TRATAMENTO DA INSÔNIA ATRAVÉS DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA

TRATAMENTO DA INSÔNIA ATRAVÉS DA MEDICINA TRADICIONAL CHINESA: UMA REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
0 17/08/2017

Tratamento da Insônia através da Medicina Tradicional Chinesa: uma Revisão Bibliográfica

Autor: Márcia Cardoso Veiga de Mello Corrêa

 

 

Resumo: A insônia é conceituada como a dificuldade de iniciar ou manter o sono, insatisfação com a qualidade do sono que interfere no desempenho das atividades sociais e cognitivas. Embora o tratamento farmacológico seja comumente utilizado, as terapias não farmacológicas, tais como mudanças de comportamento através da terapia cognitiva e Medicina Tradicional Chinesa têm sido muito procuradas. O presente estudo tem por objetivo abordar os conceitos de insônia segundo a visão médica ocidental e oriental, além de analisar as ações da acupuntura no seu tratamento. Para tanto foi realizado uma pesquisa em obras bibliográficas e nas bases dados da BVS, através dos seguintes critérios: artigos científicos em língua portuguesa, edições dos últimos 10 anos, através dos descritores: “conceito de insônia” e “tratamento de insônia através da acupuntura”. Na revisão literária foram abordados os aspectos etiológicos, fisiopatologia ocidental e oriental e terapêutica através da acupuntura. Conclui-se que a insônia esta cada vez mais presente no cotidiano das pessoas, e que  seu tratamento,  cada vez mais voltado para as terapias não medicamentosas e para as terapias complementares, devido o menor agravo à saúde e dependência.   

Palavras-chave: Insônia, Tratamento, Acupuntura.

 

Abstract: Insomnia is defined as difficulty initiating or maintaining sleep, dissatisfaction with the quality of sleep interferes with the performance of social and cognitive activities. Although pharmacological treatment is commonly used, non-pharmacological therapies, such as behavior change through cognitive therapy and Traditional Chinese Medicine were very popular. This study aims to address concepts insomnia according to Western and Eastern medical perspective, and analyzing acupuncture actions in their treatment. For this research in bibliographic works and the BVS databases was performed using the following criteria: scientific articles in English, in recent issues of 10 years, through the descriptors: “concept of insomnia” and “insomnia treatment through acupuncture”. In the literature review were addressed etiological aspects, Western and Eastern pathophysiology and treatment through acupuncture. It is concluded that insomnia is more and more present in daily life, and treatment, increasingly focused on non-drug therapies and complementary therapies, because the less damage to health and addiction.Keywords: Insomnia, Treatment, Acupuncture.

 

  1. INTRODUÇÃO

A temática abordada no presente estudo trata da revisão bibliográfica acerca da   insônia na Medicina Tradicional Chinesa (MTC), especificamente como delimitação para sua conceituação e aplicação na restauração do sono do paciente através da a acupuntura.

Segundo a Classificação Internacional de Distúrbios do Sono, ter insônia é apresentar dificuldades repetidas para iniciar e/ou manter o sono, despertar precoce ou sono não restaurador. Em relação à sua duração, a insônia deve ser considerada crônica quando os sintomas persistem por um período maior que há um mês, ou aguda se ela estiver agregada à presença de um fator estressor e não exceder um período superior a três meses (PASSO, et al, 2007).

A insônia refere-se à dificuldade de adormecer, uma de suas manifestações consiste em a vida mental ser enredada por memórias de partes ou segmentos do acontecer na vigília numa espécie de agitação envolvendo prazer ou medo. Ocorre uma predisposição à excitação mental, cujos conteúdos variam em conformidade com a estimulação e com as circunstâncias anteriores, logo, pode haver uma torrente de memórias e associações ou um redemoinho mental difícil de ser controlado, que entretém o paciente desviando-o do sono. Em alguns casos, o sono é extremamente superficial, com ou sem pensamentos, emoções e imagens, dificultando o repouso (TRINCA, 2009).

As mudanças na quantidade de sono são maiores durante a infância, decrescendo de 16 horas por dia nos primeiros dias de vida, para 14 horas ao final do primeiro mês e 12 horas no sexto mês de vida. Posteriormente, a essa idade o tempo de sono da criança diminui 30 minutos ao ano até os cinco anos. Na vida adulta decresce a quantidade e varia o ciclo do sono em função da idade e de fatores externos, com o avanço da idade ocorrem perdas na duração, manutenção e qualidade do sono (MULLER; GUIMARÃES, 2007).

Os transtornos primários do sono se subdividem em dissonias (caracterizadas por causar sonolência diurna excessiva ou dificuldade para iniciar e/ou manter o sono) e em parassonias (caracterizadas pela presença de condutas anormais associadas ao sono, como o sonambulismo e sonilóquio) (MONTI, 2000).

Monti (2000) descobriu no laboratório do sono, através da polissonografia, a existência de alterações da indução, da continuidade e da estrutura do sono. Desse modo, a latência para o começo da etapa 2 do sono não-REM (movimento não rápido dos olhos) supera normalmente 30 minutos. O tempo de vigília logo após o começo do sono é superior aos 60-90 minutos e o número de vezes em que a pessoa acorda durante a noite é com frequência maior que 10. A duração do tempo total do sono não supera 5-6 horas e a eficiência do sono (relação entre o tempo que o paciente permanece deitado e o tempo durante o qual dorme) é geralmente inferior a 80-85%.

Kubota; Silva; Masioli (p. 120, 2014) afirma que: “A insônia consiste em uma das queixas mais comuns de distúrbio do sono, acometendo principalmente as mulheres e sua prevalência é de 10 a 40% na população em geral”.

O tratamento para insônia pode ser não farmacológico como: higiene do sono, terapia cognitiva, acupuntura, dentre outros. E tratamento farmacológico através de o uso de fármacos hipnóticos, como os benzodiazepínicos, os mais utilizados no Brasil.

No que se refere especificamente aos problemas relacionados com o sono, foi ressaltado nessa pesquisa, o valor da acupuntura no tratamento da insônia.

A medicina ocidental caracteriza-se pelo princípio do tratamento de doenças, de modo a curá-las.  Nela o enfoque é preventivo, o medicamento é à base da prática médica e a definição de doenças e meios de combate (AUTEROCHE; NAVAILH, 2004).

Para Medicina Tradicional Chinesa (MTC), que possui uma visão peculiar do corpo humano,  as doenças são interpretadas como sendo causadas por fatores externos e internos, os quais são capazes de alterar o funcionamento adequado dos órgãos e vísceras (zang-fu), promover o bloqueio de fluxos energéticos e circulatórios do corpo (qi = energia vital / xue = sangue), principalmente através dos canais e colaterais (jing luo), onde estão localizados os pontos de acupuntura (SILVA FILHO; PRADO, 2007).

Para Haddad; Medeiros; Marcon:

A acupuntura é uma prática milenar chinesa que vem sendo utilizada no ocidente e consiste na aplicação de agulhas finas e flexíveis em pontos específicos distribuídos pelo corpo para a estimulação de nervos periféricos localizados nos pontos de inserção das agulhas. Com isto, ocorrerá alteração nos neurotransmissores do sistema nervoso central (SNC) com consequente modulação de respostas positivas frente aos desequilíbrios energéticos apresentados.

(HADDAD; MEDEIROS; MARCON: 2012, p. 83)

Yang qi e yin qi são as duas partes antagônicas da energia de embasamento. Se tomarmos como referência as funções e a matéria, a energia yang refere às funções, a energia yin a matéria, se tomarmos a direção dos movimentos e sua natureza, um movimento para o exterior, para o alto, que prospera, reforça ou acalma, é yang qi, um movimento para o interior, para baixo, que oprime, é yin qi. O qi é yang em relação ao xue, o qi tem a função de aquecer, proteger, transformar e ascender às funções yang, o xue tem a função de nutrir e umedecer, papéis tipicamente yin (MACIOCIA, 1996).

O presente estudo tem por objetivo abordar os conceitos de insônia segundo a visão médica ocidental e oriental e analisar as ações de acupuntura no tratamento. Para tanto foi realizado uma pesquisa nos períodos de março a junho através de obras bibliográficas e nas bases dados da BVS (Biblioteca Virtual de Saúde) seguindo os seguintes critérios: artigos científicos em língua portuguesa, edições dos últimos 10 anos, através dos descritores: “conceito de insônia” e “tratamento de insônia através da acupuntura”.

No resultado desta pesquisa foram encontrados 58 artigos, e selecionados 09 pertinentes aos critérios. E devido à escassez de material on line, num segundo momento, foram acrescentadas obras literárias como  apoio para compreensão dos objetivos.

  1. REVISÃO DE LITERATURA

2.1 MEDICINA OCIDENTAL

 

2.1.1 CONCEITO E MANEJO DA INSÔNIA EM MEDICINA OCIDENTAL

Segundo a Classificação Internacional de Distúrbios do Sono (International Classification of Sleep Disorders – ICSD) a insônia é caracterizada a partir de três critérios. O primeiro trata de uma queixa de dificuldade para iniciar ou manter o sono, despertar precoce ou sono cronicamente não restaurador e de qualidade ruim. O segundo é que os sintomas citados no primeiro critério acontecem apesar de existirem condições adequadas para o sono. E o terceiro critério abrange a presença de algumas queixas que estão relacionadas às dificuldades do sono como: fadiga; déficit de atenção; concentração e memória; disfunção sexual e profissional; irritabilidade; sonolência excessiva diurna; falta de motivação e energia; propensão a erros, cefaléias; tensão e sintomas gastrointestinais. Essas características necessitam estar presentes para o diagnóstico de transtorno de insônia (KUBOTA; SILVA; MASIOLI, 2014).

Segundo Silva Filho; Prado (2007) a insônia está relacionada à ansiedade, depressão, estresse, dor muscular e/ou articular, uso de medicamentos e ambiente inadequado. Nos casos em que não se relaciona com um fator causal evidente, é tida como insônia primaria, sem causa bem definida, havendo melhora espontânea.

As principais manifestações clínicas são a dificuldade para adormecer à noite,  despertar durante o dia, despertar muito cedo, não se sentir descansado após uma noite de sono, cansaço ou sonolência diurna, depressão ou ansiedade, além de dificuldade para prestar atenção (RAUSCH, 2009).

Acredita-se que uma vez instituído o diagnóstico, as opções de tratamento sejam o medicamentoso, as terapias cognitivo comportamentais, sendo indispensável o acompanhamento médico adequado. No tocante aos medicamentos, atualmente dá-se preferência aos que não provocam dependência e podem ser reduzidos ou retirados futuramente.

Segue a baixo, uma tabela contendo nome dos autores, titulo do artigo, ano da publicação e o conceito de insônia na medicina ocidental.

AUTOR (S) TITULO DO ARTIGO ANO DE PUBLICAÇÃO CONCEITO DE INSÔNIA
VARELA, M. J. V, et al. Insônia: doença crônica e sofrimento. 2005 Define a insônia como dificuldade em iniciar ou manter o sono, ou mesmo a percepção de um sono não-reparador, combinada com consequências adversas durante o dia, como fadiga excessiva, queda da “performance” ou   mudança de humor. Insônia é um sintoma sempre que a quantidade ou qualidade de sono e insatisfatória.
NUNES, L. G; CALVA-  CANTE, V. Avaliação clínica e manejo da insônia em pacientes pediátricos. 2005 A insônia é definida como a dificuldade de iniciar ou manter o sono e apresenta características diversas durante o desenvolvimento. Na infância, mais do que redução do tempo total em sono, observa-se uma discrepância entre as necessidades de sono da criança e o padrão estabelecido pela família.
RAUSCH, C. Só tem insônia quem quer. 2009 A insônia é uma combinação de fatores, incluindo doenças físicas ou mentais subjacentes. Uma das causas mais comuns são a depressão, artrite, doença renal, insuficiência cardíaca, asma, apnéia do sono, narcolepsia, síndrome das pernas inquietas, doença de Parkinson e hipertiroidismo.
ROBAINA, J. R. Eventos de vida produtores de estresse e queixas de insônia entre auxiliares de enfermagem de um hospital universitário no Rio de Janeiro: Estudo Pró-Saúde. 2009 A insônia é o transtorno do sono mais frequente na população em geral, sendo reconhecida pela

OMS (Organização Mundial de Saúde) como um problema de saúde pública devido ao impacto negativo à saúde física e mental, atividade social, capacidade para o trabalho e qualidade de vida dos indivíduos.

OLIVEIRA, B. H. D. et al. Relações entre padrão do sono, saúde percebida e variáveis socioeconômicas em uma amostra de idosos residentes na comunidade – Estudo PENSA.

 

2010  Caracteriza-se por dificuldade em adormecer, dificuldade em permanecer adormecido (com frequentes despertares durante a noite) e/ou acordar precocemente pela manhã. Os sintomas diurnos comuns de pacientes com insônia são fadiga, cansaço fácil, ardência nos olhos, ansiedade, fobias, incapacidade de concentrar-se, déficit de atenção, dificuldade de memória, mal-estar e sonolência.
NEVES, G. S. M. L. et al. Transtorno do sono: visão geral. 2013 A insônia pode ser definida como o transtorno do sono caracterizado por dificuldade em iniciar o sono; dificuldade em manter o sono, com múltiplos despertares durante a noite; despertar cedo; sono não restaurativo; movimentos /comportamentos anormais  durante a noite; fadiga ou sonolência diurna; dificuldade de concentração; irritabilidade; ansiedade; depressão; e dores musculares. É o transtorno do sono mais frequente na população, representando um importante problema de saúde pública. Sendo alguns dos seus fatores de risco o envelhecimento, sexo feminino, comorbidades, trabalho por turnos e, provavelmente, desemprego e menor status socioeconômico.
 NUNES, M. L; BRUNI, O.      Insônia na infância e adolescência: aspectos clínicos, diagnóstico e abordagem terapêutica.  2015  A insônia pode ser definida como a dificuldade de iniciar o sono (em crianças considera-se a dificuldade que ocorre para iniciar o sono sem a intervenção de cuidadores); ou de manter o sono (despertares frequentes durante a noite e dificuldade de retornar ao sono sem intervenção de cuidadores); ou despertar antes do horário habitual com incapacidade de retornar ao sono. A insônia pode causar sofrimento e prejuízo no funcionamento social, profissional, educacional-acadêmico ou comportamental.

Fonte: Pesquisa na BVS e obras literária.

 

2.2 MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

 

2.2.1 CONCEITO E MANEJO DA INSÔNIA EM MEDICINA TRADICIONAL CHINESA

Auteroche; Navailh (2004) afirmam que a Medicina Tradicional Chinesa tem o foco na vida saudável preventivamente. O seu princípio é o equilíbrio da energia no corpo, em que se procura manter o fluxo desta energia sem bloqueio, má distribuição ou de forma incorreta. A doença é resultante da ocorrência de fenômenos distintos e simultâneos, que geram desarmonia global.

Para Takiguchi (2008), a acupuntura visa ao equilíbrio das energias do corpo. O que se obtém através da puntura de agulhas em pontos específicos de acúmulo de energia, conhecidos como acupontos, os quais estão distribuídos ao longo de meridianos de acupuntura, segundo a sua linha clássica, com alguns mecanismos de ação cientificamente evidenciados.

A quantidade e a qualidade do sono dependem do curso no estado da mente (shen). A Mente é arraigada no coração, especificamente no sangue (xue) e no yin do coração. Se o coração for saudável e o sangue abundante, a mente é devidamente enraizada e o sono será profundo, caso o coração seja deficiente ou agitado por fatores patogênicos como o fogo, a mente não é devidamente enraizada e o sono será afetado. Qualquer desarmonia dos órgãos internos, seja originária de deficiência ou de excesso, afeta o sangue e a essência (jing). Uma vez que jing e o qi são as raízes da mente e xue a “terra” para que as raízes de fixem, a mente não conseguirá se ancorar no coração, ficando sem residência, resultando em insônia.

A alma etérea (hun) também possui funcionalidade na fisiologia e patologia do sono, a duração e a qualidade do sono, são relacionadas com seu estágio. Se for bem enraizada no fígado, o sono é normal, profundo e sem muitos sonhos. Se o yin ou o sangue do fígado for deficiente, a alma etérea é despojada de sua resistência e vagueia à noite, ocasionando sono inquieto, acompanhado de vários sonhos fatigantes, além de poder ser afetada por qualquer fator patogênico (como o fogo ou o vento), agitando o fígado (MACIOCIA, 1996).

Segundo teorias da MTC, os pontos que estimulam a mente, devem ser sempre considerados nos tratamentos de pacientes acometidos por insônia. E também deve-se esperar concomitantemente, queixas de ansiedade e compulsão nos casos de exacerbação do fluxo energético do coração juntamente com o fígado, os quais são identificados como os órgãos  (zang) mais emocionais.  Os órgãos e vísceras (zang-fu) possuem funções, relações e associações importantes do ponto de vista prático para o praticante da medicina chinesa (SILVA FILHO; PRADO, 2007).

Quando uma pessoa sofre de insônia, outros dois órgãos, além dos rins, estão fora de equilíbrio: o coração e o fígado. Cada um destes dois órgãos abriga um aspecto específico do espírito. Se esses órgãos estão fora de equilíbrio, eles não serão capazes de abrigar o espírito corretamente, e o espírito vai vagar. Um espírito errante, ou perturbação do shen (espírito do coração), pode manifestar-se de várias maneiras, incluindo distúrbios de humor e palpitações, mas a insônia é um dos sintomas mais comuns (YAMAMURA; YAMAMURA, 2010).

Os seguintes sintomas são observados na estagnação do qi do fígado: inquietação, irritabilidade, insônia, boca seca com um gosto amargo, dor de cabeça, congestão conjuntival, urina amarela escura, constipação, língua vermelha com revestimento amarelo, um pulso firme e rápido (YAMAMURA, 2003).

Segue a baixo, uma tabela contendo nome dos autores, titulo do artigo, ano da publicação e conceitos de insônia , segundo a MTC.

AUTOR (S) TITULO DO ARTIGO ANO DE PUBLICAÇÃO CONCEITO DE INSÔNIA
FOCKS, C.  Atlas de Acupuntura: com sequência de fotos e ilustrações, textos didáticos e indicações clínicas. 2005 A insônia pode ocorrer como resultado de condições de excesso, tais como fogo do fígado, fogo do coração e estagnação do alimento no estômago. Sendo também um sintoma de deficiência, especialmente yin do coração, sangue, ou deficiência de qi.
SILVA FILHO; PRADO Os efeitos da acupuntura no tratamento da insônia: revisão sistemática. 2007 .Deficiência do Coração e do Baço (xin pi liang xu)

.Hiperatividade do fogo devido à deficiên­cia do yin (yin xu huo wang)

.Ascensão do fogo excessivo do fígado (gan huo shang rao)

.Desordem do qi do estômago (wei qi bu he)

.Deficiência do coração e da vesícula biliar (xin dan liang xu)

.Desarmonia entre o coração e o rim (xin shen bu jiao)

.Calor-mucosidade agredindo o coração (tan re xin rao)

.Fogo exuberante do coração (xin huo sheng)

TAKIGUC-HI, R. S, et al Efeito da acupuntura na melhora da dor, sono e qualidade de

vida em pacientes fibromiálgicos: estudo preliminar.

2008 A acupuntura tem sido uma técnica muito utilizada na atualidade, e tem se mostrado muito eficaz, nas mais diversas áreas, pois visa minimizar os desequilíbrios orgânicos ou a dor propriamente dita.   A acupuntura visa o equilíbrio das energias do corpo através de pontos de acúmulo de energia conhecidos como meridianos de acupuntura segundo a sua linha clássica, com alguns mecanismos de ação cientificamente comprovados.
YAMAMU-RA, Y; YAMURA, M. L.

 

 

Propedêutica energética: inspeção e interrogatório 2010 A patologia da insônia gira em torno de excesso e deficiência. A deficiência do sangue ou do yin, privando mente (shen) e/ou alma etérea (hun) de sua residência; as condições de excesso envolvem calor/fogo ou a estagnação de sangue, agitando a mente e/ou alma etérea.

Fonte: Pesquisa na BVS e obras literárias.

 

2.2.2  TRATAMENTO DA INSÔNIA ATRAVÉS DA ACUPUNTURA

Este item se dedica a mencionar alguns autores, segundo revisão literária e consulta à BVS, e suas propostas de tratamento para insônia com pontos de acupuntura. E ao término destas considerações, será apresentada uma tabela contendo os pontos por eles descritos, informando nome ocidental, nome oriental, localização anatômica e função de cada um deles, de acordo com Focks (2005), Hecker (2007), Focks (2008) e Lima (2015).

A acupuntura influencia diretamente o sistema nervoso, reduz o estresse, equilibra a função adrenal e promove o relaxamento para uma boa noite de sono. A insônia é resultado de condições de excesso, tais como fogo do fígado, fogo do coração e estagnação do alimento. Ou é resultado  da deficiência do yin do coração, sangue, ou deficiência de qi (FOCKS, 2005) (WEN, 2005) (YAMAMURA, 2003). E para o seu tratamento são indicados os pontos C7, PC6, Yintang, B10, B17, B62, VB20, VG16, VC17 e R6.

Yamamura; Yamamura (2010) menciona cinco causas para ocorrência de insônia e um conjunto de pontos para tratamento de cada padrão estabelecido, de acordo com a tabela abaixo.

 

Causa da Insônia Fisiopatogenia Principais Pontos
Insônia por afecção do yang qiao mai Neste caso há deficiência do rim (shen), gerada por repressão de emoções destrutivas, lesando o qi Ancestral e comprometendo o yang qiao mai (canal de energia responsável por levar água orgânica proveniente do rim (shen) para o corpo, principalmente para o cérebro para resfriá-lo). -Tonificar yang qiao mai com B2; unir B2 ao B1.

-Estimular B7, VG20, VB8, VB9 e B10.

-Acalmar o shen (mente) com PC6, C7, VC17 e Yintang.

-Para os casos onde há presença de fadiga, poliúria, nictúria, boca seca, deve-se tonificar o rim (shen) com B23, VG4, VC4, R3, R7, R10, VC5, VC7 e Anmian I e II.

Insônia por vazio do shen-yin (yin do rim) Causada por doenças crônicas debilitantes, fadigas excessivas, hemorragias, bem como emoções destrutivas reprimidas. O yin dos rins é responsável por manter o equilíbrio com o yang dos rins e com ming men (segundo Auteroche e Navailh (1986) – ming men significa “Porta da Vida”, elemento essencial que dá vida ao corpo e está localizado entre os rins, a 1 cun e meio de cada um deles, abaixo do processo espinhoso da segunda vértebra lombar). Desta forma, no vazio do YIN dos rins haverá um falso calor que ascende par o alto do corpo, manifestando-se com a presença de calor nas mãos e região precordial (calor no coração), desregularizando a função reguladora do VC17. Sendo assim, a deficiência de yin dos rins (ou vazio do yin do rim) não permite a nutrição do encéfalo, causando vertigens, zumbidos, ofuscamento da visão e amnésia. Ou pode transformar-se em fogo-vazio (falsa plenitude do yang dos rins), que ascende para o coração e manifesta-se através de palpitações, perturbação do shen (mente), gerando distúrbios do sono, comumente, a insônia. -Tonificar o shen-yin (yin dos rins) com R3, R7, R10, VC5, VC6 e VC7. E quando da melhora da secura na boca, nictúria e redução da frequência cardíaca, antes elevada, deve-se tonificar o shen-yang (yang dos rins) com B22, B23, B52, VG4, e VC4.

-Acalmar a mente (shen) com PC6, C7, VC17, Yintang e VG20.

-Harmonizar o coração (xin) com B15, VC14, C7, VC17 e promover sono com Anmian I e II.

 

Insônia por vazio do wei-yin (yin do estômago) É causada pela plenitude do yang do fígado (gan) ou por alimentação picante, gerando deficiência do wei-yin (yin do estômago) que se manifesta como calor no estômago (wei-re). Este leva ao consumo dos líquidos do estômago, acarretando secura na boca, garganta, e fome sem quere comer. Além de alterar o sentido descendente do fluxo do estômago para o alto, resultando em náuseas e vômitos.  Bem como calor para cima, atingindo a cabeça (cérebro), provocando estado de insônia e agitação ansiosa. Como envolve consumo de líquidos, o calor do estômago também pode aparecer na fase final de período febril, com deficiência do yin do estômago. – Nutrir o yin do estômago (wei-yin) e fortalecer o estômago (wei) com B21, VC12, E42, E44, além de circular o yang ming (corresponde aos canis energéticos do estômago e intestino grosso) com IG4 e E36.

– Fortalecer o Aquecedor Médio (zhongjiao) com B22, VC10, VC12 e VC13.

– Acalmar a mente (shen) com PC6, C7, VC17 e Yintang.

– Acrescentar BP4 e PC6 e promover o sono com Anmian I e II.

Insônia por plenitude de gan-yang (yang de fígado) Causada pelo sofrimento prolongado de repressão de emoções destrutivas que consomem o yin do fígado (gan), sendo este órgão (zang) o aplainador dos das emoções. Também podemos esperar a plenitude do yang do fígado originada pelo vazio do shen-yin (vazio do yin dos rins) que promove o esvaziamento do gan-yin (yin do fígado), permitindo que o yang ascenda para o alto, provocando cefaléia, vertigem e palpitações. Esses sintomas de falso fogo ou calor que atingem o alto (encéfalo), provocam aumento da atividade cerebral, resultando e insônia (entre 1 e 3 horas da manhã – hora do fígado na MTC), excesso de sonhos, humor lábil e estado irritativo. -Harmonizar o gan-yang (yang do fígado) com B18, F14, F3, VB34 e F8.

-Tonificar o shen-yin (yin dos rins) com R3, R7, R10, VC5, VC6 e VC7.

-Quando houver melhora da secura na boca, nictúria e redução da frequência cardíaca, iniciar tonificação do yang dos rins com B22, B23, B52, VG4 e VC4.

-Dispersar calor com IG4, IG11 e VG14.

-Acalmar a mente (shen) com PC6, C7, VC17 e Yintang.

-Promover sono com Anmian I e II.

Insônia por desarmonia do xin (coração) Vazio do xin-yin (yin do coração): significa vazio yin do coração e também de sangue (xue) do coração. Fazendo com que a energia mental (shen qi) não consiga se albergar. shen qi fica perturbado e gera insônia com sonhos excessivos. Situação comum nas anemias, pós hemorragias ou após estado febril terminal (pelo consumo de líquidos orgânicos). O consumo do yin do coração resulta em plenitude de yang que manifesta através de boca e garganta secas, taquicardia, pescoço vermelho e língua pálida avermelhada. -Tonificar xue com B20, F13, BP10, BP3, BP6 e BP1.

-Harmonizar o coração (xin) com B15, VC14 e VC17.

-Tratar o jing shen shen com B44.

-Acalmar o shen com PC6, C7, VC17 e Yintang.

-Promover o sono com Anmian I e II.

Plenitude por xin-huo (fogo do coração): pode ser causado por emoções destrutivas reprimidas que ou pelo fogo do fígado (gan-huo). Nas duas situações há deficiência de rim, ou seja, como há falta de água orgânica (cuja fonte são os rins), o fogo do coração e/ou fígado se exacerbam para o alto e agitam a mente (shen). Resultando em insônia agitada, rosto e pescoço avermelhados, boca seca, taquicardia, taquipsiquismo, urina escura e disúria. -Dispersar calor com IG4, IG11, R3, VC5, VC6 e VC7.

-Harmonizar o fogo do coração (xin-huo) com B15, VC14, C7, C3 e C5.

-Harmonizar o fogo do fígado (gan-huo) com B18, F14, F3, VB34 e F8.

-Acalmar o shen com PC6, C7, VC17 e Yintang.

-Promover o sono com Anmian I e II.

 

Fogo e Mucosidade no xin (coração): causado pelo fogo do fígado que leva à deficiência do baço (pi) com acúmulo de umidade, que acaba se transformando em umidade-calor. Paralelamente, o fogo do fígado também gera fogo do coração, promovendo o acúmulo de mucosidade no coração e ascensão do fogo. Este agita o shen (mente) e resulta em insônia agitada, sonhos excessivos, divagação mental, labilidade emocional, sensação de peso na cabeça, vômitos, constipação intestinal e fezes com mau cheiro. -Dispersar fogo e mucosidade com IG4, IG11, VG4, E40, PC6 e E37.

-Harmonizar o fogo do coração (xin-huo) com B15, VC14, C7, C3, C5, R3 e R10.

-Harmonizar plenitude do fogo do fígado (gan-huo) com  B18, F14, F3, VB34 e F8.

-Dispersar calor do encéfalo com  B62, VB20 e VG23.

-Acalmar a mente (shen) com PC6, C7, VC17, VG20 e Yintang.

Fonte: Yamamura; Yamamura (2010).

 

Auteroche; Navailh (2004) salientam que a insônia está relacionada à deficiência do baço e do coração, de maneira que a pessoa apresenta dificuldade de dar início ao sono e apresenta facilidade de despertar devido ao excesso de sonhos, indica os pontos B15 (Xinshu em chinês), ponto shu dorsal do coração, no canal da bexiga, para fortalecer a energia do baço e coração, e C7 (Shenmen). Além destes, também se incluem os pontos dos meridianos da bexiga, rins, baço/pâncreas e coração, entre os quais se destacam: C6, C7, R3, R10, BP6 e B23.

Cabendo salientar que o ponto C6 está no canal do coração e é ponto de acúmulo (xi), tendo como finalidade eliminar o calor, tonificar o qi do coração, acalmar o SHEN, limpar e ativar os canais colaterais, fortalecer e fazer circular o sangue e clarear a mente (FOCKS, 2005).

Wen (2005) indica os pontos C7, BP6, C6, R3, R10, e B23. O R3 está no meridiano dos rins e é considerado ponto riacho (shui) e ponto fonte (yuan). Neste aspecto, limpa o calor vazio, regula o qi, tonifica o yang do rim e nutre o yin.

Yamamura (2003), sobre o ponto R10, afirma que este ponto está no meridiano dos rins (shen), no ponto mar (he), e em termos de funções de energia, tonifica o yin do rim e dispersa o calor umidade do aquecedor inferior. O ponto B23, esta o meridiano da bexiga (pangguang), no ponto shu, e em termos de funções de energia, aumenta a energia dos rins, nutre o yin e o sangue e fortalece a recepção do qi dos rins. Acrescenta o uso do ponto B19, o shu dorsal da vesícula biliar o qual possibilita que se harmonize o qi do fígado, refrescando e fazendo a limpeza do fígado e do fogo, permitindo a harmonia do qi do estômago, redução do calor e remoção da umidade.

Além disso, o mesmo autor ressalta que a ascensão do fogo excessivo do fígado entre outras manifestações, acomete o sono, acarretando na insônia, cujos sinais e sintomas são: irritabilidade, língua com saburra amarela com tom vermelho e olhos avermelhados. Em termos de meridianos, este problema se liga ao fígado, bexiga, vesícula biliar e pericárdio. Indicando também os seguintes pontos para o tratamento da insônia: F2 e F3.

O ponto F2 permite que acalmar o shen (mente), harmonizar o qi sanguíneo, drenar o fogo do fígado, fazer circulação do qi que se encontra estagnado, dominar o vento interior, dispersar o yang em excesso do fígado e o calor do sangue. O Ponto F3 possibilita harmonização e tonificação do qi do fígado e sangue, abre os canais de energia, harmoniza o qi da vesícula biliar, redireciona o qi que está invertido, dispersando a umidade-calor e limpando o fogo do fígado e o calor, refrescando o sangue e causado pelo domínio do yang do fígado, nutrindo o yin (SILVA JUNIOR, 2005).

O fígado controla o sistema nervoso periférico, que acaba por ter a função de regular a atividade muscular e tensão. A incapacidade de relaxar é muitas vezes originada por uma disfunção do fígado ou desequilíbrio na energia da madeira. A energia do fígado também controla ligamentos e tendões, que, juntamente com os músculos regulam a atividade motora e determinam coordenação física. Neste âmbito, o ponto shu dorsal do fígado (B18) serve para regular o qi do fígado e afastar a umidade, refrescar o calor do sangue, acalmar a pessoa, e eliminar  o vento interno (AUTEROCHE; NAVAILH, 2004).

Silva Filho; Prado (2007) sugere outros pontos para tratamento. Mencionando que o canal da bexiga começa no canto interno do olho, elevando-se através da sobrancelha (B2), sobe a testa até o crânio e junta-se ao VG20. Entra no cérebro e dele emerge como um caminho superficial na nuca,  passando pelo pescoço e pelo ponto VB34.

Nakano e Yamamura (2005) afirmam que o ponto VB34 promove a circulação do qi do fígado e vesícula biliar, ajuda a drenar a vesícula, promovendo sua função, eliminando o calor e a umidade-calor no aquecedor médio. O ponto VB44 harmoniza o qi da vesícula biliar, dispersa o yang excessivo do fígado, limpa o fígado e vesícula biliar, e afasta o vento-calor.

Acrescentam que causas da patologia da vesícula biliar incluem o consumo excessivo de alimentos processados, alimentos gordurosos, raiva, frustração, ressentimento reprimido e clima quente. Uma vez harmonizando a vesícula biliar com VB44, também harmoniza-se o fígado, reduzindo os sinais e sintomas de plenitude, como a insônia.

Ampliando a lista de pontos de acupuntura para o tratamento da insônia,  Auteroche e Navailh  (2004) citam alguns pontos do fígado e da vesícula biliar como os mais utilizados: F2, F3, VB20, VB15, VB44, VB12, VB13 e VB34. E acrescentam que PC7 harmoniza o qi do coração e do estômago, eliminando o fogo do coração, refrescando o calor no sangue e elimina o calor.

Segundo Focks (2005), os pontos R6 e B62 são também usados para tal tratamento. Onde R6 possibilita a nutrição do yin, beneficia aos olhos, tonifica os rins e yin qiao mai, promove o fortalecimento da função do rim, acalma a mente, regula o aquecedor inferior,  refresca o sangue, melhora a abertura do tórax, além de esfriar o calor por deficiência. E o ponto B62 possibilita: relaxamento dos músculos e os tendões, suaviza a área lombar, harmonizar circulação do qi nos canais colaterais, acalma o shen (mente), fortalece o qi do cérebro, alivia o estresse mental, reanima o estado de inconsciência, dispersa o vento, o calor, o frio e o fogo perverso, beneficia os olhos, promove a circulação do sangue e abre o yang qiao mai.

Segue tabela de pontos, como mencionado no primeiro parágrafo deste item, valendo a ressalva que os pontos do meridiano do pericárdio (PC) podem ser também referenciados como coração e sexualidade (CS), ou ainda mestre do coração (MC). E para facilitar a compreensão há uma legenda abaixo da tabela, informando à qual meridiano pertence cada ponto.

Ponto Nome Ocidental Nome Chinês Localização Função
C3 Mar do shao yin Shaohai Depressão à meia distância entre a extremidade medial da prega do cotovelo e o epicôndilo medial, com o cotovelo flexionado. É ponto mar (he), ponto água no meridiano do coração, tem a função de refrescar, transformar o muco, filtrar o calor do coração, tranquilizar o shen (mente), elimina o fogo (por excesso ou deficiência) e desobstrui o canal do coração.
C5 Comunicação interna Tongli Fica a 1cun* proximal à prega de flexão do punho, na margem radial do tendão do músculo flexor ulnar do carpo. É ponto luo (conexão) do meridiano do coração, tonifica o qi do coração, tranquiliza o shen (mente), beneficia a língua e elimina o fogo que desce. Excelente ponto para tonificar o coração.
C6 Fenda do yin Yinxi Localizado à 0,5 cun* proximal à parte anterior da articulação da mão, no punho, radial ao tendão do músculo flexor ulnar do carpo. É ponto xi (fenda) do meridiano do coração,  fortalece e regula o yin do coração, filtrar o vazio e o calor do coração e tranquiliza o shen (mente).
C7 Porta do espírito Shenmen No espaço anterior da articulação da mão, no punho (“prega mais distal do punho”), radialmente à inserção do tendão do músculo flexor ulnar do carpo. É ponto yuan (fonte), shu (corrente) e ponto terra do meridiano do coração. Regula e fortalece o yin e o xue do coração; Tranquiliza o shen (mente); Elimina calor do canal do coração; além de ser ponto de sedação.
PC6 Passagem interna

 

ou

 

Portão interior

Neiguan Cerca de 2 cun* proximais à parte anterior da articulação da mão, no punho (“parte mais distal da prega do punho”), entre os tendões do músculo palmar e músculo flexor radial do carpo. É ponto luo (conexão) do meridiano do pericárdio, tranquilizar o shen (mente), move estagnação de qi/xue/fleuma, libera o qi do fígado e vesícula biliar, redireciona o qi do pulmão e estômago, relaxa o tórax e acalenta a dor.
PC7 Grande colina

 

Daling Localizado na prega de flexão do punho, entre os tendões dos músculos palmar longo e flexor radial do carpo. É ponto yuan (fonte), shu (corrente), terra e ponto de sedação do meridiano do pericárdio.

Acalmar coração e a mente (shen), esfriar o calor do sangue (xue), calor ou fogo do coração, eliminar estagnação de qi e xue, além de harmonizar o estômago.

F2 Passando no meio Xingjian Entre o primeiro e segundo artelhos, proximal à prega interdigital. É ponto ying (manancial) , ponto fogo  (por isso é sedado na maioria das vezes) e de sedação do meridiano do fígado, elimina o fogo do fígado (invadindo outros zangfu), circula o qi do fígado, refresca e retém o xue, extingue o vento interno e resolve umidade-calor.
F3 Supremo impulso Taichong Depressão distal à junção dos ossos metatarsais 1° e 2°. É ponto yuan (fonte), ponto shu (corrente) e ponto terra do meridiano do fígado.
F8 Nascente sinuosa Ququan Fica na depressão acima da extremidade medial da prega poplítea, entre o epicôndilo medial do fêmur e os tendões semimembranáceos e semitendíneos (com o joelho fletido). É ponto  he (mar), ponto água e de tonificação do meridiano do fígado. Elimina umidade-calor do aquecedor inferior, beneficia bexiga, nutre o yin e o xue do fígado, além de beneficiar os joelhos.
F13 Porta brilhante Zhangmen Localizado logo abaixo da extremidade livre da 11° costela. É ponto hui (influência) dos órgãos e ponto mu (alarme) do baço/pâncreas no meridiano do fígado, impede invasão do fígado sobre a terra (baço/pâncreas e estômago), circula o qi do fígado e fortalece baço/pâncreas.
F14 Portal cíclico Qimen Fica localizado à 4 cun* laterais à linha média anterior, no espaço intercostal 6°. É ponto mu (alarme) do fígado no meridiano do fígado. Move o qi e o xue do fígado e harmoniza o estômago e o fígado.
VB8 Seguindo para o vale Shuaigu Fica na depressão acima do ápice da orelha, 1,5 cun* dentro da linha do cabelo. Pacifica o yang do fígado, extingue o vento do fígado e redireciona o qi do estômago.
VB9 Passagem para o paraíso Tianchong Localizado à 0,5 cun* posterior à VB8. Pacifica o yang do fígado, extingue o vento do fígado e tranquiliza  o shen (mente).
VB12 Osso do mastóideo Wangu Localizado em uma depressão posteriormente ao processo mastóideo. Pacifica o yang do fígado, tranquiliza o shen (mente), além de eliminar o vento e o calor.
VB13 Raiz do shen Benshen Localizado à 0,5 cun* acima da linha de implantação do cabelo e 3 cun* laterais à linha mediana. Pacifica o yang do fígado, extingue o vento interno, tranquiliza o shen (mente) e resolve fleuma.
VB15 Controle das lágrimas na cabeça. Toulinqi Localizado à 0,5 cun* da linha anterior de implantação do cabelo, na vertical acima da pupila centralizada. Pacifica o yang do fígado, tranquiliza o shen (mente) e clareia a visão.

 

 

VB20 Poços dos ventos

 

ou

 

Consciência tranquila

Fengchi Na margem inferior do occipício, na depressão entre as inserções do músculo esternocleidomastóideo e do músculo trapézio, bilateralmente. Extingue o vento interno, elimina vento externo (calor ou frio), pacifica o yang do fígado, resolve calor e fogo, beneficia olhos e ouvidos, relaxa a tensão e os tendões, circula qi e xue do fígado, tranquilizar o shen (mente) e nutre a medula.
VB34 Nascente da montanha yang Yanglingquan Localizado na depressão à frente e abaixo da cabeça da fíbula. É hui (influência) dos tendões, ponto he (mar), ponto água e ponto de tonificação do meridiano da vesícula biliar. Relaxa e fortalece os tendões, resolve a umidade-calor na vesícula biliar e no fígado, desobstrui o canal da vesícula biliar e harmoniza o fígado (vento, yang e qi).
VB44 Orifício yin do pé Zuqiaoyin Localizado à 0,1 cun* proximal ao ângulo ungueal do 4° artelho. É ponto metal do meridiano da vesícula biliar, pacifica o YANG e o fogo do fígado, tranquiliza o SHEN (mente), beneficia os orifícios da mente (em especial os olhos).
R3 Grande riacho Taixi Localizado na depressão a meia distância entre a proeminência do maléolo medial e o tendão de Aquiles.  É ponto yuan (fonte), ponto  shui (riacho) e ponto terra do meridiano do rim. Beneficia o rim (qi, yin, yang e jing), estabiliza a recepção do qi do pulmão, tranquiliza o shen (mente) e fortalece a lombar e os joelhos.
R6 Sono feliz

 

ou

 

Mar brilhante

Zhaohai Localizado diretamente abaixo do maléolo medial, num ligeiro recuo. Abre Vaso Maravilhoso (yin qiao mai) juntamente com P7 (por isso também chamado de ponto mestre), nutre o yin do rim. Refresca o calor do sangue (xue), tranquiliza o shen (mente), regula o yin qiao mai, nutre o yin do rim, beneficia a garganta e os olhos.
R7 Fluxo regresso Fuliu Localizado à 2 cun* acima do R3, na margem anterior do tendão de Aquiles É ponto jing (rio), ponto de tonificação do rim, e ponto metal no meridiano do rim. Tonifica o yang do rim, drena umidade (calor ou frio), regula transpiração e fortalece a lombar.
R10 Vale do yin Yingu Localizado no aspecto medial da fossa poplítea, entre os tendões dos músculos semitendíneo e semimembranáceo (com o joelho fletido). Tonifica o yin do rim, resfria o fogo, resolve a umidade no aquecedor inferior.
B1 Olhos brilhantes Jingming Localizado à 0,1 cun* acima do ângulo interno do olho. Beneficia os olhos, expele o vento calor e elimina o fogo do fígado.
B2 Bambu reunido Zanzhu Localizado na depressão na extremidade medial do supercílio, na vertical que passa acima de B1. Beneficia os olhos, expele vento calor, pacifica o yang do fígado e desobstrui o canal do fígado.
B7 Alcançando o céu Tongtian Localizado à 4 cun* da linha anterior de inserção do cabelo e 1,5 cun* lateral à linha média. Expele vento (frio ou calor), extingue o vento do fígado e beneficia nariz.
B15 Ponto shu do coração Xinshu Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso de T5. É ponto shu dorsal (corrente dorsal) do coração no meridiano da bexiga. Tonifica o coração (qi, yang, yin e xue), move o qi e o xue do coração, elimina o calor do coração, resolve fleuma do coração e tranquiliza o shen (mente).
B18 Ponto shu do fígado Ganshu Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso da T9. É ponto shu Dorsal (corrente dorsal) do fígado no meridiano da bexiga. Move e nutre o xue do fígado, move e tonifica o qi do fígado, drena umidade-calor da vesícula biliar e do fígado, elimina calor e extingue vento interno.
B20 Ponto shu do baço/pâncreas Pishu Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso da T11. É ponto shu dorsal (corrente dorsal) do baço/pâncreas no meridiano da bexiga. Tonifica o baço/pâncreas (qi, xue e yang), resolve umidade e fleuma, além de regular os aquecedores médio e inferior.
B21 Ponto shu do estômago Weishu Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso da T12. É ponto shu dorsal (corrente dorsal) do estômago no meridiano da bexiga. Regula o estômago, redireciona o qi rebelde (quando esta energia flui no sentido errado), drena umidade, além de eliminar a estagnação alimentar.
B22 Ponto shu do

triplo aquecedor

Sanjiaoshu Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso da L1. É ponto shu dorsal (corrente dorsal) do triplo aquecedor no meridiano da bexiga. Resolve umidade do aquecedor inferior, regula via das águas e tonifica o rim.
B23 Ponto shu do rim Shenshu Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso da L2. É ponto shu dorsal (corrente dorsal) do rim no meridiano da bexiga. Tonifica o rim (qi, yang, yin e jing), beneficia ossos e medula, nutre o xue, drena a umidade-calor e beneficia a lombar.
B44 Salão do espírito Shentang Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso da T5. Equilibra o shen (mente).
B52 Residência da vontade Zhishi Localizado à 3 cun* laterais à margem inferior do processo espinhoso de L2. Fortalece o rim, beneficia o jing (essência), regula a urina, beneficia alombar e consolida o zhi (vontade).
BP1 Branco escondido Yinbai Localizado à 0,1  cun* proximal ao ângulo ungueal do hálux. É ponto jing (poço) e ponto madeira do meridiana do baço/pâncreas. Regula baço/pâncreas, detêm hemorragias e tranquiliza o shen (mente).
BP3 Branco supremo Taibai Proximal e interior à articulação metatarsofalângica  1°, na mudança de cor da pele. É ponto shu (riacho), ponto terra e ponto yuan (fonte) do meridianao do baço. Tonifica o qi e o yang do baço e pâncreas, resolve umidade e fleuma, nutre o xue e regula o intelecto (yi).
BP4 Neto da realeza Gongsun Distal e inferior à base  metatarsal 1°, na mudança da cor de pele. É ponto luo (conexão ou passagem) e ponto abertura (vaso maravilhoso: chong mai) do meridiano do baço/pâncreas. Regulariza o chong mai, harmoniza o útero, regulariza xue, beneficia o estômago e baço/pâncresa, tranquiliza o shen (mente), move o qi doa três aquecedores (jiao) e tonifica os rins.
BP6 Encontro dos três yin Sanyinjiao Localizado a 3cun* proximais à proeminência do maléolo medial, atrás margem medial da tíbia. É o encontro dos três yin da perna (baço/pâncreas, rim e fígado) no meridiano do baço/pâncreas. Harmoniza baço/pâncreas, rins e fígado. Drena o aquecedor inferior da umidade (calor ou frio), tranquiliza o shen (mente), regula o útero.

qi: move, tonifica e ergue.

xue: move, nutre, esfria e retém.

BP10 Mar do sangue Xuehai Localizado à 2 cun* proximais à margem superior medial da patela, na saliência do músculo vasto medial (com o joelho fletido). Fortalece o sangue (xue), elimina estase, resfria, estanca hemorragia, regula menstruação, beneficia a a pele. É empregado em todos os distúrbios do sangue.
E36 Três diatâncias

do pé

Zusanli Localizado abaixo de E35 e a 1 dedo lateral da margem anterior da tíbia. Ponto mar (he) e ponto água do meridiano do estômago, tonifica qi, xue, yin, yang e yuan qi. Harmoniza wei qi e ying qi, ergue o qi e yang afundados, fortalece terra , regula intestinos, circula e direciona o qi do estômago, expele vento/frio/umidade, clareia a visão tranquiliza o shen (mente) e promove ressuscitação.
E37 Grande vazio superior Shangjuxu Localizado à 6 cun* abaixo de E35 e 1 dedo lateral da margem anterior da tíbia. Regula intestino, elimina umidade-calor, harmoniza o estômago, controla o qi rebelde, elimina o acúmulo e a estagnação.
E40 Saliência abundante Fenglong Localizado à 8 cun* abaixo de E35 e 2 dedos laterais da margem anterior da tíbia. Ponto luo (conexão) do meridiano do estômago, remove fleuma e umidade, controla o qi rebelde e tranquiliza o shen (mente).
E42 Pulsação yang Chongyang No ponto mais alto do dorso do pé, entre os tendões dos músculos extensor longo dos artelhos e extensor longo do hálux (lateral à artéria dorsal do pé). Ponto de sedação e ponto yuan (fonte) do meridiano do estômago. Desobstrui o canal do estômago, além de tonificar estômago e baço/pâncreas.
E44 Palácio interno Neiting Entre o 2° e o 3° artelhos, proximal à prega interdigital. Ponto fogo e ponto JING (poço) do meridiano do estômago, drena o fogo do estômago, elimina dor da mandíbula, expele vento da face, tranquiliza o SHEN (mente) e regula os intestinos.
IG4 Vale do encontro Hegu No dorso da mão , com o polegar abduzido, no ponto mais alto da saliência muscular. Ponto yuan (fonte) e ponto  gao wu  (comando) da face no meridiano do intestino groso. Expele vento externo (calor), tranquiliza shen (mente), alivia a dor, move o qi e o xue, pacifica o yang do fígado, extingue vento interno, tonifica o wei qi, facilita o parto, além de regular o intestino grosso.
IG11 Lagoa tortuosa Quchi Localizado na extremidade lateral da prega do cotovelo (com este flexionado). Ponto he (mar) do meridiano do intestino grosso. Remove o calor interno e externo, remove umidade-calor, esfria o xue, expele vento externo, regula os intestinos, benefecia os músculos e articulações, além de remover o fogo do fígado.
VC4 Residência do yuan qi Guangyuan Localizado à 3 cun* abaixo do centro do umbigo, na linha média. Ponto mu (alarme) do intestino delgado, fortalece todos os zangfu (principalmente os rins), regula o útero e estabiliza as emoções. Além de beneficiar yin, yang, qi, wei qi, yuan qi e jing.
VC5 Portão da rocha Shimen Localizado à 2 cun* do centro  do umbigo, na linha média. Ponto mu (alarme) do triplo aquecedor, move e auxilia os caminhos das águas, além de regular o qi do sangue e triplo aquecedor.
VC6 Mar de energia Qihai Localizado à 1,5 cun* do centro do umbigo, na linha média. Move, tonifica e ergue o qi. Tonifica o yang e o yuan qi e move o qi e a umidade do aquecedor inferior.
VC7 Inserção yin Yinjiao Localizado à 1 cun* abaixo do centro do umbigo, na linha média. Nutre o yin, regula a menstruação e elimina a umidade do aquecedor inferior.
VC10 Epigástrio inferior Xiawan Localizado à 2 cun* acima do centro do umbigo, na linha média. Move e desce o qi do estômago e elimina a estagnação de alimentos.
VC12 Meio do epigástrio Zhongwan Localizado   à 4 cun* do centro do umbigo, na linha média, ao nível de R19  e E21. Ponto mu (alarme) do estômago, ponto hui (influência) das vísceras.  Tonifica o estômago e baço/pâncreas, redireciona o qi do estômago, elimina a umidade e fleuma e tranquiliza o shen (mente).
VC13 Epigástrio superior Shangwan Localizado a 5 cun* do centro do umbigo, na linha média. Redireciona o qi do estômago.
VC14 Palácio magnífico Juque Localizado a 6 cun* acima do centro do umbigo, na linha média.  Ponto mu (alarme do coração), tranquiliza o shen (mente), elimina o fogo e fleuma do coração, pacifica o estômago e elimina o medo.
VC17 No meio do tórax Tanzhong  Localizado ao nível do 4° espaço intercostal, na linha média. Ponto mu (alarme) do pericárdio e ponto hui (influência) do qi. Desestagna o aquecedor superior, tonificam o qi do coração e pulmão, beneficia as mamas e redireciona o qi do estômago e do pulmão.
VG4 Portal da vida Mingmem Localizado abaixo do processo espinhoso de L2, ao nível de B23 e B52. Aquece o ming men, tonifica o yang (todos os zang-fu principalmente os rins), beneficia o jing e yuan qi, expele o frio e umidade, ergue qi, fortalece a lombar, clareia a mente e fortalece o zhi (vontade).
VG20 Cem encontros Baihui Localizado à 5 cun* atrás da linha do cabelo, sobre a linha média. Pacifica o vento e o yang do fígado, tranquiliza o shen (mente), tonifica o qi e o yang, envia o qi e o yang límpido para cabeça e promove a ressuscitação.
Yintang Salão marcado Yintang Localizado entre às sobrancelhas, na linha média. Tranquiliza o shen (mente), elimina vento calor e beneficia o nariz.
Anmian

I e II

Sono tranquilo Anmian Localizado à meia distância entre o VB20 e TA17. Tranquiliza o shen (mente).
Legenda referente a abreviação dos acupontos: (C) = meridiano do coração  / (PC) = meridiano do pericárdio / / (F) = meridiano do fígado / (VB) = meridiano da vesícula biliar / (R) = meridiano do rim/ (B) = meridiano da bexiga / (BP) = meridiano do baço / (E) = meridiano do estômago / (IG) = meridiano do intestino grosso / (VC) = meridiano vaso concepção / (VG) = meridiano vaso governado / os pontos que não são representados por letras e números são chamados de pontos extras, bastando apenas o em chinês.

*cun  = significa unidade de medida utilizada pelo chinês para distâncias do corpo. Sendo 1cun equivalente a 2,5cm, segundo FOCKS (2005).

Fontes: Focks (2005), Hecker (2007), Focks (2008) e Lima (2015).

 

 

  1. CONCLUSÃO

Os resultados observados neste material, apesar da escassez de obras já publicadas sobre o tema, após revisão de literatura sobre suas bases teóricas, diagnóstico e tratamento, mostram que, a insônia está cada vez mais presente no cotidiano das pessoas, e que a busca de tratamentos para este agravo volta-se sobretudo para terapias não medicamentosas, complementares, e/ou cognitivas, que podem trazer menor dano à saúde e dependência.

A acupuntura no tratamento da insônia resgata o equilíbrio do organismo pela liberação de neurotransmissores. Como a serotonina, que contribui para o relaxamento do   organismo, sem efeitos colaterais e de forma gradativa. Logo, a melhora quantiqualitativa do sono é atingida a cada sessão, com benefícios que podem ser visíveis já no primeiro dia do tratamento.

Mesmo não existindo um protocolo único, verificado pela diversidade de pontos propostos para o tratamento da insônia, observa-se consenso entre os profissionais que participaram das pesquisas e também entre os autores consultados. No que se refere ao fato de, a acupuntura ser capaz de oferecer excelentes resultados no tratamento e cura de pacientes portadores de insônia.

  1. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICA

AUTEROCHE, B.; NAVAILH, P. O diagnóstico na medicina chinesa. São Paulo: Andrei, 2004.

FOCKS, C. Atlas de Acupuntura: com sequência de fotos e ilustrações, textos didáticos e indicações clínicas. São Paulo: Manole, 2005.

HADDAD, M. L; MEDEIROS, M; MARCON, S. S. Qualidade de sono de trabalhadores obesos de um hospital universitário: acupuntura como terapia complementar. Rev Esc Enferm. v. 46, nº 1, 2012. Disponível em: <http://www.scielo.br/pdf/reeusp/v46n1/v46n1a11.pdf> Acesso em: 19 de junho de 2016.

KUBOTA; SILVA; MASIOLI. Aspectos da insônia no adulto e a relação com o desempenho ocupacional. Rev Ter Ocup Univ. v. 25, nº 2, 2014.  Disponível em: < http://www.revistas.usp.br/rto/article/view/64660/88127>. Acesso em: 18 de maio de 2016.

MACIOCIA, G. Os Fundamentos da Medicina Chinesa. São Paulo: ROCA, 1996.    

MONTI, J. M. Insônia Primária: Diagnóstico Diferencial e Tratamento. Rev Bras Psiquiatr. v. 22, nº 1, 2000. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462000000100009>. Acesso em: 30 de maio de junho.

MULLER, M. R; GUIMARAES, S. S. Impacto dos transtornos do sono sobre o funcionamento diário e a qualidade de vida. Estudos de Psicologia. v. 24, nº 4, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/estpsi/v24n4/v24n4a11.pdf> Acesso em: 18 de maio de junho.

NAKANO, M.A.Y.; YAMAMURA, Y. Acupuntura em dermatologia e medicina estética: sob o ponto de vista energético, espiritual, funcional e orgânico. São Paulo: Médica Paulista, 2005.

NEVES, G. S. M L, et al.  Transtornos do sono: visão geral. Rev Bras Neurol. v.49, nº 2, 2013. Disponível em: < http://docplayer.com.br/400819-Transtornos-do-sono-visao-geral.html>. Acesso em: 13 de junho de 2016.

NUNES, L. G; CALVACANTE, V. Avaliação clínica e manejo da insônia em pacientes pediátricos. J. Pediatr. v. 81, nº 4, jul/ aug. 2005.  Disponível em: < http://www.scielo.br/pdf/jped/v81n4/v81n4a04>. Acesso em: 02 de junho de 2016.

NUNES, M. L; BRUNI, O.  Insônia na infância e adolescência: aspectos clínicos, diagnóstico e abordagem terapêutica. J. Pediatr. v. 91, nº 6. 2015.  Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0021-75572015000800004>. Acesso em: 17 de junho de 2016.

OLIVEIRA, B. H. D. et al. Relações entre padrão do sono, saúde percebida e variáveis socioeconômicas em uma amostra de idosos residentes na comunidade – Estudo PENSA. Ciênc. saúde coletiva. v.15, nº 3, mai. 2010. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1413-81232010000300028>. Acesso em: 05 de junho de 2016.

PASSOS, G. S. Tratamento não farmacológico para a insônia crônica. Rev. Bras. Psiquiatr. v. 29, n. 3, set, 2007. Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1516-44462007000300016>. Acesso em: 22 de março de 2016.

RAUSCH, C. Só tem insônia quem quer. São Paulo: Matrix, 2009.

ROBAINA, J. R. Eventos de vida produtores de estresse e queixas de insônia entre auxiliares de enfermagem de um hospital universitário no Rio de Janeiro: Estudo Pró-Saúde. Rev Bras Epidemiol. v.12, nº 3, 2009.  Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-790X2009000300018>. Acesso em:  25 de maio de 2016.

SILVA FILHO, R. G; PRADO, G. F. Os efeitos da acupuntura no tratamento da insônia: revisão sistemática. Rev Neurocienc. v. 15, nº 3, 2007. Disponível em: < http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2007/RN%2015%2003/Pages%20from%20

RN%2015%2003-3.pdf>. Acesso em: 29 de maio de 2016.

SILVA JÚNIOR, M.F. Diagnóstico em Acupuntura tradicional chinesa. São Paulo: Livro Pronto, 2005.

TAKIGUCHI, R. S. et al. Efeito da acupuntura na melhora da dor, sono e qualidade de vida em pacientes fibromiálgicos: estudo preliminar. Fisioter Pesq. v. 15, nº 3, 2008.

Disponível em: < http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1809-29502008000300011>

Acesso em:  22 de junho de 2016.

TRINCA, W. Notas clínicas sobre a insônia simples. Acad. Paul. Psicol. v. 29 nº 1, jun, 2009. 

Disponível em: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1415-711X2009000100010>

Acesso em: 10 de março de 2016.

VARELA, M. J. V. et al. Insônia: doença crônica e sofrimento. Revista Neurociencias. v.13,  nº 4, out/dez, 2005. Disponível em: <http://www.revistaneurociencias.com.br/edicoes/2005/RN%2013%2004/Pages%20from

%20RN%2013%2004-3.pdf>. Acesso em: 11 de junho de 2016.

WEN, T.S. Acupuntura clássica chinesa. São Paulo: Cultrix, 2005.

YAMAMURA, Y. Acupuntura tradicional: a arte de inserir. São Paulo: Roca, 2003.

YAMAMURA, Y; YAMAMURA, M. L. Propedêutica energética: inspeção e interrogatório. São Paulo: Center AO, 2010.

HECKER, H. U, et al. Prática de Acupuntura: localização de pontos – opções terapêuticas – conhecimentos básicos de MTC. Rio de Janeiro: Guanabara Koogan, 2007.

FOCKS, C. Guia prático de acupuntura: localização de pontos e técnicas de punção. São Paulo: Manole, 2008.

LIMA, P.R. Manual de acupuntura: direto ao ponto. Porto Alegre: Nova Letra, 2015.

 

 

 

Posted in Artigos Científicos by admin