemiológicos acerca dos tipos de cefaleia, evoluções na ICHD (International Classification of Headache Disease) e respectivo impacto e repercussões no diagnóstico e ainda algumas particularidades desta população.

O tema é abordado em várias vertentes, foi realizada uma revisão da literatura cientifica nacional e internacional através de sites de confiança como livros, artigos, revista e jornais on-line, Bireme, Scielo, no Banco de teses da CAPES e no banco de dados do Google acadêmico utilizando expressões de linguagem simples, integrando a história clínica em indivíduo com cefaléia; aspectos da genética e fisiopatologia de cada uma das cefaléias..

Utilizando os termos “Cefaleias”, “enxaqueca”, “headache”, acupuntura

CONCLUSÃO

A revisão bibliográfica deste estudo, embora modesta, permitiu avaliar algumas abordagens para tratamento da enxaqueca por meio da acupuntura, realizada em estudos científicos diversos com resultados positivos nas suas respectivas metodologias. Permitiu ainda comparar as diretrizes de tratamento testadas nesses estudos com as indicações tradicionais apontadas por autores em livros modernos de acupuntura.

Podemos observar que as técnicas empregadas, dos pontos utilizados, e da metodologia de uma forma geral, têm uma convergência, em maior ou menor grau, para a estimulação de pontos e/ou meridianos bastantes similares no tratamento desta patologia.

A seleção dos vários pontos testados e empregados e dos pontos sugeridos pode permitir a elaboração de um amplo leque de possibilidades para adaptar e individualizar o tratamento para cada paciente, em suas várias peculiaridades para cada caso, visando à redução do sofrimento causado pela doença.

A cefaléia é hoje, uma das doenças da modernidade, pois é ocasionada pela má qualidade de vida, agitação, stress, distúrbios do metabolismo, intoxicações e reações infecciosas, entre outras causas. É considerada como sintoma comum a diversas doenças, mas pode tornar-se um incômodo grave, quando considerada crônica, pois afeta a vida sócio-econômica do indivíduo levando-o a recorrer a remédios farmacológicos que podem ser prejudiciais ao seu organismo.

Muitas áreas das ciências que se dedicam ao cuidado à saúde têm buscado mecanismo e explicação para a cefaléia e muitas são as teorias e considerações a respeito. A biomedicina menciona alterações neurológicas, vasculares e perturbações bioeletroquímicas cerebrais .

Como causa a acupuntura surge como uma modalidade comum com alternativas complementares de intervenções terapêuticas que podem ajudar na cura da cefaléia

O tratamento com acupuntura proporciona uma melhora da qualidade de vida, promove a recuperação total da dor do indivíduo com cefaléia, permitindo o retorno ao trabalho e melhor desempenho nas atividades diárias (DARELLA, 2000).

A acupuntura nos últimos anos tem se tornado um importante método no tratamento de doenças pois é uma técnica que busca equilibrar a energia vital, e mostra bons resultados no tratamento da cefaléia, não só pelo seu efeito analgésico, mas pelo potencial de cura, pois provoca a diminuição das dores, aumenta a sensação de bem estar, melhora a qualidade do sono e a redução da ansiedade, além de controlar os sintomas, não possui efeitos colaterais.

Conclui-se ainda, que os dados obtidos auxiliam na plena e definitiva aceitação da acupuntura como ciência e não como pseudo-ciência, separando-a de outros tratamentos ditos complementares ou alternativos que ainda não podem ser classificados como científicos.

Por isso, a Acupuntura está sendo muito requisitada como método alternativo para cura das cefaléias crônicas em função de seus efeitos neuroquímicos e fisiológicos.

No entanto, Dr. Sacks escreveu em 1985, com bastante clareza como deveria ser a medicina e o que a medicina ocidental não é:

Há uma tendência crescente em reduzir a Medicina em medicinas, reduzir e de olhar como irrelevante ou “fora de moda” qualquer atenção pessoal para com o paciente e de tratar, de modo puramente mecânico, o distúrbio fisiológico de um paciente […] o tratamento adequado da enxaqueca, então embora ele faça uso de todas as descoberta e técnicas, deve sempre ser direcionada para o individuo afetado. No fim não é nem uma técnica, nem um “tratamento” que o médico oferece que vai curar o paciente. A medicina, que primeiro precisa vir de outras pessoas, de fora, deve ativar um poder interno, a Vontade de Cura no paciente e quando isso ocorre, a enxaqueca, a doença perde seu caráter perigoso.

REFERÊNCIAS

 

ALECRIM-ANDRADE J,; MACIEL-JÚNIOR J.A.; CLADELLAS X.C.; CORREA-FILHO H.R.;MACHADO, H.C. Acupuncture in migraine prophylaxis: a randomized sham-controlled trial. Cephalalgia. 2006; 26:520–529. London. ISSN 0333-1024.

ARAÚJO, A. P. S.; ALMEIDA, C. A. Terapia Manual versus Acupuntura no Tratamento da Cefaléia: Revisão de Literatura. Revista Saúde e Pesquisa, v.2, n.1, p.107-113, jan./abr. 2009.

BOLETA-CERANTO, D. C. F., ALVES, T. ALENDE, F. L. O efeito da acupuntura no controle da dor na odontologia. Arq. Ciênc. Saúde Unipar, Umuarama, v. 12, n. 2, p. 143-148, maio/ago. 2008.

BORDINI, C.A . ; CORBIOLI, N. et al – Retratos da enxaquecas e das cefaléias primárias. São Paulo, Lemos Editorial, 2001. p. 59-65.

DARELLA, M. L. Efeitos da acupuntura sobre a qualidade de vida relacionada à saúde (QVRS) em pacientes na dor crônica em ambulatório da rede pública de Florianópolis. 2000. 130 p. Dissertação (Mestrado em Saúde Pública) -Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

ERNST, E; WHITE, A. Acupuntura: uma avaliação científica. 1ed. São Paulo: Manole, 2001.

ESCOLA de Medicina Tradicional Chinesa de Beijing; Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Shanghai; Escola de Medicina Tradicional Chinesa de Nanjing; Instituto de Acupuntura da Academia de Medicina Tradicional Chinesa. Fundamentos Essenciais da Acupuntura Chinesa. São Paulo: Ícone, 1995.

FLAWS. BOB, Enxaqueca e a Medicina Tradicional Chinesa. Tradução de Therezinha Oppido, São Paulo: Organização Andrei  Editora Ltda, 1993 . Tradução  de: Migraines and Tradicional Chinese Medicine, A Layperson’s Guide, publicado por Blue Poppy Press (EUA).

FLORES, A. M. N.; COSTA JUNIOR, A. L. O manejo psicológico da dor de cabeça tensional. Psicol. Cienc. Prof. Brasília, v. 24, n. 3, p. 24-33, set. 2004.

GOMES, D. BORGES, D., DRUSUS, P., SOUDA, E. de; ANTONIO, F.; CHIERICI, F. Dor – Fisiopatologia da dor por nocicepção. UFMG – Departamento de Fisiologia e Biofísica – Instituto de Ciências Biológicas. Minas Gerais, 2005.

http://www.acupunturaemcuritiba.com.br/2011/09/tratamento-da-enxaqueca-pela-acupuntura.html, artigo científico. Acesso 17 de Julho 2015.

hhttp://residência.mfc.pe.googlepages.com/d3-cefaléia.pdf

hhtt://www.SociedadeBrasileiraparaoestudodador.com

hhtt://www.exercitandosaude.com.br

HUA TUO Revista Brasileira de Acupuntura – SMBA – Sociedade Brasileira de acupuntura – v.3, n. 4, 1990

HSING, Wu Tu. Acupuntura e Dor Crônica. Disponível em: http://www.saudetotal.com/mtc/monografias/001.htm. Acesso: 11 de junho 2015.

KRAYCHETE, D.C; GOZZANI, J.L; KRAYCHETE, A.C. Dor neuropática: aspectos neuroquímicos. Rev. Bras. Anestesiol., Campinas, v. 58, n. 5, Oct. 2008 . Available  http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0034-

70942008000500008&lng=en&nrm=iso>. Acesso em 05 JUL. 2015.

 

LIAN, Y; Chen C; Hammes, M; Kolster, B. C; Atlas Gráfico de Acupuntura. Um manual Ilustrado dos pontos de acupuntura. Editora HFUllman, 2010.

LIN, C. A.; HSING, W. T.; PAI, H. J. Acupuntura: prática baseada em evidências. Rev. Med, São Paulo, v. 87, n. 3, p. 162-5, jul – set 2008.

LOPEZ, L.. T, https://www.cetn.com.br/artigos/uso-e-eficacia-da-acupuntura-na-cefaleia/20130716092542_N_345  monografia,  google, 06 junho de 2015

MACIOCIA, GIOVANNI. A prática da Medicina Chinesa: tratamento de doenças com acupuntura e ervas chinesas. São Paulo: Roca. 2ª. Ed. 2006.

MACIOCIA, GIOVANNI.. Fundamentos da Medicina Chinesa. São Paulo: Roca. 2ª. Ed. 2007

MONZILLO, PAULO H. NEMOTO, PATRÍCIA H. COSTA, AGNALDO R. SANVITO, WILSON L. Tratamento agudo da crise de enxaqueca refratária na emergência: estudo comparativo entre dexametasona e haloperidol. Arquivos de Neuro-Psiquiatria. 62(2b): 513-518, jun. 2004.

NOGIER, R; BOUCINHAS, J.C. Prática fácil de auriculoterapia e auriculomedicina. São Paulo, Ícone, 2006.

NETTER, FRANK H. Atlas de Anatomia Humana. 2ed. Porto Alegre: Artmed, 2012.

PAI,H.J.Clínica Hong. São Paulo, 2004. Disponível em: http://www.clinicahong.com.br. Acesso: 15 julho 2015.

Revista Hórus – Volume 5, número 1 – Jan-Mar, 2011, Artigo de Revisão sobre Cefaléias

SANTOS, V. S, melhora da dor de cabeça (enxaqueca)  através da aplicacão- da acupuntura, accumaster  

https://accumaster.files.wordpress.com/2013/04/monografia.pdf  julho de 2015.

SUN, YANXIA; GAN, TONG J. Acupuncture for the Management of Chronic Headache: A Systematic Review. ANESTHESIA & ANALGESIA. Vol. 107, No. 6, December 2008YAMAMURA, Ysao. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. 2 ed.  3ª reimp, São Paulo: Ed. Rocca, 2009

WINK, S.; CARTANA M.H.F, Promovendo o autocuidado a pacientes com cefaléia por meio da perspectiva oriental de saúde. Revista Brasileira de enfermagem, Brasília. Mar, 2007. p 225-8