USO DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA

USO DA ACUPUNTURA NO TRATAMENTO DA LOMBALGIA
0 17/08/2017

Uso da Acupuntura no Tratamento da Lombalgia

Autor: Márcia Ximenes Carneiro

 

Resumo:

A dor lombar é uma grande representação nas afecções do aparelho locomotor e uma das principais ausências ao trabalho nos países industrializados. A acupuntura, por sua vez, através do estímulo do acuponto, tem acesso direto ao sistema nervoso central, podendo ser um bom aliado no tratamento da lombalgia. Os resultados obtidos indicam que há evidências de que o uso da acupuntura apresenta eficácia, em especial no tratamento da lombalgia crônica. O estudo através de pesquisas bibliográficas possibilitou uma revisão dos conceitos, teorias e possibilidades no tratamento envolvendo essa patologia que acomete uma grande parte da população.

Palavra- chave : Lombalgia , Acupuntura , Rim (Shen)

 

Abstract:

Low back pain is a great representation in disorders of the locomotor system and a major absences from work in industrialized countries. Acupuncture, in turn, through the acupoint stimulus has direct access to the central nervous system and can be a good ally in the treatment of lombalgia. Os results indicate that there is evidence that the use of acupuncture has efficiency in especially in the treatment of chronic low back pain. The study by bibliographic research enabled a review of conceptualizations, theories and possibilities in the treatment involving this disease that affects a large part of the population.

Password: Back pain , Acupuncture

 

 

 

Introdução:

            A lombalgia,, também conhecida popularmente como “ dor nas costas”, é uma alteração musculoesquelética no aparelho locomotor. Nos dias atuais devido ao avanço tecnológico e a vida sedentária das pessoas os problemas de “dor nas costas” vêm aumentando progressivamente devido ao aumento da expectativa de vida da população.

             A lombalgia, ou dor nas costas, lidera o ranking do Instituto Nacional da Seguridade  Social ( INSS ) das doenças que mais afastam os brasileiros de seus trabalhos, chegando a mais de 100mil por ano. Ainda, segundo a Organização Mundial da Saúde, de cada 10 pessoas, oito terão este problema ao menos uma vez na vida. Na profissão e no dia a dia uma série de motivos, como postura ou equipamentos inadequados, levam a esse sintoma (JORNAL DE BRASÍLIA,2016).

              Os sintomas e a intensidade da lombalgia variam a cada indivíduo.

              Na Medicina Ocidental os tratamentos utilizados são fisioterapia, medicamentos ou cirurgia, variando com a causa da dor. O uso de medicamentos nem sempre são eficazes e com efeitos colaterais.

              Na Medicina Tradicional Chinesa, toda coluna vertebral e consequentemente a região lombar é dependente do Shen Qi ( energia dos rins ), e quando existia uma deficiência dessa energia, aparecia a condição básica para as alterações energéticas, funcionais e orgânicas na região ( YAMAMURA, 2013 ).

              Já o Maciocia (2007) relatou que as condições patológicas mais comuns para a Medicina Chinesa são: a retenção de umidade-frio, a estagnação de Qi do Fígado. Para harmonizar esse quadro patológico, usou recursos da acupuntura, que é um ramo da Medicina Chinesa praticada com inserção de agulhas especiais inseridas em pontos específicos do corpo, acupontos. E de acordo também com o Maciocia (2007) estes fatores são desencadeantes dos seguintes padrões de desarmonia:

  • Deficiência do Yang do Rim ( Shen );
  • Deficiência do Yin do Rim;
  • Rim falhando ao receber o Qi;
  • Deficiência da Essência do Rim;
  • Rim e Coração em desarmonia.

Ponto de Vista Ocidental

       A lombalgia por ser uma das principais causas de afastamento do trabalho podendo ser  crônica, e o tratamento convencional nem sempre é eficaz para o alívio dor lombar é que entramos com a acupuntura e os resultados foram muito melhores. Para a Medicina Ocidental a desestruturação do sistema ósseos e ligamentar, tumores, processo degenerativos e inflamatórios são causas para a lombalgia. Ela pode vir irradiada para os membros inferiores (dor ciática ). Pode ser de forma aguda ou crônica, dependendo de como o indivíduo apresenta e o tempo de duração da dor.

       A lombalgia do tipo aguda é por lesões nos ligamentos ou músculos da coluna,  até por fraturas nas vertebras geralmente associadas a osteoporose, tumores, traumas  violentos entre outros. Nesse tipo a dor irá iniciar de modo súbito e brusco. Já a lombalgia do tipo crônica é devido a uma sobrecarga dos ligamentos da coluna, produzida  pelo desgaste dos discos intervertebrais por defeitos congênitos, enfraquecimento da musculatura, posturas inadequadas no trabalho e no esporte. Na maioria das vezes inicia-se de forma repentina e com muitas recidivas.

        Os sintomas e a intensidade da dor vai varia para cada indivíduo, de leve até uma dor muito intensa e incapacitante.

Ponto de vista Oriental

            A  Medicina Tradicional Chinesa, por sua vez, considera a região lombar, assim como toda a coluna vertebral, dependente do Shen Qi, cuja tradução é “Mente/Energia” dos Rins, e quando existe uma deficiência de Qi, surge a condição básica para que haja alterações energéticas, funcionais e orgânicas na região, quando a deficiência de Shen Qi (Rins) está associada a patologia energética dos Zang Fu ( Órgãos e Vísceras) e dos Jing Luo (Canais de Energia e Colaterais). Assim, as diversas formas de lombalgia, consideradas pela MTC, estão condicionadas às afecções dos Canais de Energia Principais, Curiosos, Distintos, Tendinomusculares.

            As lombalgias são uma das manifestações álgicas mais frequentes e na concepção da Medicina Tradicional Chinesa, sempre estão associadas à deficiência de Shen Qi (Rim). Assim, os Canais de Energias que passam pela região lombar podem sofrer obstrução na circulação de Qi, resultando em estagnação de Qi e Xue (Sangue) na região lombar. Yamamura (2010). Os canais de energia constituem em meio de ligação entre o exterior,  e vice-versa, transmitindo e recebendo diversas formas de energia destes meios.

            Yamamura (2010) fala que a região lombar é um local frenquente de algias cujas intensidades variam desde uma sensação de incômodo até dores atrozes que incapacitam a pessoa de realizar trabalhos cotidianos ou profissionais. A Medicina Ocidental atribui  como causas da lombalgia, desestruturação do sistema osteoligamentar, assim como os processos inflamatórios, degenerativos e tumorais. Já na Medicina Tradicional Chinesa fala que a região lombar assim como toda a coluna vertebral, tem relação com o Shen Qi (Rim). Podendo se apresentar um quadro de deficiência de Qi levando à alterações energéticas, funcionais e orgânicas na região.

            Maciocia (2010) divide a lombalgia e seu tratamento de acordo com os quadros agudos e crônicos. A lombalgia aguda é proveniente de Umidade-Frio ou Estagnação de Qi e Sangue (Xue). Já a lombalgia crônica é proveniente da deficiência do Rim e pode ser combinada com retenção de Umidade-Frio ou Estagnação de Qi e Sangue (Xue).

            A acupuntura baseia-se no equilíbrio energético de forma global proporcionando um excelente resultado, por isso se torna eficaz nos quadros de lombalgia. A acupuntura induz o organismo a produzir esteroides que diminuem o processo inflamatório e estimula a produção de endorfinas (MACIOCIA, 2010).

            Na neurofisiologia a acupuntura age principalmente sobre as fibras nervosas A-delta e C, desencadeando potencial de ação na membrana destas fibras cujo estímulo segue até a medula espinhal. (YAMAMURA, 2010).

            O sucesso de um tratamento não se constitui em uma diferenciação de padrões, mas na identificação adequada dos canais envolvidos. Por isso devemos começar o tratamento da lombalgia após uma boa anamnese não podendo deixar de verificar também a língua e o pulso. Para a MTC a língua é capaz de manifestar a presença de doenças em vários órgãos, observando a cor, forma, cobertura e umidade. Isso ajuda a detectar a patologia. Bem como o pulso, que através do nível, frequência, volume, calibre e intensidade também iremos detectar a patologia. Como a região lombar é o palácio do Rim, sempre que houver alguma alteração de excesso ou deficiência irá comprometê-la. A deficiência do Yin do Rim provoca a escassez dos fluidos corpóreos e conduz à secura, provocando boca seca à noite, constipação e urina escura e escassa. Teremos como manifestações clínicas a tontura, tinido, vertigem, memória fraca, dificuldade para ouvir, sudorese noturna, boca e garganta secas à noite, lombalgia, dolorimento nos ossos, emissões noturnas, constipação, urina escura e escassa, infertilidade, ejaculação precoce, cansaço, lassitude, depressão, ligeira ansiedade. A língua será de cor normal, sem revestimento e o pulso será Flutuante-Vazio (MACIOCIA, 2010).

            Já como deficiência de Yang do Rim, como não terá Qi suficiente para dar força aos ossos e a região dorsal, consequentemente haverá sensibilidade da região dorsal e fraqueza nas pernas e joelhos. Nas manifestações clínicas iremos ter lombalgia, tontura, tinido, joelhos frios e fracos, sensação de frio na região lombar, sensação de frio, pernas fracas, compleição branco-brilhante, cansaço, lassitude, urina clara e abundante, micção à noite, apatia, edema da pernas, infertilidade nas mulheres, fezes amolecidas, depressão, impotência, ejaculação precoce, contagem baixa de esperma, esperma frio e ralo, libido diminuída, a língua será pálida e úmida e o pulso será profundo-debilitado (MACIOCIA,2010).

            Temos também a deficiência do Qi do Rim que é basicamente uma disfunção do Rim em receber o Qi, além de ser considerado um tipo de padrão de deficiência do Yang do Rim. Esse padrão também é caracterizado pelo fracasso na comunicação entre o Pulmão e o Rim. Nesse padrão teremos como manifestações clínicas o encurtamento da respiração por esforço, respiração rápida e fraca, dificuldade para inalar, tosse crônica e/ou asma, transpiração espontânea, membros frios, membros frios após transpirar, inchaço na face, corpo delgado, apatia mental, urina clara durante acesso de asma, lombalgia, tontura, tinido. Não esquecendo de falar que a língua será pálida e o pulso profundo,debilitado,tenso (MACIOCIA, 2010).

            Já a deficiência da Essência do Rim é considerado como um tipo de padrão de deficiência do Yin do Rim,uma vez que a Essência do Rim é parte do Yin. Porém há também um aspecto Yang para a Essência do Rim, de maneira que uma deficiência da Essência do Rim pode também ser observada sobre uma base da deficiência do Yang do Rim. Nesse caso a língua estaria pálida. Teremos como manifestações clínicas nesta deficiência em crianças o mau desenvolvimento ósseo, fechamento tardio da fontenelas, surdez, embotamento ou retardamento mental. Já em adultos será o amolecimento dos ossos, fraqueza dos joelhos e das pernas, memória fraca, perda de dentes, queda ou embranquecimento prematuro dos cabelos, fraqueza na atividade sexual, lombalgia, infertilidade, esterilidade, amenorréia primária, tontura, tinido, surdez, visão turva, distração, clareza mental diminuída. Teremos a língua sem revestimento, se esse padrão ocorrer em um terreno de deficiência do Yin do Rim e pálida, se for num terreno de deficiência do Yang do Rim. Não podemos de deixar de falar que o pulso será flutuante-vazio ou em couro (MACIOCIA, 2010).

            No padrão de Rim e Coração em desarmonia será basicamente caracterizada pela deficiência do Yin do Rim falhando ao nutrir o Yin do Coração, que também se torna deficiente. Suas manifestações clínicas seriam palpitações, inquietude mental, insônia, sono perturbado por sonhos, ansiedade, memória fraca, tontura, tinido, dificuldade para ouvir, lombalgia, emissões noturnas com sonhos, sensação de calor ao anoitecer, garganta seca à noite, sede com vontade de beber em pequenos goles, sudorese noturna, calor nas cinco palmas, urina escura e escassa, fezes ressecadas. A língua neste caso será vermelha com a ponta muito vermelha, sem revestimento, rachadura do Coração na linha média. No pulso será Flutuante-Vazio e Rápido ou Profundo-Debilitado nas posições anteriores (MACIOCIA, 2010).

            Para se realizar o tratamento da lombalgia através da acupuntura o paciente deve ser analisado pelo terapeuta por meio de observação,interrogatório,palpação,verificação do pulso e da língua.Após esta avaliação poderemos usar como conduta terapêutica para tonificar,fortelecer,tirar as dores,regular o fluxo,relaxar a musculatura e dissipar a umidade os seguintes pontos.

 

 

Meridiano

 

Ponto

 

Função

 

 

 

 

 

 

 

 

Bexiga

              B10   Ponto distante para dor lombar
              B23   Tonifica o Yang do Rim
              B25    Regula o fluxo do Qi e fortalece região lombar
              B28    Dissipa a umidade e fortalece a região lombar
              B32   Para dor e diminuição de sensibilidade na região lombar
              B40

 

   Para dor lombar
              B52    Tonifica o Rim e dor lom-bar
              B57

 

   Fortalece a região lombar
              B60

 

   Para dor lombar
              B62

 

   Para dor na coluna toda
 

 

 

Rim

              R3    Tonifica o Yin do Rim e a Essência
              R6

 

    Tonifica o Yin do Rim
              R7     Específico para tonificar o Yang do Rim
              R10     Específico para tonificar o Yin do Rim
             Estômago               E36     Tonifica o Qi em geral e é importante para tratar condições crônicas
 

Vaso Conceptor

              VC4     Tonifica o Yin do Rim e a Essência do Rim
              VC6

 

     Tonifica e firma o Qi
     Vaso Governador               VG3      Para dor Lombar e fortalece as costas e as pernas
              VG4       Tonifica o aspecto Yang da Essência
 

 

 

Vesícula Biliar

              VB25      Fortalece e aquece o Rim e protege a região lombar
              VB30     Fortalece a região lombar e quadris
              VB34

 

    Relaxa a musculatura
      Pulmão e Rim             P7 e R6     Abrem o vaso conceptor e nutrem o Yin do Rim
    Vaso Conceptor e Rim            VC4 e R13     Tonificam o Rim em especificamente e fortalece  a recepção do Qi do Rim
          Coração               C7     Dor causada por espas-mos nas costas,,,,,
           Fígado               F3     Rigidez nas costas

 

 

 

            Podemos usar moxa em VC4 para tonificar o Yang do Rim.Podemos fazer acupuntura também os pontos extras nas costas Ex 6 para alívio da dor lombar e Ex 7(olhos lom-bares) que protege o Rim e alivia a dor.

Considerações finais:

            Nessas considerações poderia falar que a maioria das pessoas recupera-se bem do quadro agudo da dor na região lombar, apesar de muitos evoluírem para um quadro crônico, desencadeando consequências. A dor lombar pode vir associada a espasmos ocasionado uma série de consequências, onde a acupuntura por ser uma alternativa da Medicina Tradicional Chinesa, visa tratar dessa dor desde o alívio das dores até a sua cura interrompendo o ciclo da dor fazendo com que diminuem os espasmos musculares. Poderemos constatar também nesta revisão bibliográfica que no momento que a acupuntura induz o organismo a produzir os esteróides a inflamação diminuirá. Com isso o paciente portador de lombalgia terá a vantagem de diminuir os antiinflamatórios, analgésicos e não terá efeitos colaterais.

            No momento que harmonizamos os padrões energéticos que estão com deficiências, excessos e fortalecemos, dissipamos a umidade e relaxamos a musculatura, a dor aguda desaparecerá e a dor crônica terá menos probabilidade de ocorrer.

 

Referências Bibliográficas:

AUTEROCHE, B. & NAVAILH, P. O Diagnóstico Na Medicina Chinesa. São Paulo: Andrei, 1992.

MACIOCIA, Giovanni. Fundamentos da Medicina Chinesa. São Paulo, Ed Roca 2007.

YAMAMURA, Ysao. Acupuntura tradicional: a arte de inserir. 2.ed.rev.e ampl. São Paulo: Roca, 2013.

LIAN, Yu-Lin; CHEN, Chun-Yan; HAMMES, Michael; KOLSTER, Bernard C. Atlas Gráfico de Acupunctura. H.f.ullmann, 2012.

ORGANIZAÇÃO MUNDIAL DE SAÚDE. Versão Beta do Novo Portal Jornal de Brasília. 29 de abril de 2016. Disponível em: WWW.jornaldebrasilia.com.br . Acesso em junho de 2016.

FEITAL, A. C. A. Acupuntura no tratamento das lombalgias ( Monografia ), Universidade de Mogi das Cruzes, 2011.