Infertilidade Feminina e seu Tratamento através da Acupuntura

Infertilidade Feminina e seu Tratamento através da Acupuntura
0 23/03/2016

Infertilidade Feminina e seu Tratamento através da Acupuntura

Autores: José Felipe da Silva Bernardo e Thayná Fernandes Guilhon Coutinho

 

RESUMO

          A infertilidade feminina é definida como a incapacidade de uma mulher produzir descendência após ter tentado por dois anos, tendo uma vida sexual normal, e cujo parceiro tem, naturalmente, função reprodutiva normal (MACIOCIA, 2000, p.625). De acordo com a Medicina Tradicional Chinesa para que haja gravidez é necessário que a energia da mulher esteja em equilíbrio. A partir de uma revisão bibliográfica sobre a utilização da acupuntura como forma de tratamento para diferentes causas da infertilidade feminina, este artigo, para a consolidação dos seus resultados, apresentou  a fisiologia feminina, as possíveis causas da infertilidade, dentre elas os fatores patológicos adquiridos e congênitos, e abordagem do tema   segundo a Medicina Tradicional chinesa. Foi realizado um  ensaio teórico, no qual foi levantado os aspectos da infertilidade feminina, suas principais causas e   os resultados dos tratamentos através da Acupuntura. A partir da pesquisa realizada foi possível concluir que a Acupuntura é de grande importância no tratamento da infertilidade feminina. Tal técnica pode ser utilizada como tratamento principal ou como coadjuvante.

Palavras-chave: Acupuntura e Infertilidade Feminina, tratamento infertilidade feminina.

 

ABSTRACT

The female infertility is defined as the inability of a woman to produce offspring after trying for two years, having a normal sexual life, and whose partner has, of course, the normal reproductive function (Maciocia, 2000, p.625). According to traditional Chinese medicine so there pregnancy is necessary that women’s power is in balance. From a literature review on the use of acupuncture as a treatment for different causes of female infertility, this article, to the consolidation of its results, presented the female physiology, the possible causes of infertility, among them the acquired pathological factors and birth, and approach to the subject according to Chinese traditional medicine. A theoretical test was performed, which was raised aspects of female infertility, its main causes and treatment outcomes through acupuncture. From the survey it was concluded that acupuncture is of great importance for treating female infertility. This technique can be used as primary treatment or as an adjuvant.

Keywords: Acupuncture and Female Infertility.

 

 

INTRODUÇÃO

Com os novos papeis assumidos na sociedade, muitas mulheres, atualmente, têm optado por não quererem gerar uma criança.  Contudo, algumas não abdicam da condição da maternidade. Dentro dessa porcentagem do universo feminino, o fato de gerar ainda se torna um grande sofrimento, causado pela infertilidade.

Segundo Macedo (2002), aproximadamente, a chance de um casal fértil engravidar é de 15 a 25% por mês, e após um ano de tentativas essa taxa cumulativa será de aproximadamente 80%. Por isso é necessário esse tempo de espera para iniciar uma investigação sobre infertilidade.

A Infertilidade é caracterizada pela não ocorrência de gestação espontânea, após período de pelo menos um ano, com o casal apresentando atividade sexual regular sem uso de métodos contraceptivos e esse prazo cai para seis meses para mulheres acima de 35 anos. O termo infertilidade também é utilizado em mulheres que não conseguem levar uma gravidez até o final. (MACEDO, 2002).

Para Kendall (1999) e Ferreira, (2003), a infertilidade pode ser dividida em duas classificações:

Primária: Quando um casal falha em conceber após conviver por um ano, tendo atividade sexual normal sem o uso de contraceptivos.

Secundária: Se a mulher falha em conceber em até um ano após um aborto ou parto.

O autor complementa afirmando que existe uma tendência a se pensar que o homem não tem problema, principalmente se não tem impotência.

Para sanar esse problema as mulheres buscam formas de tratamento, que vão desde utilização de reposição hormonal até fertilização in vitro. Além dos tratamentos da medicina convencional, encontram-se na medicina chinesa formas alternativas para tratar essa patologia, dentre elas a Acupuntura.

A Acupuntura é uma técnica milenar da Medicina Tradicional Chinesa de aproximadamente (4.500 anos – 2704-2100 a.C). Em várias partes da China foram encontrados Zhem Shih — agulhas de pedra — que datam da Idade da Pedra. Essas agulhas diferem das de costura e, por terem sido encontradas juntamente com outros instrumentos de cura, presume-se que a Acupuntura já era conhecida e praticada naquela época.

Na Acupuntura o corpo humano é formado por um sistema de doze meridianos que percorre todo o nosso corpo; esses meridianos estão ligados aos Órgãos e Vísceras Zang e Fu cada um com sua função específica, sendo composto por aproximadamente quatrocentos pontos. (CHANG et al 2002).

O questionamento central deste artigo constitui-se de como a acupuntura aborda, trata a infertilidade e a sua efetividade na cura desta patologia?

Esse estudo se justifica à medida que Silva (2007) afirma que a acupuntura para o tratamento de Infertilidade tem uma eficácia de 75% em relação aos tratamentos convencionais. White (2006) complementa colocando que essa terapia, é cada vez mais utilizada no tratamento de problemas ginecológicos, dentre eles a menopausa, distúrbios menstruais e Infertilidade.

Cabe ressaltar, que neste estudo não serão abordados outras técnicas da medicina chinesa ou convencional para o tratamento da infertilidade. Os dados serão obtidos, exclusivamente, através de artigos científicos, monografias, livros e sites que abordam o tema estudado. Não foi realizada nenhuma pesquisa de campo para dar suporte aos resultados desse estudo.

 

 

REVISÃO DE LITERATURA

 

  1. Conceitos Ocidental de Infertilidade

Segundo Lock (2002), a infertilidade consiste na incapacidade de conceber após um ano, no mínimo, de relações sexuais sem proteção

Para Trindade e Enumo (2002), Cerca de 10 a 15% dos casais apresentam este tipo de problema. Os fatores causais masculinos e femininos contribuem com cerca de 35% das causas, sendo o restante atribuído a fatores inexplicados (15%) ou a associação de causas masculinas e femininas (20 a 30%).

A infertilidade, segundo Chatel (1995), apareceu discretamente e foi ganhando importância como questão que à medida que a gravidez se tornava mais tardia, por ser adiada em virtude de uma dedicação profissional ou por uma dificuldade em se decidir pela maternidade e, ainda, à medida que as mulheres se tornavam cada vez mais exigente, com pressa de engravidar sem demora, com medo de serem estéreis.

A infertilidade é um problema conjugal, mas tem uma representação diferente para homens e mulheres. Levando-se em consideração mitos e crenças socialmente compartilhadas, Avelar et al. (2000) acreditam que há uma associação entre fertilidade e virilidade por parte dos homens e entre fecundidade e feminilidade por parte das mulheres.

2.1 Fisiologias femininas

2.1.1 Ciclo Menstrual na Visão Ocidental

A fase menstrual é o sangramento mensal da mulher, chamado de menstruação. O sangue menstrual descama da camada interna do útero (conhecida como endométrio), através do cérvix e da vagina, saindo pela abertura vaginal. Esse fluido é de cor vermelha forte, rosa ou mesmo marrom, normalmente dura de três a sete dias.

O ciclo é dividido em duas fases: a folicular, compreendendo o período do sangramento até a ovulação, e a lútea, que se inicia logo após, estendendo-se até o início do sangramento. Em relação aos níveis hormonais, a fase folicular caracteriza-se pela presença de hormônio folículo-estimulante (FSH), hormônio luteinizante (LH) e estrógeno, os quais levam ao crescimento do folículo ovariano e à ovulação. A fase lútea é caracterizada pela presença aumentada de estrógeno e progesterona. O decréscimo destes dois hormônios ocorre com a regressão do corpo lúteo (quando não ocorreu fertilização), gerando a degeneração do endométrio – sangramento. Segundo Sampaio (2002)

2.1.2 Ciclo menstrual na visão Oriental

Yamamura (2001), afirma que as características fisiológicas da mulher se manifestam através das mestruações, leucorréias, gravidez, parto e lactação, abastamento de QI (energia) e Xue (sangue) e um bom funcionamento dos órgãos.

Alem das substancias citadas, também se faz necessário o Jing e Jinye (substâncias vitais), necessárias para o corpo e é a base material para os Zang-Fu (órgãos internos), tecidos e outros órgãos. Abaixo serão descritos as principais substâncias vitais que atuam na fisiologia feminina:

  • QI (ENERNGIA) é a base das outras substâncias, que são manifestações sua em diferentes graus de materialidade. Sua tradução aproximada seria “energia”, dentre outras, pois se trata de um conceito amplo, visto que o Qi se manifesta de diversas formas no organismo.

Manifesta-se sob dois aspectos principais, um de característica Yang, que representa a Energia que produz o calor, a expansão, a explosão, a ascensão, a claridade, o aumento de todas as atividades, e o outro é de característica Yin, energia  que produz o frio, o retraimento, a descida, o repouso, a escuridão, a diminuição de todas as atividades (YAMAMURA, 2001, p. LVI).

  • Jing (Essência), um tipo de energia fundamental na fisiologia orgânica que reside no Rim (Shen). O Jing determina as fases de crescimento, desenvolvimento, reprodução, concepção e gravidez, e é composto por dois aspectos:
    • Jing Pré-Natal – é a Essência ancestral, que determinará a constituição básica e a vitalidade do indivíduo. Esta fração do Jing não pode ser reposta ao longo da vida, já que se nasce com uma quantidade específica dela, proveniente dos pais, mas pode ser cuidada adequadamente através de hábitos saudáveis de alimentação, respiração, vida sexual, dentre outros fatores.
    • Jing Pós-Natal – é a Essência adquirida através dos alimentos, líquidos e também da respiração (ar), a partir dos quais o Qi será produzido no organismo. Está ligado diretamente ao Baço (Pi) e Estômago (Wei), devido a suas funções na digestão e transformação dos alimentos e bebidas. (MACIOCIA, 1996)
  • Jin Ye (Líquidos Corpóreos) são provenientes dos alimentos e líquidos e formados a partir de diversos processos de transformação e separação, ao fim do qual se dividem em duas porções:
    • Jin é a fração Ying, mais sutil, dos Líquidos Corpóreos, circula na parte externa do corpo juntamente com o Wei Qi, com a função de nos nutrir e umedecer pele, músculos, ligamentos e tendões.
    • Ye é a fração Yin, mais densa, do Jin Ye, circula na parte interna do corpo juntamente com o Xue e Yang Qi, com a função de umedecer e nutrir Zang Fu (órgãos e vísceras), ossos, medula, articulações. Do Ye também fazem parte os dejetos (fezes e urina). (MACIOCIA, 1996) 
  • Xue (Sangue), dentro da Medicina Tradicional Chinesa possui uma conotação diferente da ocidental, e não pode ser separado do Qi, que é quem o move. O Sangue possui a função de nutrir e umedecer o organismo, além de dar origem e suporte à Mente (Shen). (MACIOCIA, 1996)
  • O Zang-Fu Rim é situado no Aquecedor inferior e referido como a “Raiz da vida”, ele apresenta um aspecto Yin e outro aspecto Yang, o Yin do Rim é o fundamento essencial para o nascimento, crescimento e reprodução, enquanto o Yang do Rim é a força motriz de todos os processos fisiológicos (MACIOCIA, 1996, p. 123).

Como exposto anteriormente, para a medicina oriental o desenvolvimento da fisiologia feminina é balizado nas energias vitais. Em cada fase uma ou mais se destacam em sua atuação.

Por exemplo, CHONGHUO, (1993) relata que no ser humano, entre os 7 e o 8 anos, os dentes de leite são substituídos por dentes permanentes e os cabelos crescem mais. Quando atingem a idade da puberdade, é quando o QI do rim está mais rico. Isto faz com que seus corpos produzam uma substância chamada “tian gui” na Medicina Tradicional Chinesa.  Esta substância não somente promove o desenvolvimento do esperma nos meninos, mas também a descarga de óvulos e a menstruação nas meninas.

No organismo humano, a função sexual é aperfeiçoada gradualmente até que, por fim, a capacidade de reproduzir está totalmente desenvolvida. Ren significa em chinês “estar encarregado”, situa-se no abdome e no tórax dominando todos os canais Yin do organismo, sendo chamado “mar dos canais Yin”, Ren significa também “engravidar”, pois este canal se inicia no Útero e tem a função de nutrir o feto (CHONGHUO, 1993, p. 107).

Já, aos 28 anos, os músculos e os ossos humanos estão consolidados, os cabelos atingem seu maior comprimento, brilho e vida, e o seu corpo está em pleno vigor, mostrando assim a força da energia Qi dos rins e do fígado (AUTEROCHE et al, 1985).

Aos 35 anos, o vaso Yang Ming (meridiano composto pelos canais de energia do Estômago e Intestino Grosso, sendo responsável pela circulação de energia por todos os doze canais de energia), o rosto começa a murchar os cabelos a cair. (AUTEROCHE et al, 1985).

Aos 42 anos os três Yangs terminam no alto do corpo, o rosto se resseca e os cabelos embranquecem, a mulher vive sua última fase do período fértil (AUTEROCHE et al, 1985).

Aos 49 anos, o Ren Mai é flácido, o Chong Mai fica atrofiado, o Tian Gui (menstruação) já está esgotado, as vias subterrâneas são cortadas e a infecundidade surge em resposta a esse esgotamento do corpo. (AUTEROCHE et al, 1985).

2.2 Infertilidades na medicina chinesa

Segundo Auterocheet al. (1987) na Medicina Tradicional Chinesa há duas concepções clássicas de infertilidade feminina: deficiências congênitas e patologias adquiridas.

De acordo com Yamamuraet (1999) a infertilidade causada por fatores patogênicos adquiridos pode ser definida em basicamente três tipos: Plenitude, Vazios e Vazio de Qi (energia) ou Xue (sangue).

E há ainda as deficiências congênitas que são as alterações anatômicas do órgão sexual feminino.

WESTERGAARD et al, (2006),afirma que as deficiências congênitas são aquela    que o ser humano já nasce com a doença, sendo uma doença hereditária geralmente o tratamento é cirúrgico, porem em alguns casos a Acupuntura já está se demonstrando eficaz.

Ao diagnosticar a Infertilidade deve-se estabelecer claramente a diferença entre Deficiência e Excesso, devemos também estabelecer se precisamos tonificar e nutrir o Qi (Energia) do corpo ou eliminar os fatores patogênicos. Em caso de condições de Vazio, a Infertilidade é causada por falta de Substâncias Vitais que são essenciais para a concepção, ou seja, Sangue e Essência. Para que a fertilização ocorra, os aspectos Yin e Yang da Essência precisam estar equilibrados (MACIOCIA, 2000, p.626).

Os padrões de Vazio são três: Deficiência do Yin do Rim, Deficiência do Yang do Rim e Deficiência do Sangue e os padrões de Plenitude são cinco: Frio no Útero, Umidade no Aquecedor Inferior, Calor do Sangue, Estagnação do Qi e Estase do Sangue.

Já para Yamamura, Tabosa e Yabuta (1999), a infertilidade feminina segundo a Medicina Tradicional Chinesa pode ser classificada em três formas diferentes: forma de plenitude, forma de Vazio e forma de Vazio de Qi e Vazio de Xue. A primeira deve-se ao calor (fogo) de Fígado, a segunda à deficiência do Rim ou Baço-Pâncreas e a terceira, ao Vazio ou Falso calor desses órgãos isoladamente ou associados com outros órgãos.

2.3 Acupuntura

Foi o primeiro método de analgesia eficaz no tratamento da dor da história da Medicina, esse método foi utilizado há mais de 3.000 anos na Medicina Tradicional Chinesa para o tratamento de várias doenças, surgiu a partir da observação de que os ferimentos à flecha nos guerreiros cicatrizavam mais rápido do que os de espada ou porretes (VALE 2006).

No período inicial nossos antepassados curavam as enfermidades com agulhas de pedra, na idade neolítica, além das agulhas de pedra, usavam-se também agulhas de osso e de bambu, depois começaram a usar agulhas feitas de barro e com o desenvolvimento social e com o surgimento das metalúrgicas apareceram agulhas de diferentes metais, por exemplo, prata, ouro, ferro e as de hoje de aço inoxidável (CHONGHUO, 1993).

A sua teoria geral se baseia em padrões de fluxo de energia Qi através do corpo, que são essenciais para a saúde. Acredita-se que o rompimento desse fluxo possa ser responsável pela formação da doença.

Sendo realizadas seções onde ocorra a inserção de agulhas em pontos específicos, denominados Meridianos que se dividem em 12 e se ramificam totalizando 400 acupontos. Estes pontos correspondem a áreas específicas da superfície do corpo, que demonstram maior condutividade elétrica. Uma maior taxa metabólica, temperatura e concentração de íons cálcio, também são observadas nesses pontos. (CHANG et al, 2002).

Para Yamamura (2001, p. LVII), a inserção da agulha de Acupuntura tem como finalidade promover a mobilização, a circulação e o fortalecimento das energias humanas, e também promove a expulsão de energias perversas que prejudicam um individuo.

 

 

  1. TRATAMENTO NA INFERTILIDADE FEMININA

 

Para cada diagnostico de infertilidade a acupuntura adota procedimentos específicos, objetivando o equilíbrio energético do corpo.

 

3.1Tipos Vaziao

3.1.1 Rim em Estado de Vazio

Manifestação clinica: Menstruação atrasadas, fluxo de sangue fraco e pálido, leucorréias fluidas e brancas, diurese freqüente a noite. Língua: pálida, revestimentos lingual branco, brilhante. Pulso: profundo, fraco e fino (AUTEROCHE et. AL, 1987).

Principio de tratamento: Aquecer os Rins e aquecer o Sangue para regularizar Chong Mai e REM Mai (AUTEROCH et. al, 1987).

Tratamento: harmonização nos pontos. B23(Shenshu), VC24 ( Guanyuan); BP8(Diji) ou BP6 (Sanyinjiao); B43 (Gaohuang); R3 (Taixi); B33 (Zongliao) ou F29 (Guilai) (AUTEROCHE et. AL, 1987)

3.1.2 Deficiência Yin do Rim

Manifestação clinica: A Deficiência do Rim (Shen) conduz ao surgimento do Calor-Vazio dentro do Rim (Shen) e, portanto ao calor dos cinco palmos, sudorese noturna, língua vermelha e pulso rápido. Especificamente, a sudorese noturna é decorrente da Deficiência do Yin que falha ao manter o Qi Defensivo no organismo à noite (o Qi defensivo retira o Yin à noite), de maneira que as Essências nutritivas do yin precioso são expelidas com a sudorese.

Relacionadas ao cérebro (o Yin do Rim produz medula e controla o Cérebro), resultado em tontura leve, zumbido, vertigem e perda gradativa da memória, a deficiência do Yin do Rim é também da Essência, além destas manifestações, esta deficiência provoca diminuição dos fluidos corpóreos levando a um quadro de secura, podendo se manifestar por boca seca a noite, constipação intestinal e urina escura e escassa, pele, cabelos e mucosas secas.

Princípio de tratamento do Yin do Rim (Shen): Dominar o Yang, acalmar a mente e remover o calor do Coração.

Tratamento: VG20; C7; Yintang; VB13; VG24; R9; PC6; B15; B14; que acalmam a mente; P7; R6 regulam Ren Mai, fortalece o Últero, nutrem o Yin e R3; BP6; R10 que nutrem o Rim.  (MASTROROCCO, 2007):

3.1.3 Deficiência Yang do Rim

Manifestação clinica: Quando o Yang do Rim (Shen) for deficiente, o Fogo do portão da Vitalidade (Mingmen) falha ao aquecer o organismo Os sintomas mais comuns desta deficiência são: lombalgia, joelhos frios, sensação de frio nas costas, calor nas mãos, sudorese pela manha, calafrios, cefaleia, astenia, fraqueza nas pernas, falta de interesse, depressão, impotência. Pulso vazio, profundo e lento. Língua pálida, de volume aumentado, úmida, saburra branca. O Yang deficiente falha ao aquecer a Essência e, portanto a energia sexual é privada da nutrição da essência e do aquecimento do Yang do Rim, o que resulta em ejaculação precoce masculina e infertilidade feminina ou mesmo Frigidez. Sob o ponto de vista psicológico, isto se manifesta com apatia, indisposição, falta de força de vontade para empreender qualquer projeto. (MACIOCIA, 2000, p. 333).

Principio de tratamento: fortalecer e aquecer o Yang do Rim, utilizando-se os métodos de tonificação, a moxa para tratar os padrões adicionais.

Tratamento: B23; R3, BP6 TONIFICAM O Rim (Shen); VG4 tonifica o Yang do Rim; P7; R6 regulam Ren Mai, fortalecem o Últero, nutrem o Yin e R7 tonifica o Yang do Rim. (MASTROROCCO, 2007)

Principio do tratamento – Tonificar e aquecer o Rim (Shen), fortalecer o Fogo do Portão da Vitalidade (Mingmen).

Tratamento: Pontos – Shenshu B-23, Homem Ming Du-4, Guanyuan Ren-4, Qihai Ren-6, Taixi R-3, Faliu R-7, Zhishi B-52, o ponto extra Jinggong (0,5 cun lateral ao Zhishi B-52).

3.1.4 Deficiência de Sangue

A síndrome de Deficiência de Sangue é causada pela perda excessiva de Sangue, por debilidade do Baço/Pâncreas e do Estômago que leva à má transformação dos alimentos e, pelo excesso de fatores emocionais que consome em demasia o Sangue e o Yin, não nutrindo os vasos sanguíneos (BEIJING, CHONGHUO, 1993, p. 268).

A Deficiência do Sangue, (Xue), normalmente origina-se da Deficiência do Qi do Baço (Pi) uma vez que este dá os primeiros passos para a produção do Qi e do Sangue. (MACIOCIA, 1996, p.249).

3.2 Tipo Plenitude

3.2.1 Frio no útero

A invasão pelo Frio é uma causa muito comum de infertilidade em mulheres jovens; de fato, é provavelmente a causa mais comum de infertilidade primária em mulheres jovens na Grã-Bretanha. Se uma menina, na puberdade, é exposta ao frio e umidade (especialmente durante o seu período menstrual) quando exercitando-se ou praticando esportes, o Frio invade o Útero, transformando-se em Frio interno e obstrui o Útero e os canais Ren Mai e o Chong Mai impedindo fertilização. (MACIOCIA, 2000, p. 626).

O Frio é de natureza Yin tem como função coagular e lesar o Yang Qi. Quando o Frio ocupa os vasos Sanguíneos, provoca uma estase da circulação e evolui para a coagulação do Sangue. Essa enfermidade é encontrada em mulheres na doença de “útero Frio”; bacinete frio e dolorido, tremor do frio melhorado pelo calor, corpo e membros frios, prolongamento das regras, acompanhadas de coágulos de Sangue, sangue de cor baça. (AUTEROCHE, p. 277)

Principio de tratamento: dispersar o Frio, esquentar o Útero e esquentar e tonificar o Yang do Rim. A moxa pode ser usada

Tratamento: VC2 – dispersa o Frio do Útero; VC4 – esquenta o Yang do Rim e tonifica o Útero; VG4 – esquenta o Fogo da Porta da Vida e fortalece o Canal Du Mai; R7 e B23 – tonificam Yang do Rim e fortalecem o Útero; VC7 e VG4 – combinados, esquentam o Útero e os Rins e dispersam o Frio do Útero. Maciocia (2000).

3.2.2 Calor do Sangue

O Calor do Sangue também causa infertilidade, mas de modo oposto. Sangue e Essência é a base para a concepção (o útero é também chamado de câmara de Sangue). Deste modo, se o Sangue está quente pode criar condições adversas para a fertilização do óvulo. (MACIOCIA, p. 627).

Nas mulheres, se o calor penetrar na “câmara de sangue” bacinete ou peito e flancos intumescidos e duros, alternâncias de calor e de calafrios, à noite delírio verbal, suspensão das regras no meio das menstruações. (AUTEROCHE, p. 278).

Principio de tratamento: Refrescar o Sangue e regular os períodos menstruais (MACIOCIA, 2000, p. 652)

Tratamentos: IG11 e BP10 – refrescam o Sangue; R2 e F3 – em combinação refrescam o Sangue; BP6 e CS3 – refrescam o Sangue; B17 – refresca o Sangue; VC4 – fortalece o Útero e nutre o Sangue e P7 e R6 – regulam os Canais Ren Mai e Chong Mai e nutrem o Yin.

3.2.3 Umidade no Aquecedor Inferior

Manifestação clinica: A umidade-Calor, para o quê as mulheres são particularmente propensas, invade o corpo a partir do aquecedor inferior. Isto impede o movimento adequado do Qi e do Sangue e/ou estase de Sangue. Sendo incapazes de funcionar adequadamente, os canais Ren Mai e Chong Mai não podem reunir a Essência para a mulher conceber. (MACIOCIA, 2000, p 627).

Principio de tratamento: constitui em resolver a Umidade e remover as obstruções dos Canais Ren Mai e Chong Mai.

Tratamento: VC3 – fortalece o Útero e resolve a Umidade; Zigong (M-TA 18) – remove as obstruções do Útero e das trompas; E28, BP9, BP6 e VC9 – resolvem a Umidade; P7 e R6 – regulam o canal Ren Mai e fortalecem o Útero; E30 – revigora o Sangue ajudando a transformar a Água; R14 – elimina a estagnação da Água; B32 – drena a Umidade do sistema genital; VB41 – no lado direito e TA5 – no lado esquerdo, regulam o canal Dai Mai e drenam a Umidade; VB26 – resolve a Umidade-Calor no sistema genital, deve ser usado em conjunto com os pontos de abertura VB41 e TA5 e B32 e VC4 com estimulação elétrica para obstrução das trompas. (MACIOCIA, 2000, p. 646):

3.2.4 Estagnação do Qi

Manifestação clinica: Uma vez essa energia estagnada, poderá afetar a liberação dos óvulos, ocorrerá dismenorréia ou um período menstrual irregular, obstruindo os Canais Ren Mai e Chong Mai, essa estagnação se dá devido ao estresse emocional. Língua: cor normal ou levemente avermelhada nos lados. Pulso: em corda (se não houver estagnação de Qi surge à deficiência de sangue, por tanto ele pode ser rugoso).

 

Princípios de tratamento: Visa mover o Qi, eliminar a estagnação, acalmar o fígado e regular os períodos menstruais (MACIOCIA, 2000, p.652).

 

Tratamentos: F3, VB34, TA6 que movem o Qi, fixam a Alma Etérea e eliminam a Estagnação, VC4 que fortalece o Útero, R14 que é o ponto de reunião dos Canais de Energia Principal do Rim (Shen) com o Canal de Energia Curioso Chong Mai,e move o Qi no abdômen inferior , BP4 que regula o Canal de Energia Curioso Chong Mai e domina o Qi rebelde.  (MACIOCIA, 2000, p. 656).

 

 

3.2.5 Estase de Sangue

Princípios de tratamentos: revigorar o Xue (Sangue), eliminar a Estase, acalmar o fígado e canal Chong Mai, regular os períodos menstruais. (MACIOCIA, 200)

 

Tratamento: todos em sedação ou harmonização,F3, VB34, B17, BP10 e BP6 tem a função de revigorar o Xue (Sangue), e eliminar a Estase. TA6 / VC6 são responsáveis por moverem o Qi, o que ajuda a revigorar o Xue (Sangue). VC4 fortalece o Útero, BP4( no lado direito), MC6(no lado esqurdo),R14,E29,R6(no lado direito, P7 (no lado esquerdo) (MACIOCIA, 2000, p. 656 e 657).

 

3.2.6 Congestão de Fígado

Manifestação clinica: ciclos longos, alternâncias menstruais fortes e fracas, opressões torácicas, hipocôndrios inchados, melancolias, esterilidade.

 

Princípios de tratamentos: drenar o fígado, alimentar o Sangue, sustentar o Baço (AUTEROCH ET, AL. 1987).

 

Tratamento: tonificar todos os pontos. VC4 (Guanyuan); F6( Zongdu) ou F2  (Xingjian); F8( Ququan); F11(Yinlian); BP6 (Sanyinjiao), B32 (Ciliao); R21(Youmen) ou  R19 (Yindu); BP8 ( Diiji) (AUTEROCH et.al, 1987).

 

3.2.7 Mucosidade Umidade

Manifestação clinica: obesidade, vertigens, palpitações, sangue de cor pálida e abundante; Língua: revestimento branco, espesso e gorduroso. Pulso: escorregadio (AUTEROCH ET, AL, 1987).

 

Princípios de tratamento: Dissolver as mucosidade e ressecar a umidade (AUTEROCH et. AL, 1987)

 

Tratamento: tonificar todos os pontos. B21(Weishu), TA12(Zhongwan); BP5

(Shangqiu) ou BP 6 (Sanyinjiao); E29 (Guilai),E25 (Tianshu); E 36 ( Zusanli); E(Fenglong) (AUTEROCHE et. AL,1987)

 

A TABELA ABAIXOU RESUME OS PRINCIPAIS PONTOS DE\TRATAMENTO DESCRITOS ACIMA: (Anexos A)

PONTOS DE TRATAMENTOS ENERGETICA CLASSICA INDICAÇÃO
IG11 Dispersa o vento, suaviza as náuseas, liberta o calor, diminuía tumefação nos edemas e alivia a dor. Sem função ginecológica especifica. 
IG16 Ativa o Meridiano, alivia a dor, promove a limpeza dos canais de energia, dispersa o Xue estagnado pelo frio perverso Doenças da glândula Tiróide 
P7 Dissemina o Qi do pulmão e dissipa as influências nocivas, descongestiona e ativa o meridiano principal, regula o Ren Mai Sem função ginecológica especifica.
E25 Regula a subida e descida de Qi, regula o intestino grosso, regulariza o Qi e o Xue, dispersa a umidade e a umidade-calor Anomalias na regularidade menstrual, Dismenorréia, menstruação irregular, infertilidade, endometriose
E26 Regula o Qi e alivia a dor Dismenorréia
E28 Beneficia a bexiga, regula a menstruação, alivia a dor, transforma a umidade-calor Dismenorréia, disfunções da fertilidade feminina
E29 Ativa o Qi, alivia a dor, regula a menstruação e diminui o fluxo Amenorréia, leucorréia, prolapso uterino, menstruação irregular.
E40 Fluidifica as mucosidades, alivia a insuficiência respiratória, proporciona um relaxamento. Sem função ginecológica especifica.
PONTOS DE TRATAMENTOS ENERGETICA CLASSICA INDICAÇÃO (CONTINUAÇÃO 1)
BP4 Fortalece o baço, transforma a umidade, harmoniza o estomago e regulariza o Jiao (aquecedor) médio Sem função ginecológica especifica.
BP5 Fortalece o baço e acalma a diarréia Sem função ginecológica especifica.
BP6 Fortalece o baço, decompõe e elimina a umidade, regula o equilíbrio do Yin e do sangue, fígado e rins, harmoniza o Qi do útero Muitas disfunções ginecológicas e obstétricas, disfunções da função sexual masculina
P8 Fortalece o baço e elimina a, umidade, regula a menstruação e revigora o sangue e promove sua circulação  Menstruação irregular, Dismenorréia, mioma do útero, quistos no ovário.
BP10 Regula a menstruação e revigora o sangue e elimina a umidade e alivia as náuseas, refresca o calor no Xue Menstruação irregular, Dismenorréia, amenorréia, hemorragias uterinas disfuncionais anovulatórias
C8

 

Liberta o coração e pacifica o espírito, dissolve a umidade e transforma a umidade-calor Disfunções na região do útero e da vulva, colpite e prolapso uterino
B17 Repõe e acalma o sangue. Liberta o tórax e alivia a dor, diminui o Qi invertido Sem função ginecológica especifica.
B20 Fortalece o baço, promove a micção, aumenta a clareza e acalma a diarréia Sem função ginecológica especifica.
B24 Reabastece o rim e aumenta o Qi, regula a menstruação e alivia a dor Dismenorréia, menstruação irregular, hemorragia uterina disfuncional

 

 

 PONTOS DE TRATAMENTOS  ENERGETICA CLASSICA INDICAÇÃO (CONTINUAÇÃO 2)
B30 Protege os rins e promove a menstruação Menstruação irregular, leucorréia
B31 Promove a menstruação e repõe o Qi, ajuda o Yang e aumenta a essência Menstruação irregular, prolapso uterino, leucorréia
B32 . Liberta e facilita a micção e liberta o calor, regula o Qi e promove a menstruação. Inflamação na pequena bacia, menstruação irregular, Dismenorréia
B33 Promove a menstruação e regula o fluxo Menstruação irregular,
B43

 

Alivia a tosse e a dispnéia relaxa os tendões e ativa os vasos Sem função ginecológica especifica.
B52 Protege os rins e firma a essência, liberta e dispersa a umidade e o calor Sem função ginecológica especifica.
B55 Estimula o Qi e alivia a dor, regula a menstruação e acalma a hemorragia uterina Hemorragia uterina disfuncional anovulatória
R2

 

Protege o rim e fortalece a essência, regula a menstruação e ativa os vasos Menstruação irregular, prolapso uterino e colpite
R3 Enriquece o Yin e reconstitui o rim, acalma o fígado e diminui o Yang, descongestiona e ativa o meridiano e os seus vasos Sem função ginecológica especifica.

 

 

 

 PONTOS DE TRATAMENTOS  ENERGETICA CLASSICA  INDICAÇÃO (CONTINUAÇÃO 3)
VC6 Aumenta e regula o Qi, regula a menstruação e fortalece a essência Menstruação irregular, amenorréias, hemorragia uterina, Dismenorréia,
VC7 Regula a menstruação e alivia o fluxo, mobiliza o Qi e alivia a essência Menstruação irregular
VC8 Aquece o Yang, promove a micção, acalma a diarréia e firma os prolapso Sem função ginecológica especifica.
 

VC24

 

Descongestiona e ativa o meridiano e os seus vasos, reduz o edema e alivia a dor Sem função ginecológica especifica.

 

 

 

 

4 DISCUSSÃO

 

Levando em consideração o tema, a Medicina Tradicional Chinesa gera bastantes recursos comprovando a sua eficácia para tal patologia e com isso vem contribuindo na área da Ginecologia apresentado efeitos positivos.

Embora existam poucos trabalhos que comprovem a verdadeira eficácia a acupuntura tem sido indicada especialmente para trata dos casos onde os contraceptivos orais são contra indicados ou recusados, podendo substituir o uso de remédios no tratamento da infertilidade, sendo mais efetiva, rápida, duradoura, sem efeitos colaterais.

Alem disso, após os estudos realizados, foi possível concluir que ainda existe uma grande abertura a ser preenchida pelos profissionais que realizam essa prática, tendo a importante missão de divulgar os benefícios dos tratamentos alternativos.

 

 

 

 

5 METODOLOGIA

 

Com vistas nos dados apresentados acima, este artigo tem como objetivo realizar uma revisão bibliográfica abordando a Infertilidade Feminina e suas formas de tratamento, segundo a visão da Medicina Tradicional Chinesa, destacando o uso da Acupuntura.

 

 

 

 

 

 

6 CONCLUSAO

 

Como muitas mulheres têm como objetivos o fato dela poder conceber uma vida. Contudo, para algumas pode-se tornar uma grande tristeza, pelo fato delas sofrerem com a infertilidade feminina.

De acordo com o estudo realizado pode- se comprovar que a Medicina Tradicional Chinesa, especificamente a Acupuntura tornou-se uma aliada para essa patologia, tanto como tratamento principal com coadjuvante.

Entretanto, existe ainda uma grande lacuna nos textos específicos sobre o trabalho do acupunturista nesta área, que o mesmo é pouco valorizado. A pesquisa também mostrou que esta especialidade da Medicina Tradicional Chinesa é um campo muito abrangente que merece mais atenção, e necessita de estudos mais específicos.

 

 

 

 

7 REFERENCIAS BIBLIOGRAFICAS

 

Auteroche, B.; Navailh, P.; Maronnaud, P.; Mullens E. Acupuntura em Ginecologia. Editora Andrei, vol único; 1987

Acupuntura. http://pt.wikipedia.org/wiki/Acupuntura Acessado em 27 de maio de 2015

ATLAS GRÁFICO DE ACUPUNTURA – Um manual ilustrado dos pontos de acupuntura (YULIN LIAN; et al.2005/2007).

Chonghuo, T. Tratado de Medicina Chinesa. Ed 1ª, editora Roca, São Paulo; 1993.

Guyton, A. C.; Hall, J. E. Fisiologia Humana e Mecanismos das Doenças. Ed Guanabara, 6ª Ed, Rio de Janeiro; 1998.

Infertilidade. HTTP_wikipedia.org_w_index.pdf Acessado em 06 de out. 2009

KendaChang R; Chung P. H; Rosenwaks Z. Role of Acupuncture in the treatment of female infertility. Fertility and sterility. V. 78, n. 6, 2002. Ll 1999, p. 197 apud FERREIRA, 2003, p. 9)

Macedo, S. F.; Avaliação da infertilidade feminina. Sociedade brasileira de Endocrinologia. N.13, ano IV; Julho de 2002.

Maciocia, G. Os fundamentos da Medicina Chinesa. Editora Roca, edição 1ª, 1996.

Silva, A. S. T. Acupuntura sem segredos: tratamento natural, milenar e científico. Revista de psicologia Actual. Lisboa, v. 1, n° 10, p 1-7, 2007.

Vectore, C. Psicologia e Acupuntura: primeiras aproximações. Rev. Psicologia e Ciência. Brasília,V. 25, n. 2, p. 266-285, Junho de 2005.

White A. R. Uma Revisão de estudos controlados de acupuntura para os cuidados da saúde reprodutiva das mulheres. Jornal fam plann reprod health care. V. 29, n. 4, p. 233-236, outubro de 2006.

Yamamura, Y; Tabosa, A. M. F; Yabuta, M. M. Enfoque da medicina tradicional Chinesa sobre a infertilidade sem causa aparente. Rev. Paul. Acupuntura. V. 5, n. 1, p. 51-58, jan-jun, 1999.

Yamamura, Y. Acupuntura Tradicional: A arte de inserir. 2.ed. rev. e ampl. São Paulo: Roca, 2001