A DOR DE CABEÇA SOB A LUZ DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

A DOR DE CABEÇA SOB A LUZ DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA
0 28/06/2016

A DOR DE CABEÇA SOB A LUZ DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

Autor:  Maria Teresa Ferreira Monteiro

 

RESUMO

A dor de cabeça é a terceira queixa mais frequente na prática médica seja na modalidade de cefaleia ou enxaqueca. O objeto de estudo a dor de cabeça sob a luz da Medicina Tradicional Chinesa tem por objetivo compreender a dor de cabeça segundo a Medicina Tradicional Chinesa bem como o seu tratamento através da acupuntura. Foram encontrados 45 artigos utilizando os termos dor de cabeça, cefaleia, enxaqueca, acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa em diversas bases de dados, porém muito poucos foram utilizados porque não preencherem o critério de inclusão por não abordarem o tema sob a luz da Medicina Tradicional Chinesa, mas sim pela medicina ocidental predominando, portanto, o uso de livros técnicos. A conclusão do estudo demonstrou que a produção científica sobre a acupuntura no ocidente é muito pouco estudada sob a luz da MTC; que a dor de cabeça envolve quase todos os zang fu; que o acupunturista deve conhecer bem a fisiopatologia energética envolvida na dor de cabeça; deve ser cuidadoso na anamnese e que a seleção de pontos deve envolver tanto o tratamento sistêmico quanto local.

Palavras-chave: Dor de cabeça, enxaqueca, acupuntura, medicina tradicional chinesa.

ABSTRACT

The headache is the third most frequent complaint in medical practice is in the form of headache or migraine. The object of study the headache in the light of traditional Chinese medicine aims to understand the headache according to traditional Chinese medicine and its treatment through acupuncture. They found 45 articles using the terms headache, headache, migraine, acupuncture and traditional Chinese medicine in several databases, but very few were used because they did not meet the inclusion criteria for not addressing the issue in the light of Traditional Chinese Medicine but by Western medicine predominance, therefore, the use of technical books. The conclusion of the study demonstrated that the scientific literature on acupuncture in the West is very little studied in the light of MTC; the headache involves almost all zang fu; the acupuncturist must know well the energy involved in the pathophysiology of headache; must be careful in history and that the check points should involve both systemic treatment and local.

Palavras-chave: Headache, migraine, acupuncture, traditional chinese medicine.

INTRODUÇÃO

Segundo Santos (2010) apud Oliveira e Oliveira (2011, p. 84), “a cefaleia ou, popularmente denominada dor de cabeça, constitui um frequente problema na população em geral. É considerada a afecção mais comum e a terceira queixa mais frequente na prática médica brasileira”.

Sobre a enxaqueca, um tipo de dor de cabeça, de acordo com a Sociedade Brasileira de Cefaleia (SBC), a prevalência da enxaqueca em geral ao longo da vida é de aproximadamente 12% (18% entre as mulheres, 6% nos homens e 4% nas crianças).

Ainda segundo a SBC, no Grande Rio onde a população estimada é de 10 milhões de habitantes, existem 1.200.000 sofredores de enxaqueca, sem contar outros tipos de dor de cabeça. Ao projetar esses dados para a população brasileira, estimada em 170 milhões, o número de enxaquecosos pode ser de vinte milhões de pessoas, sem citar outras dores de cabeça. De acordo com Santos (2010, p. 30): a Sociedade Internacional de Cefaleia (International Headache Society – IHS), considera que existem mais de cento e cinquenta tipos diferentes de dores de cabeça. Estima-se que, quase 90% da população, já sofreu algum dia, de dor de cabeça. (SANTOS, 2010, p. 30)

Outro dado importante sobre a enxaqueca é que, as mulheres têm mais enxaquecas que os homens, em uma proporção de 2:1. A frequência média dos ataques é de 1,5 por mês, mas pelo menos 10% dos pacientes apresentam ataques semanais. A duração média de cada crise é de 24 horas, mas 20% delas podem durar dois ou três dias. Esses dados permitem estimar que 5% dos brasileiros (9 milhões de pessoas) passam 18 dias por ano, com crises de enxaqueca. Cerca de 1% da população (1,8 milhão) têm pelo menos uma crise por semana. (SACKS apud FLAWS, 1993, p. 25)

Em 2004, a Sociedade Internacional de Cefaleia publicou a 2a edição da Classificação Internacional de Cefaleias (The International Classification of Headache Disorders 2nd Edition). De acordo com essa classificação, existem as cefaleias primárias que são aquelas de origem ligada a alterações intrínsecas da bioquímica cerebral. Os principais representantes deste tipo de cefaleia são a migrânea ou enxaqueca, a do tipo tensional e a em salvas.

Quando existem lesões ou alterações que desencadeiam a cefaleia, estas são classificadas como secundárias. Nesses casos, a dor é uma consequência de uma agressão ao organismo. Como exemplos desses tipos de cefaleia, existem aquelas associadas às infecções sistêmicas, disfunções endócrinas, hemorragia cerebral, meningites, encefalites e lesões expansivas do Sistema Nervoso Central.

Para a medicina ocidental, são consideradas cefaleias as dores referidas na superfície da cabeça do tipo latejante e/ou em pressão, em facada e/ou pulsátil, em aperto e/ou pontada de intensidade leve a moderada, geradas a partir das estruturas profundas, resultantes de estímulos dolorosos intracranianos, mas que resultam de dores originadas de fora dele, ocasionadas por uma excitação direta ou reflexa de algum nervo sensitivo da cabeça, associadas à fotofobia, fonofobia, náuseas e vômito. (WANNMACHER e FERREIRA, 2005; ARAÚJO e ALMEIDA, 2009 apud OLIVEIRA e OLIVEIRA, 2011, p. 85)

Flaws (1993, p. 13) acrescenta que a enxaqueca é uma doença neurológica, genética, crônica tendo a cefaleia o seu principal sintoma.  Outros sintomas incluem: sensibilidade à luz; cheiros; barulhos; náuseas; vômitos; gosto amargo; flashes de luz; falhas no campo visual; imagens brilhosas ou em ziguezague; constipação; diarreia; formigamento nos membros; fala pastosa, etc. Pode ser desencadeada por estresse; sono prolongado ou privação do sono; jejum; trauma craniano; alimentos; ruídos altos; odores fortes; temperatura elevada; frio; emoções violentas; banhos quentes; sexo; pressão arterial elevada etc.

Veremos que os sintomas e a etiologia apresentados pelo autor são, indiscutivelmente, muito próximos do pensamento chinês sobre a fisiopatologia da enxaqueca.

Para Zukerman, Guendler, Mercante et al. (2004, p. 73), em um estudo americano sobre Qualidade de Vida, os instrumentos de avaliação indicaram que a enxaqueca provoca danos importantes na qualidade de vida das pessoas quando comparados com aqueles que apresentam outras doenças crônicas e também com a população geral. Embora o primeiro ataque possa acontecer até na velhice, a enfermidade costuma surgir na adolescência.

Portanto, concluímos que a dor de cabeça, seja na forma de cefaleia ou de enxaqueca, é um problema que interfere seriamente na vida social e na produtividade das pessoas afetadas.

Considerando que a enxaqueca é um conjunto de sintomas e que a cefaleia é o principal deles, não faremos diferenciação entre os termos cefaleia, dor de cabeça e enxaqueca. Contudo, explicaremos sob a luz da MTC, os demais sintomas que acompanham a cefaleia e que resulta na configuração de uma síndrome que a medicina ocidental classifica como enxaqueca. Portanto, utilizaremos os termos dor de cabeça, cefaleia ou enxaqueca, respeitando os termos adotados pelos autores estudados.

Assim, definimos como objeto deste estudo a dor de cabeça sob a luz da Medicina Tradicional Chinesa.

2 – REVISÃO DE LITERATURA

 

2.1 Compreensão das dores de cabeça segundo a medicina tradicional chinesa

Tong Ze Bu Tong; Bu Tong Ze Tong que, traduzido do chinês, significa que se houver fluxo livre, não há dor; se houver dor, não há fluxo livre. Este é um princípio básico da MTC relacionado a qualquer tipo de dor, em qualquer parte do corpo devida a qualquer causa. Ou melhor, “quando o Qi e o fluxo de Sangue fluem pelo corpo facilmente, sem obstruções, não há dor”. (FLAWS, 1993, p. 39)

Maciocia (1996, p. 1), aprofunda a questão quando afirma que “qualquer distúrbio energético capaz de gerar doença poderá contribuir na etiologia das dores de cabeça”.

Para este autor, os fatores etiológicos das cefaleias, incluindo a enxaqueca, são os seguintes:

  1. Constituição: Depende de três aspectos: da saúde geral dos pais, da saúde dos pais no momento da concepção e das condições de gravidez da mãe. As dores de cabeça persistentes e recorrentes iniciadas da infância, entre 7 e 10 anos, faz suspeitar de um forte fator constitucional, devido ao Qi pré-celestial. Isto pode ocorrer também quando os pais concebem filhos muito velhos. As Deficiências do Rim ou do Fígado estão não só relacionadas com a dor de cabeça tipo “surda” como também com a enurese, perda da vitalidade e miopia.

Com relação à saúde dos pais, ainda que a saúde seja boa, os excessos de trabalho, de atividade sexual, de consumo de álcool, remédios ou drogas, poderão resultar em uma criança fraca que possivelmente terá dores de cabeça. Assim, Baço/Pâncreas, Pulmão ou Coração podem estar comprometidos, dependendo da condição particular daquilo que foi afetado, negativamente, na saúde dos pais no momento da concepção.

No que se refere à condição da mãe durante a gravidez, esta pode atingir o feto. Um acidente ou um choque durante a gravidez pode levar à Deficiência do Coração que pode se manifestar não só por dor de cabeça, como também por uma cor azulada no queixo e na testa da criança.

Tais informações fornecidas pelo autor nos permite ratificar a importância de incluir na anamnese do paciente as informações sobre sua constituição a fim de orientar mais precisamente o profissional de acupuntura no diagnóstico e na terapêutica.

  1. Emoções: Segundo Macioca (1996, p. 2), “as emoções são causas muito frequentes de cefaleia”. Sacks apud Flaws (1993, p. 78), que estuda a enxaqueca do ponto de vista ocidental, concorda que muitos dos que sofrem de enxaquecas são presas de uma “ligação” mental-emocional.

Maciocia (2014, p. 99) destaca ainda que “as emoções só se tornam causas de doenças quando elas forem duradouras ou muito intensas”.

As emoções relacionadas com a causa de dores de cabeça são as seguintes: Raiva, Preocupação, Medo, choque e trabalho mental excessivo.

A Raiva, quando reprimida, intensa ou prolongada, é a causa mais comum das dores de cabeça. De acordo com a MTC, a emoção Raiva compreende também a frustração, ressentimento e rancores reprimidos. Estas causam a ascensão do Yang e/ou do Fogo do Fígado que dão origem às dores de cabeça situadas no meridiano da Vesícula Biliar, na têmpora ou no lado da cabeça.

Segundo Hicks, Hicks e Mole (2017, p. 62), “a Raiva é considerada uma emoção negativa em razão de suas consequências às vezes dolorosas e destrutivas”. Entretanto, é uma emoção crucial para efetivar mudanças na vida do indivíduo. A Raiva faz o Qi ascender em uma poderosa manifestação do Yang e sem ela haveria pouco ou nenhum crescimento pessoal ou cultural.

Entre as sete emoções humanas, apenas a raiva é de natureza intensa. Ela seca o Sangue e dissipa o hun. A pessoa que compreende a forma de nutrir o Fígado, portanto, nunca tem explosões de raiva. (ZHANG HUANG apud FRUEHUF, 1998, p. 4)

 

Assim, para os chineses, a fúria é a doença da Raiva e somente quando esta é reprimida ou explode é que se torna prejudicial ao elemento Madeira.

A Preocupação excessiva cria estagnação do Qi do pulmão e do Coração o que leva a uma cefaleia de modo indireto, uma vez que a Deficiência de Qi do pulmão (Metal) pode permitir a ascensão do Yang do Fígado (Madeira) causando dores de cabeça.

O Medo ou ansiedade, quando de longa duração, prejudica o Rim e causa dores de cabeça tanto diretamente pela Deficiência de Rim afetando toda a cabeça ou indiretamente, quando a Deficiência do Rim provoca a ascensão do Yang do Fígado.

O Choque, por sua vez, “suspende” o Qi afetando o Qi do Coração, Pulmão e Baço/Pâncreas provocando, geralmente, dores que afetam toda a cabeça.

Com relação ao Trabalho Mental Excessivo, embora não seja uma emoção propriamente dita, é uma causa emocional de doença. O Excesso de atividade mental é causa frequente de cefaleias crônicas ou enxaquecas em crianças que realizam muitas horas de trabalho e concentração.

  1. Excesso de trabalho: É considerado um problema nas sociedades industriais ocidentais. “O trabalho, sem o adequado descanso, enfraquece o Qi do Baço/Pâncreas (Terra) que, por consequência enfraquece o Yin do Rim (Metal)”. (MACIOCIA, 1996, p. 3)
  2. Atividade sexual excessiva: É uma causa comum de dores de cabeça, particularmente nos homens. Quando o homem tem uma atividade sexual muito frequente não há tempo para o restabelecimento da Essência do Rim, resultando em Deficiência da energia Yin ou Yang do Rim.

A exaustão do Rim causada pelo excesso de atividade sexual causa cefaleias na região occipital ou na cabeça toda caracterizando uma dor por Deficiência. Aqueles que se queixam de cefaleia e tontura após uma relação sexual têm, certamente, uma atividade sexual excessiva.

De acordo com Flaws (1993, pp. 78-79), “o sexo pode dar início a uma enxaqueca, pois inflama o Ming Men e o Fígado. Em contrapartida, o Calor do Fígado também pode inflamar o Ming Men dando origem à excitação sexual”.

O orgasmo é a liberação de energia Yang liberada da pelve que pode dar início a uma enxaqueca ou empurrar o Yang Qi aprisionado para a margem e descarregá-lo violentamente para cima.

  1. Dieta: Segundo Maciocia (1996, p. 3), “esta tem influência direta e indireta nas origens das cefaleias”. Não comer o suficiente ou seguir dietas muito rígidas causam Deficiência geral do Qi e Sangue o que levam a cefaleias no topo da cabeça. Por outro lado, o Excesso de alimentação obstrui o Qi do Estômago e enfraquece o Baço/Pâncreas, provocando dores caracteristicamente agudas também no topo da cabeça.

Alimentos quentes, quando consumidos excessivamente, tais como curry, condimentos, pimenta, carne vermelha e álcool causam Fogo no Fígado e/ou Calor no Estômago. O primeiro causa dor aguda nas laterais da cabeça, enquanto que o segundo causa dor aguda na região frontal.

O consumo excessivo de alimentos que produzem Umidade afeta o Baço/Pâncreas e provocam Mucosidade. Neste caso, a dor é do tipo surda e na frente da cabeça, acompanhada de uma sensação de peso. Dentre os alimentos que podem causar Umidade citamos: comidas gordurosas, alimentos frios, leite, queijo, manteiga, creme, sorvete, banana, amendoim, doces e açúcar branco.

O sal, quando consumido em excesso, causa Deficiência do Rim que poderá resultar em dor tipo surda na cabeça toda ou na região occipital. Os alimentos industrializados contém muito sal e quando utilizados com frequência podem causar dores na cabeça.

O Fígado é afetado por alimentos ácidos que também podem causar dores de cabeça. Dentre os alimentos ácidos, podemos citar: iogurte, maçã cozida, picles, vinagre, espinafre, etc.

Sobre as frutas cítricas, Flaws (1993, p. 80) esclarece que são “extremamente umedecedoras, afetando principalmente o Baço e, se contribuírem para a produção de Flegmão, também agravam o Qi do Fígado”. Destaca também que “muitas frutas tropicais são Frias e podem enfraquecer o Baço”. Além disso, são ácidas e o sabor ácido “entra” diretamente para o Fígado e com isso causar um aumento marcante no Qi do Fígado.

A forma como se come também pode ser uma causa de dor de cabeça. Quando se come muito rápido ou durante uma discussão pode ocorrer uma retenção de alimentos no Estômago e com isto causar dores agudas na região frontal da cabeça. O mesmo pode ocorrer quando se come muito tarde à noite.

Para Flaws (1993, p. 79), “pular refeições ou comer em intervalos irregulares pode causar enxaqueca. Pular refeições, assim como o jejum, enfraquece o Baço e com isso causar dor de cabeça por Deficiência de Sangue”.

Maciocia (1996, p. 4) lembra-nos que alguns alimentos não consumidos na dieta chinesa não são mencionados como causadores de enxaqueca, como por exemplos o café e o chocolate que podem agravar dores de cabeça ou precipitar a enxaqueca. O autor reforça que, em sua experiência, “qualquer sofredor de cefaleia crônica se beneficia grandemente não bebendo café”.

Na opinião de Flaws (1993, p. 81), o café pode ser usado durante a enxaqueca para aliviar a dor. Entretanto, também pode desencadear uma crise de enxaqueca, pois são considerados dispersantes e descarregadores, assim como o álcool e a nicotina. Assim, por serem dispersores e descarregadores, podem precipitar a movimentação do Qi do Fígado.

Sobre o álcool, o autor acrescenta que sendo quente e úmido, vai diretamente para o Fígado deixando-o Quente e por ser Úmido enfraquece o Baço. Esta é uma combinação perfeita para desencadear uma enxaqueca.

Como o álcool dispersa a energia do Fígado, a medicina chinesa explica porque alguns gostam de beber quando estão tensos. Entretanto, se a tensão for grande, esse relaxamento provocado pela dispersão do Qi do Fígado para cima pode ser violenta e assim desencadear uma enxaqueca em determinadas pessoas suscetíveis.

Flaws (1993, p. 80), nos esclarece que “o chocolate inflama o Fogo Ming Men. A gordura umedece o Baço e causa Calor excessivo no Estômago e Fígado, enquanto que o açúcar causa Umidade e fraqueza no Baço”. Portanto, aquelas pessoas com Qi do Fígado e do Estômago Quentes, Ming Men forte e Baço úmido e deficiente, podem ter uma crise de enxaqueca precipitada pelo consumo de chocolate.

  1. Acidentes graves e quedas: Quando afetam a cabeça são uma causa frequente de cefaleia crônica. Muitas vezes o trauma na cabeça ocorre na vida de uma pessoa quando ela é criança. Se depois de anos ela experimentar problemas emocionais relacionados com a Raiva ou frustração, a dor se alojará no local da cabeça onde ocorreu o trauma, pois essas emoções causam a ascensão do Yang do Fígado. (MACIOCIA, 1996, p. 4)
  2. Partos: Enfraquecem o Fígado, Rim e o Vaso-Concepção da mulher. Maciocia (1996, p. 5) lembra-nos que, para medicina chinesa, “abortos são considerados partos e, por isso, podem ser tão ou mais prejudiciais que os estes”. Tal afirmação é explicada porque em um aborto pode haver maior perda sanguínea do que no parto, porque também há uma alteração abrupta nos níveis hormonais e, ainda, porque um aborto pode resultar na mãe profundos sentimentos de perda e de culpa.
  3. Fatores patogênicos externos: Os principais fatores na causa das cefaleias são o Vento e a Umidade que podem vir acompanhados ou não de outros sintomas. “Na medicina chinesa o Vento é o Qi meteorológico associado ao Fígado” e isso explica porque a enxaqueca de muitas pessoas é desencadeada nos dias de vento, em especial nos dias de ventos quentes e secos que são o Yang no máximo do Yang. Então, “as pessoas que têm suas condições agravadas pelo Vento sofrem de Excesso de Fígado e de condições Quentes”. (MACIOCIA, 1996, p. 5; FLAWS, 1993, p. 82)

Com relação ao clima úmido e nublado, Maciocia (1996, p. 5) informa que este clima “agrava ou inicia enxaquecas em pessoas com Baço úmido e fraco”. A Umidade enfraquece ainda mais o Baço e impede o livre fluxo do Qi. A dor, então, é por Umidade e se caracteriza por uma sensação de peso na cabeça.

O clima frio, ou alimentos Frios, também podem precipitar enxaquecas, uma vez que o Frio tende a contrair o fluxo de Qi e Sangue. Além disso, o Frio causa constrição no lado externo do corpo, causando, por sua vez, aumento do Calor e da pressão interna. Para o autor, isso já é suficiente para aumentar o Qi de um Fígado já sobrecarregado.

Flaws (1993, p. 82) acrescenta à lista de Maciocia (1996) “a pílula anticoncepcional; a ofuscação; banhos quentes; hipertensão; dor de dente; sinusite; frios na cabeça e febre do feno”. Destes, destacaremos somente a pílula anticoncepcional dado ao seu largo uso na sociedade moderna.

De acordo com Flaws (1993, p. 82), “os contraceptivos podem causar infertilidade porque congestionam o Qi do Fígado. Em seguida, promovem a menstruação drenando forçosamente o Fígado”. Isso resulta em um Qi do Fígado agredido e agravado por Sangue deficiente. Por isso que, para o autor, não causa surpresa que muitas mulheres usuárias de contraceptivos sofram de enxaqueca.

2.2 Os meridianos

Segundo Auteroche (1992, p. 191), a cabeça é a reunião de todos os meridianos Yang e o cérebro é o “mar da medula”. Os 12 meridianos e os 8 meridianos extraordinários estão em ligação com a cabeça. Além disso, as energias perversas: Vento, Frio, Canícula, Umidade e Fogo também afetam a cabeça.

De acordo com Maciocia (1996, p. 5), “a cabeça é como o Céu; é a parte mais alta do corpo, não só do ponto de vista anatômico, mas também energético”. É a área de potencial máximo de energia na circulação de Qi nos meridianos e, portanto, sujeita a sofrer as consequências da elevação de energia como ocorre com a ascensão do Fogo do Fígado, do Fogo do Fígado, do Vento do Fígado ou do Calor do Coração.

A cabeça também é chamada de a confluência dos Yang ou o Palácio dos Yang ou ainda, o Palácios dos Yang puro. Os Meridianos Yin também atingem a cabeça, mas de modo interno, direta ou indiretamente. Os Meridianos Yang mais envolvidos nas dores de cabeça são os da Vesícula Biliar e da Bexiga, enquanto que os Meridianos Yin mais envolvidos são o Fígado e o Rim.

2.3 Sintomas associados à enxaqueca

Ver luzes brilhantes ou ter alucinações visuais – Segundo Flaws (1993, p. 63), está relacionado com a “ascensão do Yang do Fígado para a cabeça, pois, de acordo com a medicina chinesa, os olhos são a janela do Fígado”.

Visão borrada, em túnel ou cegueira parcial – Este sintoma está relacionado com a Deficiência de Sangue do Fígado. Para que os olhos vejam o Fígado tem que ser nutrido pelo Sangue. Este tipo de distúrbio visual está relacionado com a Deficiência de Sangue do Fígado/Yin do Rim. Quando há a combinação de Excesso de Yang do Fígado com Deficiência de Sangue do Fígado/Yin de Rim, “pode aparecer, inicialmente, o sintoma de ver luzes brilhantes ou alucinações visuais”, seguido de visão borrada ou cegueira parcial. Isso é explicado porque “o Yang em Excesso exaure o Yin na cabeça”. (FLAWS, 1993, p. 64)

Náusea e vômito – De acordo com medicina chinesa, o Fígado age excessivamente sobre o Estômago e o Baço. Quando o Excesso de energia Yang do Fígado sobe arrasta junto com ele o Qi do Estômago causando a náusea, pois dificulta a função do Estômago de decompor e triturar. De acordo com a Teoria dos Cinco Elementos, isso é conhecido como o Qi do Fígado invadindo o Estômago.

Se a enxaqueca termina com o vômito, significa que “o Qi do Estômago foi dispersado”, reduzindo, por conseguinte, “o Excesso de Yang do Fígado que corre para a cabeça”. (MACIOCIA, 2014, p. 24; FLAWS, 1993, p. 64)

Diante desta explicação podemos inferir sobre o porquê de pessoas relatarem a melhora da dor de cabeça após o episódio de vômito e, ainda, que algumas provocam o vômito na tentativa de melhorar a dor.

Diarreia e constipação Se o Fígado invade o Baço, impede que o seu Qi de subir causando a diarreia.

Fadiga e calafrios – Se o Qi do Fígado invadir o Baço pode haver fadiga e calafrios. “O Baço é a chamada Raiz pós-natal de energia e, portanto, também está envolvido no aquecimento”. Quando isso acontece, o paciente pode ficar fraco e fatigado ao final da enxaqueca. (MACIOCIA, 2014, p. 24; FLAWS, 1993, p. 65)

Dormência e formigamento – Geralmente são devidas às “Deficiências de Sangue e disseminação de Vento interno, respectivamente”. (FLAWS, 1993, p. 65)

Depressão, irritabilidade e bocejosSão devidas ao Qi depressivo do Fígado, enquanto que os bocejos são uma tentativa de liberar o Oi estagnante ou um esforço em recuperar o Qi deficiente.  (FLAWS, 1993, p. 65)

Fome – A fome indica “Calor no Estômago pela invasão do Fígado.” (MACIOCIA, 2014, p. 24; FLAWS, 1993, p. 65)

Verborreia – Com a ascensão do Yang do Fígado para cima ocorre o acúmulo de Calor no Coração. “A verborreia ocorre então porque, segundo a medicina chinesa, a fala é um reflexo do Coração”. (FLAWS, 1993, p. 67)

Perda de memória e de palavras – São devidas às “Deficiências do Sangue do Fígado/Deficiência de Yin do Rim”. (FLAWS, 1993, p. 67)

Fala pastosa e incoerência – Podem ser devidas à “Deficiência de Qi que deixa a pessoa sem energia para articular as palavras ou devido ao Calor que é acumulado e sobe do Fígado/Estômago e este invade o Coração”. (FLAWS, 1993, p. 65)

Incapacidade de se concentrar – Ocorre devido à fraqueza do “Baço ocasionada pela invasão do Fígado ou Calor que se eleva do Fígado ou Estômago e se acumula no Coração”. A falta de Qi para pensar é a causa da primeira situação, enquanto que na segunda, o Shen é perturbado pelo Calor e desancora. (FLAWS, 1993, p. 65)

2.4 Diagnóstico da dor de cabeça

De acordo com Maciocia (1996, p. 7), as cefaleias podem ser diagnosticadas através de três critérios: “de acordo com os meridianos, de acordo com o tipo de dor e de acordo com a melhora e piora”.

2.5 Diagnóstico de acordo com os meridianos

  1. Topo da Cabeça: O canal do Fígado atinge o topo da cabeça internamente e causa dores nessa área. As dores no topo da cabeça são causadas mais frequentemente por: “Deficiência de Sangue do Fígado (dor tipo surda que melhora quando paciente se deita) e ascensão do Yang do Fígado (dor tipo aguda)”. Outras causas de dores no topo da cabeça não relacionadas com o Meridiano do Fígado são as “Deficiências de Qi e Sangue, os quais são incapazes de atingir o topo da cabeça e Deficiência de Sangue no Coração”. (MACIOCIA, 1996, p. 7)
  2. Laterais da Cabeça: Corresponde ao canal da Vesícula Biliar. A dor nessa região “é atribuída com mais frequência à ascensão do Yang, do Fogo ou do Vento do Fígado”. É uma dor aguda do tipo latejante. (MACIOCIA, 1996, p. 8)
  3. Apenas um Lado: Essa também é uma área que corresponde ao canal da Vesícula Biliar. A dor nessa região também é atribuída à ascensão do Yang ou do Fogo do Fígado. Alguns praticantes de medicina chinesa dizem que uma dor no lado esquerdo da cabeça é mais comumente resultante de Deficiência, enquanto que no lado direito seria por Excesso. Entretanto, Maciocia (1996, p. 8) nos alerta de que isso “não é uma regra segura”.
  4. Têmporas: Essa área também corresponde ao canal da Vesícula Biliar; a dor de cabeça afeta com frequência apenas um lado. Possui como causa a ascensão do Fogo, do Yang ou do Vento do Fígado, sendo caracteristicamente do tipo latejante.
  5. Atrás dos Olhos: É uma localização muito frequente para a enxaqueca. “Se a dor for surda é atribuída à Deficiência do Sangue do Fígado”, enquanto que “uma dor aguda e muito forte é atribuída à ascensão do Yang do Fígado”. (MACIOCIA, 1996, p. 8)
  6. Região Frontal: Quando a dor é nessa região, “geralmente está relacionado com o Meridiano do Estômago”. Uma dor do tipo surda pode indicar “Deficiência do Estômago; dor aguda pode indicar Calor no Estomago”. (MACIOCIA, 1996, p. 8)

Outra causa frequente de dor é por retenção de Umidade ou Mucosidade (Fleuma) impedem a ascensão do Yang puro para desobstruir os orifícios dos sentidos. Neste caso, “a dor é associada à sensação de peso na cabeça, atordoamento (entorpecimento) e falta de concentração”. Se a dor for “Mucosidade a pessoa poderá sentir tontura e visão turva”. Às vezes “a dor pode ser atribuída ao Vento Externo que não foi expelido depois de invasão de Vento-Frio ou Vento-Calor”. (MACIOCIA, 1996, p. 8)

  1. Região Posterior da Cabeça (Occipital): Cefaleias crônicas nessa região são, geralmente, por Deficiência do Rim que se manifesta no canal da Bexiga. As “dores agudas são atribuídas à invasão de Vento externo, geralmente Vento-Frio, normalmente acompanhada de grande rigidez nas costas e no pescoço”. Em alguns casos, “dores na região occipital podem estar associados ao padrão da Bexiga, tal como Umidade-Calor na Bexiga”. Neste caso a dor será aguda. (MACIOCIA. 1996, p. 9)
  2. Cabeça Inteira: Dores crônicas são atribuídas à Deficiência do Yin do Rim que provoca dores surdas em toda a cabeça, acompanhadas por sensação de vazio. Dores agudas são “atribuídas à invasão de Vento externo Vento-Frio ou Vento-Calor”. São dores graves e agudas, algumas vezes acompanhadas de uma sensação de puxão. (MACIOCIA, 1996, p. 9)

Maciocia (1996, p. 9) conclui que geralmente “há uma relação entre a localização da dor de cabeça e o Meridiano envolvido”. Assim, uma ascensão do Fogo do Fígado provocará dores localizadas no Meridiano da Vesícula Biliar, enquanto que a dor por Deficiência de Rim atingirá o local por onde passa o Meridiano da Bexiga. Entretanto, o autor nos adverte que isso não é uma regra. Ou seja, quando mais de um padrão for envolvido, poderá acontecer, por exemplo, que uma pessoa que sofra de uma Deficiência crônica do Rim poderá ter um tipo de dor aguda e latejante, característica de padrão de Fígado, que se manifesta no Meridiano da Bexiga (região occipital). Esta dor, portanto, é causada pela ascensão do Yang do Fígado.

 

2.6 Diagnóstico da dor de cabeça de acordo com o tipo de dor

Quando a condição é de Plenitude (Excesso), temos como causas a ascensão do Yang do Fígado, hiperatividade do Fogo do Fígado, Vento do Fígado, Mucosidade, estase de Sangue e Calor no Estômago.

Dor surda: De acordo com Maciocia (1996, p. 10) e com a perspectiva dos Oito Princípios, “a dor do tipo surda indica uma condição de Vazio, ocasionada por Deficiência de Qi e/ou de Sangue, Deficiência de Sangue no Fígado e Deficiência no Rim”.

Sensação de Peso: É característica de “Umidade ou Mucosidade que causam obstrução e impedem o Yang puro de subir e o Yin Qi turvo de descer”. A sensação é de cabeça pesada, atordoada, como se estivesse envolvida em um pano. Ocorrem também “dificuldade de se concentrar e pensar, especialmente de manhã”. Como a Mucosidade é mais densa, “acontecem também a tontura e a visão borrada devido à obstrução dos orifícios e órgãos dos sentidos”. Estes dois últimos sintomas são importantes, pois diferenciam Umidade ou Mucosidade afetando a cabeça. (MACIOCIA, 1996, p 10)

Dor em Distensão: É uma expressão que significa dor do tipo latejante, explosiva e pulsátil. Esta é uma sensação típica de “dor de cabeça relacionada ao Fígado proveniente do Yang ou do Fogo do Fígado”. Também pode ser resultante de “Vento-Calor exterior, que no caso poderá afetar toda a cabeça, enquanto que pela ascensão do Yang ou Fogo do Fígado irão afetar, provavelmente, um ou ambos os lados da cabeça”. (MACIOCIA, 1996, p 10)

Dor acompanhada de rigidez: Dor com rigidez pronunciada na região occipital geralmente indica invasão de Vento-Frio exterior. A “dor de cabeça crônica com rigidez na área dos ombros e do pescoço geralmente indica ascensão do Yang do Fígado”, lembrando que a dor súbita sugere “invasão externa, enquanto que uma dor insidiosa sugere causa interna”. (MACIOCIA, 1996, p 10)

Dor com sensação de Puxão, aperto ou tensão: Uma dor “com sensação de puxão indica Vento interno do Fígado”. (MACIOCIA, 1996, p. 11)

Dor com sensação de facada ou perfurante: Indica Estagnação de Sangue quando a sensação é intensa e fixa em um lugar. Ocorre somente em dores de cabeça crônicas. É referida como uma “dor de cabeça alucinante”.

Sensação de Vazio: A sensação de vazio no cérebro indica “Deficiência de Rim (Yin ou Yang)”. (MACIOCIA, 1996, p. 11)

2.7 Diagnóstico da dor de cabeça de acordo com melhora e piora

De acordo com Maciocia (1996, p. 11) “a etiologia da dor de cabeça pode ser conhecida de acordo com os fatores de melhora e piora da dor”.

Hora do Dia: Dores de cabeça crônicas que pioram durante o dia indicam “Deficiência Qi/Yang ou Umidade”. Dores de cabeça que pioram ao final da tarde ou à noite indicam “Deficiência de Sangue ou Yin (que podem gerar ascensão do Yang)”. (MACIOCIA, 1996, p. 11)

Atividade/Descanso: As dores que pioram com atividade são atribuídas à Deficiência de Qi ou de Sangue, ao passo que as dores que melhoram com exercícios leves podem ser decorrentes de ascensão do Yang do Fígado ou Mucosidade. Em contrapartida, as dores que melhoram com descanso ou ao deitar são atribuídas à “Deficiência de Qi ou de Sangue e dores que pioram ao deitar-se são atribuídas à Umidade ou Mucosidade”. (MACIOCIA, 1996, p 11)

Clima: As dores que pioram com o calor são atribuídas à ascensão do Yang ou Fogo do Fígado; dor que piora com o frio, Deficiência de Yang; se pioram com tempo úmido, Umidade ou Mucosidade. A dor que melhora temporariamente com aplicação de frio “pode ser resultante do Yang ou do Fogo do Fígado”. (MACIOCIA, 1996, p. 11)

Emoções: As dores que pioram com a Raiva, “ascensão do Yang ou ao Fogo do Fígado; se pioram quando a pessoa relaxa subitamente (dor típica do final de semana) ou com excitação repentina são devidas à ascensão do Yang do Fígado”. (MACIOCIA 1006, p. 11)

Atividade Sexual: Se as dores crônicas se agravam “após atividade sexual com ejaculação e orgasmo, indicam Deficiência do Rim”. Os raros casos de melhora da dor após atividade sexual indicam “Fogo do Fígado”. (MACIOCIA, 1996, p. 11)

Alimento: As dores que pioram após refeição indicam Umidade, Mucosidade, retenção de alimento ou Calor no Estômago, enquanto que as dores que melhoram com a ingestão de alimento indica “Deficiência de Qi ou de Sangue”. Se as dores se agravam pela ingestão de alimentos ácidos indica “ascensão do Yang do Fígado”. (MACIOCIA, 1996, p. 11)

Postura: Se a dor melhorar ao deitar, é decorrente de “Deficiência, se piorar ao deitar e melhorar ao sentar indica Excesso”. As dores graves provenientes da ascensão do Yang do Fígado geralmente melhoram “ao sentar e o paciente tem aversão ao deitar”. (MACIOCIA, 1996, p. 12)

Menstruação: Dor antes do período menstrual significa “ascensão do Yang do Fígado ou estagnação de Qi do Fígado; se piora durante o período, Fogo do Fígado ou Estagnação de Sangue”; se piora no final do período indica “Deficiência de Sangue”. (MACIOCIA, 1996, p. 12)

Compressão: Piora com a pressão no local da dor, indica “condição de Excesso. Se a dor melhora com a pressão, indica condição Deficiência”. (MACIOCIA, 1996, p. 12)

2.8 Identificando os padrões de excesso e deficiência

Para Maciocia (1996, p. 12), Para tratar um paciente com cefaleia a primeira coisa a ser feita é diferenciar, segundo os Oito Princípios, as dores Externas das dores Internas. Dizemos, então, que as dores Externas são do padrão de Excesso, enquanto que as dores de origem Interna podem ser por Excesso ou Deficiência.

Deste modo, os seguintes padrões são encontrados nas cefaleias: Exterior (Vento-Frio, Vento-Calor e Vento-Umidade), Interior tipo Excesso: Yang do Fígado; Fogo do Fígado; Vento do Fígado; Estagnação do Qi do Fígado; Estagnação do Frio no Meridiano do Fígado; Umidade; Mucosidade Turva; Vento-Mucosidade Turva; retenção de alimento; Estase de Sangue e Calor no Estômago. Os do tipo Deficiência incluem: “Deficiência de Qi, Deficiência de Sangue e Deficiência do Rim”. (MACIOCIA 1996, p. 12)

2.9 Princípios gerais de tratamento

Para Maciocia (1996, p. 12) existem três caminhos possíveis para o tratamento das cefaleias. O primeiro é “tratar, simultaneamente, a origem e manifestação que é o procedimento mais comum”. No caso de cefaleia devido à “ascensão do Yang do Fígado causada pela Deficiência de Yin do Rim, o mais óbvio seria tonificar o Rim e moderar o Yang do Fígado”. Entretanto, adverte o autor, ainda que a origem e manifestação sejam tratadas ao mesmo tempo, se as dores forem muito severas, é mais sensato dar atenção à manifestação (Fígado) do que à origem (Rim). Em contrapartida, se as dores forem amenas, “o melhor seria então dar atenção maior à origem, ou seja, na tonificação do Qi”.

O segundo caminho proposto por Maciocia (1996, p. 13) seria “tratar primeiro a manifestação e depois a origem”. Este caminho é necessário “se as dores forem muito severas e frequentes, comprometendo gravemente a qualidade de vida do paciente”. Então, utilizando o exemplo anteriormente citado, se as dores provenientes do Yang do Fígado forem muito intensas a atenção deve concentrar-se apenas no tratamento da manifestação (Fígado) até que a severidade das dores seja reduzida e só então iniciar o tratamento da origem (Rim).

Por último, o autor fala de tratar apenas a origem quando as cefaleias forem brandas e não frequentes como aquelas que ocorrem na Deficiência de Qi ou de Sangue. Nesses casos, deve-se tonificar Qi ou Sangue com o objetivo de cessar as dores gradualmente.

Sobre a seleção dos pontos, Maciocia (1996, p. 13) diz que “é essencial combinar pontos locais e distais. Assevera que quanto mais crônica ou intensa a dor, maior a importância de se utilizar pontos locais”. Assim, em uma cefaleia cuja dor é frequentemente em uma região, indica Estase de Sangue e o uso de pontos locais é necessário para a dispersão da energia. Os pontos locais, por sua vez, são escolhidos de acordo com o padrão que caracteriza a cefaleia e o Meridiano envolvido.

Em relação aos pontos locais, a escolha do ponto também está relacionada ao Meridiano envolvido. Assim, para dores de cabeça no Meridiano da Vesícula Biliar pode ser utilizado o ponto VB-6 (Xuanli), na cefaleia frontal o VG-23 (Shangshing), na cefaleia no vértice VG-20 (Baihui) e VG-21 (Qianding), Na cefaleia occipital B-10 (Tianzhu) e VG-19 (Hounding) e, na cefaleia temporal VB-8 (Shuaigu).

Outra forma de escolher pontos locais é de acordo com o padrão. Ainda utilizando o exemplo anterior, se a cefaleia no Meridiano da Vesícula Biliar for causada por ascensão do Yang do Fígado, o VG–20 (Baihui) pode ser utilizado como passagem interna caso o Meridiano do Fígado atinja esse ponto.

2.10 Tratamento das dores de cabeça de origem externa

Quando ocorre a invasão de Vento, este afeta a cabeça e produz uma dor do tipo Excesso que se combina com outros fatores patogênicos dando origem ao Vento-Frio, Vento-Calor ou Vento-Umidade.

  1. Vento-Frio: O Vento-Frio invade primeiramente o Yang Maior o que acarreta cefaleia e rigidez na região occipital. A dor é do tipo súbita, podendo ser severa, porém restrita enquanto o Vento-Frio estiver no interior. Caso não seja expelido “aloja-se nos músculos provocando cefaleia crônica”. Podem ocorrer outros sintomas, tais como: “aversão ao frio, calafrios, possivelmente febre, rigidez e dor nos ombros, ausência de sede, certa dificuldade respiratória, tosse, espirro, coriza nasal clara ou obstrução nasal, urina clara e pulso Atado e Flutuante”. A cefaleia ocasionada por Vento-Frio pode então “manifestar-se como um único sintoma ou como parte de um quadro de resfriado ou gripe”. (MACIOCIA, 1996, p. 14; ROSS, 2003, p. 358)

Para Ross (2003, p. 358), normalmente “o Vento-Frio é um fator agravante de um padrão crônico já existente de dor de cabeça e dor no pescoço decorrentes da Estagnação do Qi e do Sangue”. Esse quadro comumente está associado com artrite crônica ou com sequelas de traumatismos no pescoço.

São as seguintes sugestões para o tratamento da cefaleia por Vento-Frio, segundo Maciocia (1996, p. 15):

Princípio de tratamento: Aliviar o Exterior, expelir o Vento, dispersar o Frio e remover a obstrução dos Meridianos.

Pontos:

 P–7 (Lieque) – utilizado em modo de sedação alivia o exterior e expele Vento-Frio.

VB–20 (Fengchi) – utilizado em modo de sedação expele Vento da cabeça.

VG–16 (Fengfu) – utilizado em modo de sedação expele Vento da cabeça e trata a área do Yang Maior.

B-10 (Tianzhu) – utilizado como ponto local pertencente à área do Meridiano. Yang Maior, mais afetada na invasão Vento-Frio.

Outros pontos: VG–20 (Baihui); ID–3 (Houxi); ID-3 e B-62 (Shenmai).

B-67 (Zhiyin) e B-66 (Tonggu).

Ross (2003, p. 359) acrescenta o seguinte:

IG-4 (Hegu); VG-14 (Dazhui); VG 15 (Yamen); B-11(Dazhu).

Para os casos em que há a agravação aguda da dor de cabeça occipital com dor e rigidez do pescoço e talvez dos ombros, artrite ou sequelas de traumatismo no pescoço, este autor ainda sugere:

ID-3 (Houxi); B-62 (Shenmai); VG-15 (Yamen); B-10 (Tianzhu); B-11 (Dazhu).

B-23 (Shenshu); R-6 (Zhaohai); VG-3 (Yaoyangguan); VG-12 (Shenzhu) para rigidez generalizada da coluna.

  1. Vento-Calor: O Vento-Calor provoca cefaleia do tipo distensão por obstrução dos orifícios da cabeça. A sensação é de que a cabeça está rachando. É uma dor muito severa. Tal como a cefaleia por Vento-Frio, esta é súbita e permanece enquanto o fator patogênico estiver no exterior.

Os sinais e sintomas e podem acompanhar a dor de cabeça são os seguintes: “aversão ao frio, calafrio, febre, sede moderada, coriza amarelada, dor de garganta, possivelmente amídalas inflamadas, olhos vermelhos, urina levemente escura”. (MACIOCIA, 1996, p. 16)

Princípio de tratamento: Aliviar o Exterior, clarear o Calor, expelir o Vento e remover a obstrução dos Meridianos.

Pontos:

IG-4 – utilizado em modo de sedação alivia o Exterior, expele o Vento-Calor e é um ponto especial para produzir efeito na cabeça e na face.

VB-20 (Fengchi) e VG-16 (Fengfu) – utilizados em modo de sedação expelem o Vento da cabeça.

VG-14 (Dazhul) – utilizado em modo de sedação expele o Vento, clareia o Calor e alivia a dor.

TA-5 (Waiguan) – utilizado em modo de sedação expele o Vento-Calor e alivia a dor.

Outros pontos: VG-20 (Baihui); IG-11 (Quchi); TA-16 (Tianyou).

  1. Vento-Umidade: De acordo com Maciocia (1996, p.18), esta é uma combinação de Vento-Frio com Umidade que obstrui os orifícios da cabeça e provoca dores com sensação de peso, além de um atordoamento como se a cabeça estivesse coberta por um pano que e é agravada com um clima úmido.

Assim, a Umidade impede o Yang puro de subir até a cabeça e o Yin turvo de descer causando, desta feita, uma sensação típica de atordoamento, cabeça pesada, pouca concentração e olhos pesados.

Outros sinais e sintomas incluem: aversão ao frio, calafrios, possivelmente febre, sensação de opressão no tórax e região epigástrica, sensação de corpo pesado e coriza clara.

Pontos:

P-7 – utilizado em modo de sedação alivia o exterior e estimula os Pulmões na dispersão e descida dos fluidos. Simultaneamente expelem o Vento e a Umidade Exterior.

IG-6 (Pianli) – utilizado em modo de sedação alivia o Exterior, estimula os Pulmões na descida dos flui8dos do Aquecedor Superior. Alivia a cefaleia na região do queixo para o ouvido, considerando que é um ponto de conexão do Intestino Grosso nessa região.

BP-6 (Sanyinjiao) – utilizado em modo de sedação elimina a Umidade.

E-8 (Touwei) – utilizado em modo de sedação é um ponto específico para eliminar a Umidade que afeta a cabeça quando as dores são surdas e com sensação de cabeça coberta.

VG-23 (Shangshing) – utilizado em modo de sedação alivia as dores na frente da cabeça e dos olhos.

2.11 Tratamento das dores de cabeça de origem interna

Sobre as cefaleias de origem interna, Maciocia (1996, p. 19), diz que “elas podem ser atribuídas a uma variedade de causas”. O mais importante, destaca, é diferenciar se as dores de cabeça são por Excesso ou por Deficiência. Após ser feita a diferenciação “deve-se identificar que órgão e que Meridiano podem estar envolvidos”.

Para este autor, os quatro órgãos que são mais diretamente envolvidos nas dores de cabeça são: Baço/Pâncreas, Estômago, Fígado e Rins.

2.12 Dores de cabeça por excesso

As dores de cabeça por excesso se caracterizam pela obstrução na circulação do Qi e estase de Sangue local na cabeça. Este Excesso pode ser por ascensão do Yang do Fígado, Fogo do Fígado, Mucosidade, Umidade e estase de Sangue. Quando comparada à dor por Deficiência, Maciocia (1996, p. 19) considera que “esta é mais severa do que as dores por Deficiência”.

  1. Ascensão do Yang do Fígado: Para este autor é a causa mais comum das cefaleias internas. O Qi do Fígado e o Yang do Fígado têm a tendência de fluir livremente para a cabeça. Porém, em circunstâncias patológicas este movimento pode ser excessivo e provocar cefaleias. O Fígado e o Coração são os únicos Meridianos a fluir internamente para a cabeça, enquanto que os demais Meridianos Yin alcançam a cabeça através de seus respectivos Meridianos divergentes.

Para Maciocia (1996, p. 20), “a emoção é a causa mais frequente, em especial a Raiva prolongada ou reprimida e a frustração que podem causar elevação excessiva do Yang”. Para o autor, a ascensão do Yang do Fígado pode ser causada por uma das quatro seguintes alterações: “Deficiência do Sangue do Fígado; Deficiência do Yin do Fígado; Deficiência do Yin do Fígado e do Rim e Deficiência do Yin do Fígado/Rim e Deficiência do Yang do Rim”.

Segundo este autor, a Deficiência de Sangue do Fígado é uma causa comum de ascensão do Yang do Fígado. É o Sangue do Fígado que prende e ancora o Yang do Fígado e se o Sangue do Fígado for Deficiente o Yang do Fígado pode escapar para cima afetando a cabeça. Assim, a Deficiência de Yin do Fígado é praticamente igual à Deficiência do Sangue do Fígado. Os olhos secos é um dos principais sinais dessa distinção, uma vez que olhos secos estão relacionados à Deficiência do Sangue do Fígado.

De acordo com Maciocia (1996, p. 20), “o Fígado e o Rim são mutuamente afetados uma vez que a Deficiência de Sangue do Fígado pode levar à má nutrição da Essência do Rim que, por sua vez, torna-se deficiente”. Essa Deficiência diminui a produção de Sangue e, consequentemente, diminui também a produção de Sangue do Rim. Como o Sangue e a Essência pertencem ao Yin, quando o Yin do Fígado e o Yin do Rim estão deficientes o Yang do Fígado se eleva excessivamente.

Maciocia (1996, p. 20) acrescenta que “em alguns casos a causa da ascensão do Yang do Fígado pode ser devida à Deficiência de Yang do Rim”. Embora essa ideia possa parecer antagônica o autor explica que como o Rim é a fonte de todas as energias Yin e Yang do corpo eles interagem de tal forma que não podem ser separados. Portanto, não é incomum que as Deficiências de Yin e Yang do Rim apareçam simultaneamente em proporções distintas, ou seja, com a predominância de um ou de outro.

A diferença entre uma ou outra Deficiência pode ser vista observando “o corpo da língua” que, quando se apresenta Pálida indica uma “predominância de Deficiência de Yang”, enquanto que “um corpo de língua Vermelho indica predominância de Deficiência de Yin”. (MACIOCIA, 1996, p. 21)

Quando o Yang do Rim permanece deficiente por um longo tempo poderá causar uma Deficiência secundária do Yin do Rim que provocará a ascensão do Yang do Fígado.

A cefaleia causada pela ascensão do Yang do Fígado é descrita por Maciocia (1996, p. 21) “como intensa, severa, do tipo latejante ou distensão”. A dor, geralmente afeta ou os dois lados da cabeça, ao longo do “Meridiano da Vesícula Biliar, a têmpora ou a sobrancelha e geralmente é sentida atrás de um ou dos dois olhos e ainda em uma pequena área ao redor do ponto VB-14 (Yangbai)”. Este tipo de cefaleia quase sempre é acompanhado de “náuseas e vômitos atribuídos à invasão do Qi do Fígado no Estômago. Se ocorrer a diarreia é porque o Qi do Fígado invadiu o Baço/Pâncreas prejudicando a sua função de transformação e transporte”.

A ascensão do Yang do Fígado pode causar, além da cefaleia, distúrbios visuais tais como ver luzes piscando, auras e visão borrada. Outras manifestações de ascensão do Yang do Fígado são: tontura, zumbido, surdez, garganta seca, insônia, irritabilidade, corpo da língua vermelho e pulso em Corda.

Uma curiosidade trazida por Maciocia (1996, p.21) a respeito da cefaleia proveniente da ascensão do Yang do Fígado é que ela muitas vezes é a causa das “cefaleias de fim de semana”. Ou seja, ocorre naquelas pessoas que durante a semana trabalham intensamente, sob grande tensão até que quando chega o fim de semana a pessoa subitamente relaxa e a inatividade faz com que o Yang do Fígado ascenda e cause a cefaleia.

Princípio de tratamento: Pacificar o Fígado, conter o Yang rebelde, nutrir o Sangue do Fígado ou o Yin do Fígado e/ou o in do Rim de acordo com a etiologia.

Pontos:

F-3 (Taichong) – utilizado em modo de sedação é o principal ponto distal para pacificar o Fígado e conter a ascensão do Yang. Em casos agudos deverá ser rigorosamente sedado. Quanto mais crônica a condição menos necessário será sedar este ponto. Este ponto produz efeito na cefaleia independente da localização da dor.

F-8 (Ququan) – utilizado em modo de tonificação para nutrir o Sangue do Fígado e/ou o Yin do Fígado.

BP-6 (Sanyinjiao) – utilizado em modo de tonificação nutre o Sangue do Fígado. É ponto de encontro dos Meridianos do Fígado, Baço/Pâncreas e Rim, o que também contribui para pacificar o Fígado. Este ponto também acalma a mente e ajuda a produzir o sono, o que é particularmente importante no tratamento das cefaleias crônicas.

TA-5 (Waiguan) – utilizado em modo de sedação contem o Yang do Fígado rebelde dentro da área do Meridiano do Yang Menor. Este ponto é escolhido para produzir efeito na área do Yang Menor que inclui a área do Meridiano da Vesícula Biliar, região na qual muitas vezes se manifesta a dor, ou seja, quando esta ocorre na região temporal.

VB-20 (Fengchi) – utilizado em modo de sedação, modera o Yang do Fígado e o Vento do Fígado. É específico para cefaleias dessas duas causas. É útil nas cefaleias crônicas; relaxa os músculos da parte superior do pescoço e clareia a vista.

Tayang – utilizado em método neutro, é específico para conter o Yang do Fígado somente nas cefaleias temporais.

Outros pontos: Pontos distais – CS-6 (Neiguan); P-7 (Lieque); VB-43 (Xiaxi).

Pontos locais – VB-4 (Hanyan); VB-5 (Shuanlu); VB-6 (Shuanli); VB-8 (Shuaigu); VB-9 (Tianshong); VB-13 (Benshen); VB-14 (Yangbai); VB-21 (Jianjing); B-2 (Zanzhu); Yuyao; VB-1 (Tongziliao).

  1. Fogo do Fígado: De acordo com Maciocia (1996, p. 28), o Fogo do Fígado difere do Yang do Fígado “porque no primeiro há, de fato, um fator patogênico, enquanto que no segundo ocorre somente um desequilíbrio entre o Yin e o Yang”. Entretanto, vários sinais e sintomas são semelhantes, tais como: tontura, zumbido, surdez, irritabilidade, dor de cabeça, garganta seca, insônia e pulso em Corda. Além desses sintomas, os sintomas do Fogo do Fígado incluem: sede, sabor amargo, urina escassa e escura, obstipação com fezes secas, olhos vermelhos e língua Vermelha com revestimento amarelo. É uma cefaleia latejante, distendida, pulsátil, porém muito mais intensa, mais fixa em um lugar e mais frequentemente acompanhada de náuseas e vômitos.

O autor reforça que o Fogo do Fígado “é um padrão exclusivamente de Excesso enquanto que a ascensão do Yang do Fígado é uma combinação de Excesso e Deficiência”.

Princípio de tratamento: pacificar o Fígado e clarear o Fogo.

Pontos:

F-2 (Xingjian) – utilizado em modo de sedação é o principal ponto distal para clarear o Fogo do Fígado.

BP-6 (Sanyinjiao) – utilizado em modo de tonificação nutre o Yin, para impedir o prejuízo ao Yin causado pelo Fogo do Fígado.

TA-5 (Waiguan) – ver a mesma explicação utilizada na ascensão do Yang do Fígado.

VB-38 (Yangfu) – utilizado em modo de tonificação clareia o Fogo do Fígado e da Vesícula Biliar e trata as dores unilaterais e ao redor do olho. Muito útil nas cefaleias crônicas.

VB-20 (Fengchi) – utilizado em modo neutro expele o Fogo da cabeça e contém o Fogo do Fígado.

Taiyang – ver a mesma explicação utilizada na ascensão do Yang do Fígado.

Outros pontos: VB-43 (Xiaxi); VB-44 (Qiaouyin); IG-11 (Quchi).

Ross (2003, p. 360) acrescenta os seguintes pontos:

VG-20 (Baihui); PC-8 (Laogong); R-1(Yongquan); PC-9 (Zhongchong);

F-1(Dadun).

  1. Vento do Fígado: Segundo Maciocia (1996, p. 31), a cefaleia proveniente do Vento do Fígado depende da origem do Vento que pode ser do Fogo do Fígado ou de Deficiência do Sangue do Fígado.

A dor é do tipo puxão, afeta a cabeça toda e é acompanhada de vertigem severa. Outros sintomas possíveis incluem: um leve calafrio na cabeça, formigamento ou tremor de um membro.

Princípio de tratamento: Pacificar o Fígado e Extinguir o Vento.

Pontos:

F-3 (Taichong) – utilizado em modo de sedação, contém o Vento do Fígado.

BP-6 (Saniyinjao) – utilizado em modo de tonificação nutre o Yin e o Sangue, o que é sempre necessário para conter o Vento interno.

VB-20 (Fengchi) – utilizado em modo de sedação contém o Vento tanto interno quanto externo.

VG-16 (Fengfu) e VG-20 (Bahui) – utilizados em modo de sedação contém o Vento interno e aliviam a dor de cabeça.

Outros pontos:

ID-3 (Houxi) e B-62 (Shenmai) – abrem o Vaso-Governador e contém o Vento interno. Nos homens pode ser utilizado sozinho, enquanto que nas mulheres é interessante utilizar o P-7 (Lieque) e R-6 (Zhaohai) para abrir o Vaso-Concepção. (MACIOCIA, 1996, p. 31)

  1. Estagnação do Qi do Fígado: Segundo Maciocia (1996, p. 32) este tipo de dor pode afetar a parte frontal ou as têmporas. Está frequentemente associado à desarmonia do Estômago, especialmente a retenção de alimentos. A dor movimenta-se de um lado para outro.

Esta cefaleia é tipicamente causada por estresse e ansiedade. Outras manifestações incluem: dor ou distensão na região do hipocôndrio, tensão nervosa, má digestão, eructação, flatulência, distensão abdominal, fezes em cíbalos (fezes duras e fragmentadas) e pulso em Corda.

Princípio de tratamento: Pacificar o Fígado, eliminar a estagnação, acalmar a Mente e assentar a Alma Etérea.

Pontos:

F-3 (Taichong) – utilizado em modo de sedação, pacifica o Fígado e elimina a estagnação. É o melhor ponto para produzir efeito na cabeça.

IG-4 (Hegu) – utilizado em modo de sedação e combinado com F-3 elimina a estagnação do Qi do Fígado na cabeça.

VB-34 (Yanglingquan) – utilizado em modo de sedação, alivia estagnação do Qi do Fígado e em combinação com VG-24 (Shenting) elimina a estagnação do Qi do Fígado na cabeça.

E-36 (Zuzanli) – utilizado em modo de tonificação porque a dor é causada pela estagnação do Qi do Fígado no Meridiano do Estômago na cabeça.

VG-24 (Shenting) e Taiyang – combinados com VB-34 aliviam a estagnação do Qi do Fígado na cabeça. O VG-24 (Shenting)  também acalma a mente.

Outros pontos:

F-14 (Qimen); Yintang.

Ross (2003, p. 359) acrescenta os seguintes pontos:

PC-6 (Neiguan); VB-14 (Yangbai); VB-20 (Fengchi); F-14 (Qimen).

  1. Estagnação de Frio no Meridiano do Fígado: Segundo Maciocia (1996, p. 33), este é um tipo muito raro de cefaleia. É conhecida por “cefaleia Yin terminal”. É causada por “Frio no Meridiano do Fígado que se rebela para cima e atinge a cabeça”. A dor é intensa sentida na cabeça acompanhada de uma sensação de frio, vômito, membros frios e pulso em Corda.

Princípio de tratamento: Pacificar e aquecer o Fígado, expelir o Frio e conter o Qi rebelde.

Pontos:

F-3 (Taishong) – utilizado em modo de sedação e com moxa  pacifica o Fígado, contém o Qi rebelde do Fígado e é um ponto distal importante para cefaleias causadas por desarmonias do Fígado.

VG-20 (Baihui) – utilizado em modo neutro, dispersa a estagnação do Qi do Fígado no vértice.

  1. Umidade: De acordo com Maciocia (1996, p. 35), a “Umidade interna é uma causa frequente de cefaleia, especialmente nas regiões úmidas”. A Umidade, embora tenha a tendência de assentar no Aquecedor Inferior, “pode subir para a cabeça”. Isto acontece em casos severos quando o Aquecedor Médio é obstruído pele “Umidade impedindo o Qi do Estômago de descer”. Quando a Umidade no Aquecedor Médio é prolongada, “a obstrução acaba atingindo a cabeça impedindo o Yang puro de subir e fazer brilhar os orifícios dos sentidos e também impede o Yin turvo de descer resultando em orifícios dos sentidos obscurecidos”.

Este tipo de cefaleia caracteriza-se por uma “sensação de cabeça envolvida por pano, sensação de peso na cabeça e dificuldade para pensar”. A dor pode afetar o “Meridiano da Vesícula Biliar o que acarreta uma dor nas têmporas ou nos lados da cabeça”. Outros sintomas incluem: catarro persistente, às vezes sinusite, náusea, falta de apetite, sensação de plenitude o tórax e na região epigástrica. Língua com revestimento grosso e pegajoso e pulso Escorregadio. (MACIOCIA, 1996, p. 35)

Princípio de tratamento: Eliminar a Umidade, estimular a ascensão do Yang puro, tonificar o Estômago e o Baço/Pâncreas.

Pontos:

BP-3 (Taibai) – utilizado em modo de sedação é um ponto usual para eliminar a Umidade em qualquer parte do corpo. Afeta especificamente a cabeça por estar localizado na extremidade oposta.

IG-4 (Hegu) – utilizado em modo de sedação pode eliminar fatores patogênicos da face e da frente da cabeça.

P-7 (Lieque) – utilizado em modo de tonificação é específico para cefaleias e é utilizado para estimular a ascensão do Yang puro para a cabeça.

VC-12 (Zhongwan) e B-20 (Pishu) utilizados em modo de tonificação são usados para tonificar o Baço/Pâncreas com o objetivo de eliminar a Umidade.

E-8 (Touwei) – utilizado em modo neutro é o principal ponto local para eliminar Umidade da cabeça e com especificidade para este tipo de cefaleia.

Outros pontos: VG-20 (Bauhui); VG-24 (Shenting); VG-23 (Shangxing); Yintang; BP-6 (Sanyinjiao); BP-9 (Yinlingquan);B-21 (Wieshu).

Ross (2003, p. 360), acrescenta os seguintes pontos:

IG-10 (Shousanli); E-8 (Touwei); E-40 (Fenglong); E-45 (Lidui).

  1. Mucosidade Turva: De acordo com Maciocia (1996, p.38), a Mucosidade é “consequência da Deficiência do Qi do Baço/Pâncreas e corresponde na natureza à Umidade”. No entanto, a Mucosidade é mais densa, mais obstrutiva e obstrui os orifícios dos sentidos. A dor é do tipo “surda com uma sensação de peso e atordoamento. Ocorrem também visão embaçada e tontura que não são típicos da Umidade”.

Além da dor também estão presentes catarro no peito, sensação de plenitude torácica, a língua possui um revestimento pegajoso e o pulso se mostra Escorregadio.

Princípio de tratamento: Eliminar a Mucosidade e harmonizar o Aquecedor Médio.

Pontos:

E-40 (Fenglong) – utilizado em modo de sedação é considerado o ponto principal para eliminar Mucosidade.

IG-4 (Hegu) – utilizado em modo de sedação é um ponto distal importante para eliminar fatores patogênicos da face e da cabeça.

P-7 (Lieque) – utilizado em modo de tonificação é usado para ascensão do Yang puro para a cabeça.

E-8 (Touwei) – utilizado em modo neutro é útil para dores de cabeça provocadas por Mucosidade ou Umidade.

VG-20 (Baihui) – utilizado em posição neutra para estimular a ascensão do yang puro para a cabeça.

Outros pontos: E-36 (Zusanli); BP-6 (Sanyinjao); BP-3 (taibai); IG-11 (Quchi); Vg23- (Shangshing); Yintang.

Ross (2003, p. 360) acrescenta que a localização da dor é frontal e sugere os seguintes pontos: IG-4; IG-20; B-2; E-2; E-40; E-45;VC12 e BP-3.

  1. Vento – Mucosidade Turva: De acordo com Maciocia (1996, p. 40), este padrão é uma combinação de Vento com o padrão anterior. É visto somente em idosos e indica o chamado golpe de vento.

Princípio de tratamento: eliminar a Mucosidade, conter o Vento e pacificar o Fígado.

Pontos: E-40 (Fenglong); Ig-4 (Hegu); E-8 (Touwei) e VG-20 (Fengchi) – utilizados da mesma forma e com as mesmas justificativas da Mucosidade Turva.

F-3 (Taichong) – utilizado em modo de sedação e em combinação com IG-4 (Hegu) contém o Vento da face e da cabeça.

Outros pontos: VB-39 (Xuanzhong); VG-36 (Fengfu).

  1. Retenção de alimento: Segundo Maciocia (1996, p. 41), este é um tipo de cefaleia “causada após a ingestão de alimentos inadequados”. É uma “dor intensa sentida na região frontal”. Outras manifestações podem incluir: “sensação de plenitude epigástrica, regurgitação ácida, eructação e respiração dificultada. A língua apresenta revestimento espesso e pegajoso e o pulso Escorregadio”.

Princípio de tratamento: resolver a retenção de alimento, estimular a descida do Qi do Estômago, promover a digestão e harmonizar o Aquecedor Médio.

Pontos:

VC-10 (Xiawan) – utilizado em modo neutro estimula a descida do Qi do Estômago.

E-21 (Liangmen) – utilizado em modo neutro cessa a dor epigástrica.

CS-6 (Neiguan) – utilizado em modo de sedação estimula a descida do Qi do Estômago.

E-34 (Liangqiu) – utilizado em modo de sedação alivia a retenção de alimento e cessa a dor.

E-45 (Lidui) – utilizado em modo de sedação alivia a retenção de alimento e atua na cabeça por estar na extremidade do Meridiano.

IG-4 (Hegu) – utilizado em modo de sedação clareia a obstrução da face e da cabeça.

E-8 (Touwei) – utilizado em modo neutro é um ponto local para problemas no Estômago que se manifesta na cabeça.

Outros pontos: E-44 (Neiting); BP-4 (Gongsun); VC-13 (Shangwan); E-36 (Zusanli); E-40 (Fenglong)

  1. Estase de Sangue: Este padrão é visto nas “cefaleias muito crônicas”, conforme afirma Maciocia (1996, p. 43). A causa é uma longa estagnação do Qi do Fígado ou em traumas antigos na cabeça. Este tipo de dor é muito intenso, do tipo facada e fixa.

É mais comum em idosos e mulheres com estase de Sangue associada com Deficiência e Secura de Sangue.

Outras manifestações podem incluir tez enegrecida e dor no abdome. Nas mulheres dor menstrual com coágulos escuros de sangue.

Este autor acrescenta, ainda, que neste caso o pulso está Firme, em Corda ou Picado. Sobre a língua, como esta é um microssistema do corpo, a ponta representa a cabeça e, quando a Estase de Sangue é devida a um trauma, uma mancha púrpura em uma parte da ponta da língua pode indicar a região traumatizada. Nos demais casos a ponta da língua está púrpura e o restante da língua pode estar normal.

Princípio de tratamento: Movimentar o Sangue e abrir os orifícios.

IG-11 (Quchi) – utilizado em modo de sedação ou neutro resfria o Sangue e beneficia os tendões.

IG-4 (Hegu) – utilizado em modo de sedação ou neutro e combinado com F-3 (Taichong) expele os fatores patogênicos da cabeça e move o Sangue.

BP-6 (Sanyinjiao) – utilizado em modo de tonificação movimenta o Sangue.

F-3 (Taichong) – utilizado em modo de sedação movimenta o Sangue e alivia a dor de cabeça.

Maciocia (1996, p. 43) acrescenta que neste caso “os pontos Ah Shi são muito importantes e a escolha deve ser feita de acordo com o Meridiano envolvido”.

Outros pontos: TA-5 (Waigan); BP-10 (Xuehai); B-18 (Ganshu); B-2 (Zanzhu); TA-18 (Qimai); Taiyang; Sishencong

Ross (2003, p. 360) sugere os seguintes pontos nos casos de estagnação de Sangue por traumatismos na cabeça: pontos Ah Shi; VG-20 (Baihui); IG-4 (Hegu); F-3 (Taichong); BP-8 (Diji) em modo de sedação, além de P-7 (Lieque) e C-7 (Shenmen) em modo neutro e R-7 (Fuliu) e E-36 (Zusanli) em modo de tonificação com moxa nos casos de estase de Sangue causada por choque prolongado ou isolamento emocional, causas essas que não abordaremos em nosso estudo.

  1. Calor no Estômago: Segundo Ross (2003, p. 360), quando há Fogo no Estômago este tipo de dor pode ocorre em toda a cabeça e piora com excesso de alimentos ou com esforço mental e preocupação. Já para Maciocia (1996, p. 47), “quando há Calor no Estômago a dor ocorre na região frontal, podendo ser aguda ou crônica”.

Este último autor diz que “o Calor no Estômago aparece durante uma doença febril no estágio Yang brilhante (vide Seis Estágios de doença)”. O Calor no Estômago “é característica deste estágio que produz cefaleia intensa na região frontal”. Além disso, “transpiração abundante, sede intensa, febre. O pulso fica Superflutuante e Rápido”.

Quando a dor é crônica, assevera Maciocia (1996, p. 47), significa “longa permanência do Calor do Estômago causada, geralmente, pelo consumo de alimentos energéticos, tais como carnes, condimentos, fritura e álcool”. A dor “é intensa e também sentida na região frontal”. Outros problemas incluem: desejo de beber água gelada, fezes secas, possível dor epigástrica. A língua fica com “revestimento espesso e amarelo e o pulso Escorregadio e Superflutuante na posição direita Média”.

Princípio de tratamento: Clarear o Calor e o Estômago e conter o Qi rebelde.

Pontos:

E-44 (Neiting) – utilizado em modo de sedação clareia o Calor do Estômago e produz efeito na cabeça por estar localizado na extremidade do meridiano.

IG-4 (Hegu) – utilizado em modo de sedação atua na cabeça.

Yintang – utilizado em modo neutro tem ação como ponto local para dor na região frontal.

Outros pontos: E-34 (Liangqiu); VG-23 (Shangxing); E-8 (Towei).

Para Fogo no Estômago ROSS (2003, p.360) acrescenta: VC12 (Zhongwan); IG-4 (Hegu); IG-11 (Quchi); E-8 (Touwei); E-21 (Liangmen) e E-44 (Neiting), todos em modo de sedação.

2.13 Dor de cabeça por deficiência

De acordo com Maciocia (1996, p. 48), as “cefaleias por Deficiência são decorrentes da insuficiência de Qi ou de Sangue”. No primeiro caso o Qi não alcança a cabeça para fazer brilhar os orifícios, enquanto que no segundo caso o Sangue falha em nutrir o cérebro.

Essas cefaleias são caracterizadas por dor surda que chega em acessos, são aliviadas com o descanso e pioradas com o trabalho excessivo.

Ainda de acordo com o autor, os três principais tipos de cefaleia por Deficiência são: Deficiência de Qi, Deficiência de Sangue e Deficiência do Rim.

  1. Deficiência de Qi: De acordo com Maciocia (1996, p. 48), “quando o Qi é deficiente não consegue alcançar a cabeça e fazer brilhar os orifícios”. O Qi deficiente “pode ser proveniente do Estômago, Baço/Pâncreas, Pulmões ou Coração”. A dor pode estar localizada em toda a cabeça ou na região frontal, caso a “Deficiência de Qi seja proveniente do Estômago”.

Esta cefaleia vem em crises, produz uma dor do tipo surda que melhora com o descanso e piora com o trabalho excessivo. Outras manifestações podem incluir: pouco apetite, cansaço, fezes soltas, dispneia leve e o pulso Vazio.

Princípio de tratamento: Tonificar o Qi.

Pontos:

E-36 (Zusanli) – utilizado em modo de tonificação e combinado com BP-6 (Sanyinjiao) tonificam intensamente o Qi.

VC-6 (Qihai) – utilizado em modo de tonificação eleva o Qi.

VG-20 (Baihui) – utilizado com moxa eleva o yang.

Outros pontos: IG-4 (Hegu); B-7 (Tongtian); B-20 (Pishu).

  1. Deficiência de Sangue: De acordo com Maciocia (1996, p. 49), este tipo de cefaleia ocorre porque “o Sangue deficiente não consegue atingir a cabeça para nutrir o cérebro”. Quando comparada com a Deficiência de Qi este tipo é mais severo, afeta, tipicamente, o topo da cabeça e está relacionada com a Deficiência de Qi do Fígado ou do Coração. Piora no período da tarde ou anoitecer, é acompanhada de fraqueza de memória e dificuldade de concentração.

Princípio de tratamento: Nutrir o Sangue, tonificar e elevar o Qi

Pontos:

E-36 (Zusanli); BP-6 (Sanyinjiao) e B-20 (Pishu) – quando combinados e utilizados em modo de tonificação nutrem o Sangue e tonificam o Qi.

F-8 (Ququan) – utilizado em modo de tonificação nutre o Sangue do Fígado.

VC-4 (Guanyuan) – utilizado em modo de tonificação nutre o Sangue.

VG-20 (Baihui) – utilizado em modo de tonificação eleva o Qi.

C-5 (Tongli) – utilizado em modo de tonificação nutre o Sangue do Coração. É um ponto importante, uma vez que Deficiência de Sangue do Coração é uma das principais causas deste tipo de dor.

Outros pontos: B-20 (Pishu) e B-18 (Ganshu) combinados e Yuyao.

  1. Deficiência do Rim: De acordo com Maciocia (1996, p. 51), este tipo de cefaleia é proveniente da “Deficiência de Yin ou Yang do Rim”. A dor não tem uma localização específica. É sentida dentro do cérebro e é acompanhada de tontura e sensação de vazio na cabeça. Se o Meridiano da Bexiga for afetado, a dor pode ser sentida na região occipital.

A dor causada pela Deficiência de Yang é mais branda que a da Deficiência de Yin do Rim. A primeira é semelhante à dor de Deficiência de Qi e ambas podem ocorrer após atividade sexual.

Para Maciocia (199, p. 51), as outras manifestações “dependem do tipo de Deficiência”. Na Deficiência de Yin: “sensação de calor ao anoitecer, micção escassa, tontura, zumbido, dor na parte inferior das costas e obstipação leve”. A língua está Vermelha, sem revestimento e o Pulso mostra-se Profundo e Fraco.

Se a Deficiência é do Yang do Rim ocorrerão: sensação de frio, dor na parte inferior das costas e nos joelhos, micção pálida e abundante. A língua está Pálida e o pulso mostra-se Profundo e Fraco.

Princípio de tratamento: Tonificar o Rim e nutrir a Medula.

Pontos:

R-3 (Taixi) – utilizado em modo de tonificação atua tonificando o Yang do Rim, o Yin do Rim e o Qi original.

E-36 (Zusanli) e BP6 (Sanyinjiao) utilizados em modo de tonificação tonificam o Qi e o Sangue.

VG-20 (Baihui) – utilizado em modo de tonificação atrai a Essência do Rim para cima em direção a cabeça e nutre a medula.

VB-19 (Naokong) – utilizado em modo de tonificação é um ponto específico para cefaleia proveniente da Deficiência do Rim; atrai a Essência do Rim para a cabeça, além de preencher a Medula. A tradução do nome deste ponto é “cérebro vazio”.

VC-4 (Guaniuan) – utilizado em modo de tonificação nutre o Yin do Rim.

B-23 (Shenshu) – utilizado em modo de tonificação ativa o Yang do Rim.

Outros pontos: B-60 (Kunlun); B-10 (Tianzhu); B-7 (Tongtian); VG-17 (Naohu).

Assim, diante do que foi exposto, acreditamos que este estudo possa ser relevante ao colaborar com os praticantes da medicina Tradicional Chinesa (MTC), em especial os praticantes da acupuntura, na compreensão das dores de cabeça, bem como auxiliá-los na seleção dos pontos de tratamento.

Por objetivo, este estudo pretende compreender a dor de cabeça segundo a Medicina Tradicional Chinesa (MTC) bem como o seu tratamento através da acupuntura.

3 METODOLOGIA

O critério de inclusão estabelecido para este estudo foi a exigência de que os artigos deveriam abordar a dor de cabeça segundo MTC. Para tanto, foi realizada uma procura nas bases de dados Medline, Lilacs, Cochrane, Bireme e Google Acadêmico, nos quais foram utilizados os termos enxaqueca, cefaleia, dor de cabeça, acupuntura e Medicina Tradicional Chinesa nos idiomas português, inglês e espanhol. Entretanto, os artigos além de escassos, abordavam a fisiopatologia da dor de cabeça do ponto de vista ocidental sem levar em conta a compreensão da mesma pela MTC.

Muito embora os textos encontrados reconhecessem a acupuntura como um método eficaz de tratamento e com comprovação científica, segundo o paradigma da ciência ocidental, a não consideração da fisiologia energética proposta pela MTC na explicação das dores de cabeça fez com que esses artigos fossem excluídos da referência bibliográfica, restando, quase que somente, os livros técnicos sobre MTC como referência principal desta pesquisa.

4 CONCLUSÃO

A dor de cabeça em sua diversificada forma de apresentação é um problema que compromete a qualidade de vida dos indivíduos levando ao afastamento do trabalho e das atividades sociais.

A medicina ocidental faz referência a variados tipos de dor de cabeça, considerando sua localização e sintomas associados, porém os mecanismos de muitos tipos não conseguem ser explicados.

Em contrapartida, a milenar Medicina Tradicional Chinesa através de sua peculiar fisiologia energética consegue não só explicar como tratar as dores de cabeça e seus diversos sintomas associados. Entretanto, o paradigma da ciência ocidental não valida esse conhecimento, haja vista que foram encontrados nas diversas ferramentas de busca mais de trinta artigos sobre o tratamento da dor de cabeça, cefaleia e enxaqueca pela acupuntura, porém nenhum deles utilizava os conceitos do processo saúde-doença preconizados pela MTC, tais como os seis Excessos e os cinco elementos.

As dores de cabeça são complexas tanto para a medicina ocidental quanto para a MTC devido a sua multicausalidade. No entanto, encontramos vários pontos de aproximação entre essas duas medicinas no que diz respeito ao clima, à dieta, ao estresse e à alimentação como fatores etiológicos.

Outro problema no estudo das dores de cabeça é a falta de consenso entre os autores estudados com relação aos termos utilizados para designar o tipo de dor, uma vez que os próprios autores de MTC utilizam termos convencionados pela medicina ocidental.

Do ponto de vista da acupuntura, a dor de cabeça exige do acupunturista um grande conhecimento da fisiologia energética, considerando que todos zang fu podem estar envolvidos direta ou indiretamente na dor de cabeça e em seus sintomas associados.

A anamnese bem realizada e o conhecimento dos oito princípios são fundamentais para o estabelecimento de um diagnóstico correto. Se o acupunturista também domina o conhecimento sobre o exame da língua e do pulso mais acurado ainda será o diagnóstico e, consequentemente, a seleção dos pontos de tratamento. Isto beneficia não só o paciente, mas também colabora para o reconhecimento da acupuntura como um tratamento acessível, com muito pouco ou nenhum efeito colateral, que enxerga o indivíduo como um todo em uma relação terapeuta-paciente mais humanizada.

No que concerne à seleção dos pontos de acupuntura, é importante destacar a importância da escolha de um dos três caminhos propostos para o alívio da dor, quais sejam: tratar, simultaneamente, a origem e manifestação, tratar primeiro a manifestação e depois a origem ou tratar somente a origem de acordo com a severidade da dor ou do zang fu envolvido. É importante também para o sucesso do tratamento que sejam utilizados pontos locais, de acordo com o Meridiano envolvido.

    


5 REFERÊNCIAS

  1. OLIVEIRA, Alessandra Andréa de Castro; OLIVEIRA, Luciene Cruz. A efetividade da acupuntura no tratamento dos portadores de cefaleia. Revista Horus, v. 5, n. 1, Jan-Mar, 2011. Disponível em: <http://www.faeso.edu.br/horus/artigos%20anteriores/2011/A%20EFETIVIDADE%20DA%20ACUPUNTURA%20NO%20TRATAMENTO%20DOS%20PORTADORES%20DE%20CEFALEIA.pdf>. Acesso em 01 set. 2015.
  2. SANTOS, M. C. Cefaleia e disfunção têmporo-mandibular. Revista Dentística online, v. 9, n. 19, 2010. Disponível em: <http://coral.ufsm.br/dentisticaonline/0906.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015.
  3. FLAWS, B. Enxaqueca e a Medicina tradicional Chinesa. São Paulo: Organização Andrei editora, 1993.
  4. The International Classification of Headache Disorders. 2nd Edition. (ICHD-II). Abbreviated pocket version for reference by professional users only, prepared by the Headache Classification Subcommittee of the International Headache Society. International Headache Society in Cephalalgia, 2004; 24 (suppl 1): 1-160.
  5. WANNMACHER, L.; FERREIRA, M. B. C. Enxaqueca: mal antigo com roupagem nova. Boletim uso racional de medicamentos – temas selecionados, Brasília, v. 1, n. 8, p. 1-6, jul, 2005.
  6. ZUKERMAN, E.; GUENDLER, V. Z.; MERCANTE, J. P. P.; PERES, M. F. P. Cefaléia e qualidade de vida. Einstein, 2(1), 73-75, 2004.
  7. MACIOCIA, Giovanni. A prática da medicina chinesa: tratamento de doenças com acupuntura e ervas chinesas. São Paulo: Roca, 1996.
  8. HICKS, Angela; HICKS, John; MOLE, Peter. Acupuntura constitucional dos cinco elementos. São Paulo: Roca, 2007.
  9. FRUEHUF, H. The Organ Network of Chinese medicine. Portland, OR: Institute of Traditional Medicine, 1998.
  10. AUTEROCHE, B.; NAVAILH, P. O diagnóstico na medicina chinesa. São Paulo: Andrei, 1992.
  11. ROSS, J. Combinações dos pontos de acupuntura: a chave para o êxito clínico. São Paulo: Roca, 2003.

Outras fontes de consulta:

ARAÚJO, A. P. S.; ALMEIDA, C. A. Terapia Manual Versus Acupuntura no Tratamento da Cefaléia: Revisão de Literatura. Revista Saúde e Pesquisa, v. 2, n. 1, p. 107-113, jan./abr, 2009. Disponível em: <http://www.fisioterapia.com/public/files/artigo/artigo17_3.pdf>. Acesso em: 01 set. 2015.

MACIOCIA, Giovanni. Os fundamentos da medicina chinesa: um texto abrangente para acupunturistas e fisioterapeutas. São Paulo, Roca, 2014.

SACKS, Oliver. Migraine, The evolution of common disorder. Berkley: University of California press, 1970.

SANTOS, C. A. Dor orofacial com ênfase em cefaléias. 21 set. 2006. Disponível em: <http://www.wgate.com.br/conteudo/medicinaesaude/fisioterapia/variedades/orofacial_cristina/orofacial_cristina.htm>. Acesso em 01 set. 2015.

SOCIEDADE BRASILEIRA DE CEFALEIA. Disponível em: <http://www.sbce.med.br/sbcefaleia/>.  Acesso em: 10 jun. 2015.

SOCIEDADE INTERNACIONAL DE CEFALEIA. International Headache Society.  Disponível M: <www.ihs-headache.org>. Acesso em: 01 set. 2015.